Não vos deixarei órfãos* – Exposição de João 14: 18-20 – Manoel Coelho Jr.



Baixe o Mp3 clicando aqui.

Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros. Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais; vós, porém, me vereis; porque eu vivo, vós também vivereis. Naquele dia, vós conhecereis que eu estou em meu Pai, e vós, em mim, e eu, em vós.

João 14: 18-20.

I – INTRODUÇÃO:

Temos visto que todo este capítulo é extremamente consolador. Isso se confirma nos presente texto. O Senhor havia acabado de tranquilizar os discípulos com a promessa da vinda do Espírito Santo. Ele iria partir, o que era fonte de tristeza para eles. Mas Cristo mostra que era melhor assim, pois o outro Auxiliador cumpriria um papel que era mais proveitoso, pois sempre estaria presente e dar-lhes-ia capacidade para que o Evangelho chegasse aos confins da terra, o que dizia respeito àquelas obras maiores. Mas agora Cristo avança para mostrar que na verdade Ele nunca estaria longe dos discípulos, pois espiritualmente continuaria presente pelo o Seu Espírito. Ele não os deixaria abandonados. Nisto estava todo o consolo deles e o nosso, seus discípulos de hoje, pois Nosso Senhor não nos deixa sozinhos.

II – CRISTO VOLTARÁ.

Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros”.

João 14:18.

A partida de Cristo era por demais dolorosa para seus discípulos. Mas o Senhor os consola. Que terno é Nosso Senhor, e estas palavras o provam. Ele cuida de seus amados dando-lhes alento em expressões que mostram que não há o que temer. Cristo os tranquiliza deixando claro que não é como um pai que morre e jamais volta, deixando seus filhos na completa orfandade. Não e não! Cristo não os deixaria sozinhos, mas logo voltaria. Oh amados irmãos em Cristo, oh amados discípulos do misericordioso Salvador, nunca estamos sozinhos. Há momentos em que você se sente perplexo ante as lutas da vida e abandonado por seus amigos? Oh não tema. Cristo não te deixa jamais. Ele está com você e não te deixou órfão. É sua revelação clara neste trecho. A hora que entendermos isto sairemos do desânimo e prosseguiremos, pois o Senhor está conosco.    

Mas há algo que precisamos responder neste ponto. Ao que se refere o Senhor quando diz que vai voltar? Há três possibilidades aqui. Vejamos:

1 – Pode se referir ao retorno de Cristo logo após a sua ressurreição, quando apareceu aos seus discípulos em várias ocasiões até que foi assunto aos Céus.

2 – Pode se referir a vinda de Cristo por seu Espírito no dia de Pentecostes (At 2).

3 – Pode se referir, ainda, ao retorno de Cristo a este mundo para resgatar e reunir seu povo Eleito e julgar a humanidade no fim dos tempos.

Estou convencido que a segunda opção é a ênfase do texto. Digo isso devido ao contexto anterior. Observe os dois versos anteriores e o que estudamos agora postos juntos, notando em especial as palavras grifadas:

E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros.

João 14:16-18.

Creio que fica evidente que a volta de Cristo se refere principalmente a sua vinda por meio de seu Espírito, o que ocorreria no dia de Pentecostes. Todavia digo “principalmente” e não “exclusivamente”, pois podemos crer que se relaciona também aos outros sentidos. Lembremos que aqui se trata de uma profecia, e as profecias nas Escrituras possuem a característica de mencionar um evento que possui ligação com outro que ocorre em uma época posterior. Por isso, só para exemplificar, as profecias que diziam respeito à vinda de Cristo no Antigo testamento também eram relacionadas a eventos mais próximos ao profeta, e a destruição do Templo em 70AD tinha ligação com a Segunda vinda de Cristo. Dessa forma eu acredito que quando Cristo diz “voltarei para vós outros” ele está falando principalmente em sua vinda no Espírito Santo, mas também, de forma complementar, a sua Ressurreição e aparição aos discípulos, e a sua segunda vinda a este mundo no fim dos tempos. Em todas estas “voltas” Cristo não deixaria seus discípulos órfãos, o que era fonte singular de consolo para eles, os primeiros, e para nós hoje, conforme veremos a seguir.

II – NÃO VOLTARÁ PARA O MUNDO.

Ainda por um pouco, e o mundo não me verá mais”.

João 14:19a.

Esse texto traz consolo, mas não a todos. Este texto é tranquilizador, mas também é um alerta. Não há esperança fora de Cristo. O Senhor viria, mas não para o mundo. Mundo aqui se refere a comunidade dos homens rebelados contra Deus e seu Filho, o Senhor Jesus Cristo. O Senhor não voltaria para estes. Vejamos como isso é evidente:

1 – Cristo não veio por seu Espírito ao mundo, pois é “o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece” João 14:17a.

2 – Após ressurreto Ele não apareceu ao mundo em geral, mas aos seus discípulos.  

3 – Em sua segunda vinda Cristo não voltará ao mundo como Salvador, mas como Juiz.

Em cada uma destas “voltas” Cristo não vem consoladoramente para o mundo dos rebelados. Percebe? A questão então para você é: Você está em Cristo ou no mundo? Você é crente em Cristo ou incrédulo? Você é discípulo dEle ou rebelado contra Ele? Amigo esta é a questão mais importante de sua vida. Permita-me repetir com muita ênfase: Não há consolo algum fora de Cristo. Tudo o que você se agarra fora dEle é ilusão. Não é hora de você buscá-lo? Não é hora de você procurar conhecê-lo? Pense e reflita com toda a seriedade.

III – ELE VOLTARÁ PARA OS DISCÍPULOS.

vós, porém, me vereis”.

 Jo 14: 19b.

 Ele não deixaria os discípulos órfãos, mas voltaria para eles, e o veriam novamente. Tudo isso é consolador em todos os aspectos de seu retorno. Observemos:

1 – Ao ressuscitar e aparecer aos discípulos isso indicava que havia vencido o pecado e a morte, que o Pai havia recebido seu sacrifício, e consequentemente seu Espírito lhes seria dado, e um dia Ele voltaria para reuni-los no pleno estabelecimento de seu Reino. Cristo voltou dentre os mortos.  Cristo ressuscitou, Cristo ressuscitou! Cristo venceu, Cristo venceu! Que consolo há neste fato!

2 – Cristo volta em seu Espírito no dia de Pentecostes. Ele vem como representado pelo outro Auxiliador que ajudará seus amados em tudo o que precisarem durante sua peregrinação neste mundo, e jamais os deixará. Não os deixa órfãos. Não estão sozinhos jamais. Que consolo extraordinário em meio a este mundo mau. O Senhor está conosco o tempo todo. Amém!

 3 – Cristo retornará para encerrar a presente era de pecado, julgar a humanidade e estabelecer plenamente seu Reino de Santidade. Isso será o fim de toda a luta para seus discípulos amados que peregrinam neste mundo mal. Então eles estarão para sempre com o Senhor, sem mais nenhum atrapalho do pecado, mas desfrutando da plena e imensurável felicidade da Comunhão com Deus em Cristo Jesus, Nosso Salvador e Senhor. Por isso o Senhor lhes diz: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.” João 14: 1-3. Por isso não nos turbemos, mas estejamos consolados. Em breve Cristo voltará e estaremos com Ele para sempre. Amém!!!

Oh Cristão, medite em cada uma destas verdades e console-se.

IV – OS DISCÍPULOS VIVERÃO NELE.

porque eu vivo, vós também vivereis”.

João 14: 19c.

Cristo vive! Cristo ressuscitou! Por isso seu povo vive nEle. Ele é o Cabeça dos que redimiu. Cristo está dizendo: Acalmem-se, pois eu morro, mas ressuscitarei. A morte não tem a última palavra, mas a vida venceu a morte e o pecado que causa a morte. Neste caso não devemos temer nada, nem mesmo a morte, pois Cristo vive. O Consolo do Cristão é o mais firme que existe, pois está fundamentado sobre a Rocha da Palavra de Cristo, no fato de que Ele venceu o pecado e a morte por Eles. Paulo diz: “Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos, sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele. Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus. Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus.” Romanos 6: 8-11. “Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda. E, então, virá o fim, quando ele entregar o reino ao Deus e Pai, quando houver destruído todo principado, bem como toda potestade e poder. Porque convém que ele reine até que haja posto todos os inimigos debaixo dos pés. O último inimigo a ser destruído é a morte.” I Coríntios 15: 20-26. Console-se com estas palavras. Amém!

V – OS DISCÍPULOS SABERÃO.

Naquele dia, vós conhecereis que eu estou em meu Pai, e vós, em mim, e eu, em vós.”.

João 14: 20.

Naquele dia os discípulos vão perceber, vão entender, vão experimentar a realidade da comunhão deles com Cristo. O Senhor lembra-lhes da verdade da comunhão que experimenta com o Pai como um exemplo, um padrão, para comunhão que temos com Ele. Isto os discípulos conheceriam naquele dia. Experimentariam esta comunhão como nunca antes, com ainda não podiam naquele momento.

Bem, mas Cristo fala que isso ocorreria naquele dia. Que dia é este? Ora, é evidente que se refere a sua volta. Mas volta em que sentido? Seria no sentido de sua volta na ressurreição? Ou seria sua volta no Espírito? Será que não é em relação a sua segunda vinda? Respondo que essencialmente se refere ao dia de Pentecoste quando veio por meio de seu Espírito Santo. No entanto afirmo também que não estão excluídos os outros sentidos. Assim, quando Ele apareceu vivo para seus discípulos ficou provado que tudo quanto Ele tinha dito era Verdade. Ficou provado que Ele era o Verbo de Deus, pois morreu e ressuscitou. Na ressurreição ficou evidente que o Pai havia aprovado tudo o que Cristo fez. Ficou também evidente que Ele é Deus que venceu a morte, Um com o Pai.  Mais ainda, ficou claro que se Ele venceu a morte foi também por eles, que eles estão nEle, ficando assim manifesto a comunhão que têm com Ele.

Mas estas realidades foram experimentadas pelos discípulos de forma mais plena, profunda e real quando o Espírito veio no dia de Pentecostes.  Ali eles tiveram este conhecimento mais experimental de que eram de Jesus Cristo, devido a vinda gloriosa do Espírito sobre a Igreja, o Espírito que os leva a Cristo. Assim ocorre com cada eleito quando nasce de novo, quando é objeto da obra da graça do Espírito Santo, pois Ele, o Espírito, revela Cristo a este eleito. E quanto mais se conhece a Cristo, mais se experimenta desta bendita comunhão com Ele, e mais o crente sabe que é amado por Cristo, e mais passa a amá-lo e ser grato a Ele, mais o crente percebe esta comunhão maravilhosa que existe entre ele e seu Senhor. Sabe que ele é de Cristo e Cristo é dele. Que ele está em Cristo e Cristo nele, pois Cristo falou que “Naquele dia, vós conhecereis que eu estou em meu Pai, e vós, em mim, e eu, em vós”. O crente então diz: “para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” Filipenses 1:21. Ele poderá dizer: Eu sou dEle, pertenço a Ele, é o meu Salvador, Ele me salvou e me redimiu na Cruz. Irmãos, quanto mais entendemos a Verdade do Evangelho mais experimentamos, mais vivenciamos, mas conhecemos esta comunhão como Nosso Amado Senhor. Que maravilhoso é este fato.

Todavia preciso dizer que este conhecimento da comunhão será real num sentido muito mais elevado na segunda vinda de Cristo. Digo isso porque aqui esta realidade é muitas vezes obscurecida em nosso coração e mente devido a ainda estarmos neste mundo mau, e aqui e ali o pecado nos surpreender. Ainda temos que mortificar o pecado todos os dias, e há ocasiões em que esta percepção da comunhão com Cristo é obscurecida por este inimigo. Mas, louvado seja Deus, quando Jesus voltar não haverá mais pecado. Imagine o que é a alegria dos santos nesta hora, sim daqueles que morreram no Senhor. Mas nem eles ainda experimentam o que vai acontecer por ocasião de seu retorno, pois só então ocorrerá o que está em Apocalipse 21:3,4: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. Tudo isso podemos resumir em duas palavras, isto é, amor e alegria na Comunhão com Cristo. Este amor e alegria somente o cristão experimenta, pois só ele tem esta comunhão com Cristo. Isto já foi realidade quando Cristo apareceu para eles após ter ressuscitado, foi realidade muito maior quando o Espírito veio no Pentecostes, mas será indizível e extraordinariamente mais real, o que nem podemos imaginar agora, quando da ocasião do retorno de Cristo a este mundo. Imagine o amor e alegria que será este dia. Oh Bendito, Oh Bem-Aventurado, Oh Glorioso, Oh inescrutável Dia será o do Retorno de Cristo Nosso Amado, Glorioso, Precioso, e Maravilhoso Salvador e Senhor Jesus Cristo. Glória ao Deus Triúno!!! Por isso não vivemos para este mundo vão e passageiro, mas para Glória dEle. Vivemos para a eternidade e dizemos “Vem, Senhor Jesus!” Apocalipse 22:20. Amém e Amém!!!

VI – CONCLUSÃO:


 Em Cristo temos todo o consolo, pois não nos deixa órfãos. Ele venceu a morte ao ressuscitar, está presente por seu Espírito, e em breve voltará para estar conosco em seu Reino Eterno de Justiça. Ele voltou quando ressuscitou. Voltou pelo Espírito no Pentecostes, e um dia voltará para estar sempre e sempre conosco em seu Reino de Santidade, onde haverá alegria perpétua, amor perpétuo, e não mais pecado nem morte, mas apenas plena e perfeita comunhão com nosso tão glorioso e amado Deus em Cristo Jesus. Será que você precisa de mais consolo. Cristo como que lhe diz: Você não é órfão, mas voltei para você, estou com você para sempre. Este consolo e alegria para nós são suficientes para esta vida e para toda a eternidade em Cristo Nosso Senhor. Neste caso somos de fato bem-aventurados. Amém e amém!!! 

Pode ser copiado, distribuído, e traduzido livremente para outro idioma, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado.

*Pregação da noite de domingo, 15 de Março de 2015, na Congregação Batista Reformada em Belém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)