Exposição do Evangelho de João: A Glória do Verbo Divino (Segunda e última parte):


E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai. João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim. Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça. Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou. (Jo 1:14-18).


IV – O VERBO POSSUI GRAÇA PLENA (Jo 1:16,17):

João prossegue mostrando que em sua glória o Filho de Deus nos traz a graça. Aliás, graça e verdade, mas tratemos agora da graça. A graça nos fala do favor imerecido de Deus a nós pecadores culpados. Não podemos nos salvar mas em seu Filho Ele nos salva em sua graça. Esta graça é abundante, jamais termina, pois sua fonte é plena, suficiente, inesgotável. Amados, este é o Cristo Glorioso. Seus recursos em favor de seu povo são plenos. Como precisamos entender isso em meio a esta sociedade humanista em que vivemos. Os homens gostam de confiar em suas próprias capacidades e recursos. Gostam de crer que possuem condições de alcançar grandes coisas, e até de agradar a Deus. Gostam de confiar em sua própria religiosidade. Enfim, gostam de gloriar-se, estão sempre em busca da glória humana.
Todavia quando compreendemos o Verbo cheio de glória, quando entendemos que Ele possui graça plena, compreendemos, então, que por nós mesmos estamos perdidos. Isso é o que temos diante de Deus por nossos próprios recursos: Nada! Nossa religiosidade é nada, nossa justiça é nada, diante Dele não passam de trapo de imundícia (Is 64:6) Não passamos de grandes pecadores, diante de sua santidade somos imundos, nosso coração está diante Dele, e Ele enxerga em nós, no profundo de nosso ser que não o amamos com perfeição, que aliás estamos muito longe da perfeição. Devido a isso as nossas melhores obras diante Dele não passam de pecado. Sim, esta é nossa dura realidade: dívida, dívida, dívida. E por nossos recursos jamais poderemos pagar este débito. Oh meu amado, por nós mesmos estamos condenados ao inferno. Mas é nesse ponto que em sua graça se manifesta o Filho de Deus em sua portentosa glória. Sim, pois Ele se encarnou, Ele esteve entre nós, Ele se tornou como um de nós, Ele se humilhou, Ele se entregou ao sofrimento e a morte, e este sofrimento e morte era de seu povo, mas Ele assumiu este sofrimento e morte, Ele estava em sua humilhação e morte substituindo seu povo diante do Pai, Ele carregou sobre si a ira que era para ser derramada sobre seu povo, e com isso Ele pagou a dívida, ela está quitada, e agora na graça Ele justifica ao que crê, nesta graça Ele o santifica, e nesta graça o crente Nele será glorificado. E este crente só crê porque a graça atuou em sua vida, porque na eternidade Deus o predestinou e elegeu (Rm 8:29,30). Esta é a graça infinita, plena, é uma onda atrás da outra neste grande oceano de graça. É graça sobre graça. Nunca faltará ao eleito de Deus a graça suficiente para prosseguir até a vitória final.
É isso meu amigo: Eu lhe afirmo que em sua justiça própria não há esperança, mas em Cristo há graça sobre graça ao que crê. Creia em Cristo, procure conhecer sua glória, creia, enxergue esta glória pela fé. Não se desvie e distraia pela glória e justiça humana, pois isto nada é. João diz: “temos recebido de sua plenitude graça sobre graça”. Quem são estes? Naturalmente são os que crêem. Veja que João diz: “temos recebido”. Ele se inclui entre os que recebem esta graça. No verso 14 ele também se inclui ao dizer: “vimos a sua glória”. Naturalmente João está se referindo a testemunhas oculares. Mas não se incluem apenas estes. Todos aqueles que desde então têm ouvido as palavras do testemunho deles até os nosso dias, me refiro ao que ouvem e crêem, todos estes também de certa forma têm visto a sua glória, e recebido graça sobre graça (Jo17:20,21; Jo 20:29). Dessa forma eu lhe exorto a que procure entender esta glória, procure discerni-la pela fé. Ouça a Palavra da Escritura que é o testemunho destas pessoas que conviveram pessoalmente com o Verbo divino, e que dirigidas por seu Espírito, recebendo sua graça, creram Nele e viram sua glória. Estas pessoas deixaram para nós o seu testemunho na Escritura. A questão é: Cremos ou não cremos neste testemunho? Hoje vemos a glória de Cristo e recebemos a plenitude de sua graça quando cremos no testemunho da Escritura. A graça gera a fé, e nesta fé vemos a glória de Cristo. No entanto ainda virá mais graça, pois é graça sobre graça. E nesta plenitude chegaremos ao Céu, e quando chegarmos lá uma coisa ficará evidente: Foi tudo pela graça, foi graça sobre graça! Você crê?
Observemos ainda que no verso 17 João finalmente identifica o Verbo: É Jesus Cristo. Ele é o Verbo e não há outro. Abraão não é o Verbo, Moisés não é o Verbo, João Batista não é o Verbo, João o Evangelista não é o Verbo, Pedro não é o Verbo, Maria não é o Verbo, nenhum outro homem ou mulher da história é o Verbo, nenhum homem da atualidade, ou mulher da atualidade é o Verbo. Quem é o Verbo? Resposta: Jesus Cristo. Está claro para você? Você crê nisso? Você está olhando apenas para Ele, para Jesus Cristo? Não está se distraindo com outro? Tome muito cuidado com isso, pois o perigo é muito grande, visto que se um dia chegarmos de fato a conhecer a glória de Deus terá sido somente pelo Verbo Divino que é Jesus Cristo. Esteja certo disto! Mas João ainda afirma neste verso a superioridade de Cristo sobre Moisés. Ele diz: que por Moisés veio a Lei e por Cristo veio a graça. Aqui devemos entender que a revelação em Cristo foi maior que em Moisés. Na Lei de Moisés haviam os tipos, mas Cristo é o cumprimento destes tipos. Assim a graça se manifestou plenamente em Cristo. Cristo é o Verbo de Deus!

V – NO VERBO TEMOS A VERDADE (Jo 1:18):

Em sua glória o Verbo não é apenas cheio de graça, mas também é cheio de Verdade (Jo 1:14). Ele é a Verdade. E conhecer a Verdade é conhecer a Deus. Ele é o Filho de Deus, e a sua glória está nisso. Ele é a expressão exata do ser de Deus (Leia: Hb 1:1-3), e quem o vê, vê a Deus (Leia: Jo 14:5-11). A Verdade primordial que precisamos é: Conhecer a Deus. Você o conhece? Quer saber como conhecê-lo? Oh meu amigo só há uma forma de conhecê-lo: É pelo verbo. Ele é o revelador de Deus, pois Ele é o Filho de Deus, e está em intima comunhão com seu Pai. Ele esta no seio do Pai. Se só Ele possui este conhecimento de Deus, então só Ele pode nos revelar a Deus. Ele interpreta Deus para nós. Quando o conhecemos e cremos Nele, em sua Palavra, então podemos dizer que conhecemos a Deus. Na pessoa de Jesus Cristo e em sua obra podemos conhecer a Deus. E assim podemos conhecer a Verdadeira glória: A glória de Deus.
Meu amigo este é o maior e mais importante conhecimento que existe. Este é o fim, o propósito, de todo homem: conhecer a Deus e viver para sua glória. Esta é a glória verdadeira. Esta é a felicidade verdadeira. “Em nos voltarmos para Deus está a nossa mais completa e mais duradoura satisfação” (John Piper, em Para sua alegria, página 38). A felicidade está nisso. Como é triste ver homens e mulheres buscando a felicidade longe de Deus. Pensam que as “celebridades” deste mundo são felizes e querem ser como elas. Buscam a glória humana, a glória mundana, que despreza a Deus. A glória de homens que se auto-valorizam e não honram a Deus. Pensam apenas nesta vida. Não, nisto não há a felicidade. A felicidade está em conhecer a Deus ama-lo e viver para sua glória e honra. É por isso que a Bíblia e a história da Igreja mostram homens que mesmo em sofrimento intenso e até diante da morte não abandonaram o conhecimento de Deus em Cristo. E eles agiram assim porque entenderam que este é o nosso maior tesouro: Deus. E fique claro: Só há um meio de conhecê-lo de fato: Em Jesus Cristo, o Verbo Divino. Que você que lê estas linhas procure conhecê-lo e creia Nele! Essa é a glória verdadeira!

VI – CONCLUSÃO:

Jesus Cristo é o Filho de Deus, o Verbo Divino. Só Ele nos revela a Deus e nisso encontramos a glória verdadeira. Nele descobrimos a plena graça, suficiente graça , sem a qual nada temos. A glória do mundo é falsa pois não pertence a Deus. Esta glória mentirosa está fadada a decepção e destruição. Todavia felizes são os que crêem em Jesus Cristo, pois nesta fé eles encontram a glória verdadeira e o verdadeiro propósito de suas vidas: Deus.
Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)