Somos como Maria ou como Judas?* – João 12:1-11 - Texto áudio e vídeo - Manoel Coelho Jr. .



Baixe o Mp3 clicando aqui.

Acesse o vídeo clicando aqui.

I – INTRODUÇÃO:

O Senhor chega a Betânia após um período de isolamento. Isso causa alegria entre as pessoas, que o recebem e lhe oferecem uma ceia na casa de Simão, o leproso (Mc 14:3-9). Lázaro é um dos que estão à mesa com Cristo e Marta os serve. Mas é o que Maria faz que resplandece como o evento mais importante do episódio, pois mostra sua atitude em relação a Cristo como também atitude oposta por parte de Judas. Acrescente-se o fato da nova determinação dos inimigos de Cristo de também matarem a Lázaro por ser este uma prova viva de um grande milagre por parte de Nosso Senhor. Tudo isso nos mostra essencialmente uma verdade: As reações diante de Cristo são basicamente duas, isto é, ou o amamos ou o odiamos amando as coisas desta vida. Cada um de meus leitores está em uma destas posições. Não há neutralidade. Olhemos agora para o texto com mais cuidado aplicando a nossas vidas esta verdade básica.

II – A GRATIDÃO AMOROSA DE MARIA (Jo 12:1-3; Mt26: 6-13, Mc 14:3-9).

Maria traz um vaso, o quebra, e despeja seu conteúdo, um bálsamo preciosíssimo, sobre a cabeça e os pés de Cristo, enxugando-os com seus cabelos. Maria faz isso movida por profunda gratidão por seu Senhor que para ela era a Ressurreição e a Vida, aquele que tirara da morte a seu irmão Lázaro. Judas avaliou o valor do bálsamo em trezentos denários. Lembrando que cada denário equivalia ao pagamento de um dia de trabalho (Mt 19:2), podemos dizer que ali foram gastos praticamente o salário de um ano inteiro, visto que não se trabalhava nos sábados e em outra ocasiões. Isso expressava que Maria considerava o Senhor mais importante que toda e qualquer coisa desta vida, e que para ela o mais importante era manifestar este amor custasse isso o quanto custasse. Ela podia dizer com Paulo: “Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.” Fp 1:21.

Maria chegara a esta situação devido ao seu conhecimento a respeito da pessoa bendita de Cristo. Ela já compreendia muito sobre quem era Jesus. Ela o via como a Ressurreição e a Vida e como extremamente amoroso. Esse era seu conhecimento repleto de fé. Isso causava nela um amor cheio de gratidão que se expressava em atos concretos como neste do episódio que estamos estudando. Não pode existir verdadeiro amor a Cristo sem conhecimento de quem Ele é. E não há de fato amor sem atos concretos de gratidão a Ele. Se o amamos é porque o temos conhecido por sua revelação nas Sagradas Escrituras. É porque temos compreendido sua pessoa por meio de seus sinais narrados nos evangelhos (Jo 20:30,31). Temos descoberto que Ele nos deu a Vida Eterna morrendo por nós na Cruz. Temos visto sua Pessoa como repleta de amor por nós ao ponto de se dispor a morrer para nos salvar. Esse conhecimento quando acompanhado de fé há de gerar amor profundo inundado de gratidão que se manifesta em atos concretos. Neste caso nada para nós é mais importante que Cristo, nem mesmo o salário de um ano inteiro de trabalho. Nada nos será por demais custoso, se for feito para sua Glória e Honra. Estaremos até mesmo dispostos a dar a nossa própria vida por Ele. Eis que precisamos avaliar se amamos assim o Nosso Senhor, pois este é o Cristianismo verdadeiro.

II – A AVALIAÇÃO EGOÍSTA DE JUDAS (Jo 12:4-6).

Este trecho apresenta-nos um contraste tão grande entre Maria e Judas que devemos nos perguntar se concordamos com um ou com outro. Judas vê aquele ato de Maria como um completo desperdício, e dá uma razão aparentemente muito lógica para isso. Ora, derramar aquele bálsamo tão precioso em Cristo de uma vez só era estragá-lo. Poderia ter-se dado a ele um destino mais “útil”. Por exemplo, poderia ter-se vendido para distribuir o valor ao pobres. Não teria sido este um ato mais amoroso e santo? Há algo melhor que demostre nosso coração amoroso do que ajudar o próximo necessitado? Parecem tão convincentes os argumentos de Judas...Não é verdade? No entanto o Evangelista João denuncia que no coração de Judas não havia assim tão boas intenções. Na verdade ele queria roubar aquele dinheiro, pois era ladrão e sempre retirava valores da bolsa. Para Judas ver o derramamento daquele bálsamo foi extremamente doloroso... Oh, pelo menos parte desse dinheiro poderia ser meu...Dizia ele consigo mesmo. Judas amava o dinheiro ganho desonestamente mais que a Cristo. Na verdade ele não amava a Cristo, mas aos bens desta vida. Por isso em breve ele diria aos inimigos de Cristo: “Quanto vocês me pagam para eu lhes entregar Jesus? E eles lhe pagaram trinta moedas de prata.” Mt 26:15.

Que terrível é pensarmos que Judas estava nesta situação depois de ter as mesmas oportunidades que teve Maria de conhecer a Cristo. Aliás, teve mais oportunidades que ela, pois conviveu mais com Cristo, visto ser um dos doze. Ele estava sempre com Cristo. Ele também viu a Ressurreição de Lázaro. Judas não teve um conhecimento salvífico de Cristo apesar de toda a revelação diante de si. Faltou-lhe graça que produziria a fé. Judas não creu. Por isso para ele Cristo era menos que os trezentos denários. Oh pobre Judas, e pobre daqueles que pensam como ele. Será que estou sendo exagerado ao dizer que há muito deste “evangelho de Judas” em nosso meio? Não é este o tal “evangelho da prosperidade” que impera no meio dito evangélico?  O que muitos cristãos professos seguem é a um “cristo” que de fato só lhes tem valor se lhes concede os trezentos denários, se lhes dá a cura de doenças, se lhes abençoa a família. Mas nunca, nunca, nunca, estão dispostos a perder tudo isso pelo Cristo Verdadeiro da Bíblia. Isso não. Oh maldita religião de Judas. E mais, esta religião parece-lhes muito verdadeira e razoável como era o argumento de Judas a respeito dos pobres. Mas tudo não passa de terrível falácia facilmente destruída pela Palavra de Cristo, como o veremos mais adiante. Assim lhe digo: Cuidado meu leitor com o “evangelho de Judas”.

III - A REVELADORA PALAVRA DE CRISTO (Jo 12:7,8; Mt26: 6-13; Mc 14:3-9 ).

Cristo mostra a falácia do argumento de Judas e aprova o ato de Maria com as seguintes proposições:

1 – Maria antecipadamente o preparou para o sepultamento.

Maria cheia de amor, como que antecipadamente, preparou o corpo de Cristo para o sepultamento. Ela percebia a eminente morte de seu Senhor, devido as investidas crescentes de seus inimigos. Então cheia de amoroso cuidado resolveu assim preparar o seu Senhor. Por isso disse Cristo: “Ela praticou boa ação para comigo... pois, derramando este perfume sobre o meu corpo, ela o fez para o meu sepultamento.” Mt 26: 11,13.

2 – Sempre haverá pobres, mas o caso de Cristo era urgente.

Sim, devemos ajudar os pobres. Mas estes sempre estariam próximos aos discípulos. No entanto Cristo já estava para partir. Chegaria o tempo em que não mais se poderia fazer o que Maria fez, mas ainda haveria pobres para ajudar. Dessa forma era mais urgente ungir a Cristo. E finalmente podemos dizer: Cristo é mais importante que tudo e todos, até mais que os pobres.

Assim podemos perceber que Cristo estava colocando as coisas na perspectiva correta, olhando o todo da situação, mostrando assim a falha do argumento de Judas que não via a o caso de forma ampla e justa. A conclusão é que Judas não via as coisas de forma correta porque não amava a Jesus. Já Maria via a realidade porque o amava. Movida por seu amor ela percebia que precisava fazer aquilo por Cristo imediatamente, mesmo ao preço de trezentos denários. Já Judas não se apercebia de nada com respeito a Cristo, pois para ele o mais importante eram os trezentos denários. Assim é que se não amamos a Cristo nossa razões são falaciosas, pois carecem do elemento mais importante de todos para gerar uma avaliação correta, isto é, o amor por nosso Senhor. Dessa forma tudo fica como mais importante que Cristo. Mas se o amamos vemos tudo na ordem correta, ou seja, Cristo o Primeiro e as demais pessoas e coisas depois. Qual nosso caso? Vemos a vida como Maria ou como Judas?

IV – A CEGA AVALIAÇÃO DOS INIMIGOS DE CRISTO (Jo 12: 10,11).

Quando olhamos para a avaliação que os inimigos de Cristo fazem da situação, e comparamos com as palavras do Senhor, vemos o absurdo das conclusões as quais chegam.  Cristo mostra que Maria agiu corretamente, pois colocou o seu amado Senhor acima dos pobres e dos trezentos denários.  Maria agiu assim devido a revelação de Cristo em suas palavras e sinais, em especial no sinal realizado na ressurreição de seu irmão Lázaro. Mas os principais sacerdotes, e entre eles o já nosso conhecido Caifás, decidiram matar a Lázaro. E isso porque Lázaro, como prova viva do milagre de Cristo, levava muitos a crerem em Jesus.

Então comparemos:

1 – Maria vê na ressurreição de seu irmão a revelação de que Cristo é a Ressurreição e a Vida. Assim ela crê e ama ao Senhor.

2 – Os principais sacerdotes odeiam e invejam a Cristo, e vendo-o como uma ameaça, desejam matá-lo. Ora, sendo que Lázaro desperta a fé de muitos em Cristo eles decidem matar também a Lázaro.

Olhe para as duas posições e responda: Qual das duas é a logicamente correta? Imaginem que Cristo ressuscitou um morto e que isto é uma evidência inquestionável de ser Ele quem diz ser, isto é, o enviado de Deus, o Cristo. Os seus inimigos já o haviam questionado assim: “Até quando nos deixarás a mente em suspenso? Se tu és o Cristo, dize-o francamente.” Jo 10:24. E ele já lhes havia respondido: “Já vo-lo disse, e não credes. As obras que eu faço em nome de meu Pai testificam a meu respeito.” Jo 10:25. Isto é, o problema não era a falta de evidência de ser Ele o Cristo, mas era a incredulidade daqueles homens. Eles não queriam se dobrar diante das obras que fazia em nome do Pai, obras estas que provavam cabalmente ser Ele o Cristo. Mas eles não queriam crer e pronto. Assim fecharam os olhos para a Palavra de Deus, e o que ficou para eles foi apenas a absoluta cegueira espiritual que os levou e querer apagar todas as evidências de Cristo ser quem dizia ser. Dessa forma decidiram matar a Lázaro. Estes homens não queriam crer em Cristo. Eles preferiram desprezá-lo por causa de seus privilégios desta vida e por isso estavam determinados a matarem toda testemunha a seu favor. É como se um Juiz em vez de ouvir a testemunha que pode esclarecê-lo sobre a realidade dos fatos decidisse em vez disso matá-la. Estes homens também decidem negar a realidade e abraçar a mentira, e para que a realidade não apareça eles farão qualquer coisa. Que terrível é isso! Eis aí a loucura do pecado. Que diferença da atitude de Maria.

Amigos leitores pensem: Quão maravilhoso é crer em Cristo, pois quem assim faz aceita a Verdade. E quão terrível e não crer Nele, pois que assim faz está a fechar os olhos para a realidade evidente, entregando-se a fantasia que logo, logo lhe decepcionará. O que você está fazendo em relação a isso. Você é um crente ou um incrédulo?  Você está seguindo a Verdade ou a fantasia? Pense nisso!

V- CONCLUSÃO:

Marta, Lázaro, e neste texto especialmente Maria, são exemplos de fé e amor a Cristo. Para eles Cristo é o mais importante. Mais importante que os trezentos denários. Agem assim porque se dobraram a verdade evidente a respeito da Pessoa Bendita do Salvador. Já Judas e os principais sacerdotes são exemplos de louca incredulidade que não se dobra as evidências por amarem o pecado e odiarem a Cristo. Qual o nosso caso?  Somos como Maria ou como Judas? 


Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

*Pregação da noite de domingo, 27 de julho de 2014, na Congregação Batista Reformada em Belém.

Para os livros do blog clique aqui.

Leitura recomendada:

Humanismo - Dr. Lloyd-Jones.



Conheça e inscreva-se nas páginas do blog no Youtube e Facebook :

 Create your own banner at mybannermaker.com!

Create your own banner at mybannermaker.com!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)