O Evangelho é a Resposta - A terrível prisão dos homens (Texto,áudio e vídeo)* - Manoel Coelho Jr.



Baixe o mp3 clicando aqui.

Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado.” Jo 8:34.

Há uma realidade constatável por todos nós que é o fato de apenas realizarmos algo com alegria e prazer quando a nossa vontade o aprova. Podemos até fazer alguma coisa a contragosto, mas para nós será muito enfadonho, pesado, difícil, e desejaremos logo nos ver livres da tarefa. Mas o que corresponde a nossa vontade é realmente tão delicioso que até o tempo nos parece passar rápido. Talvez daí que surja o velho ditado: “Tudo o que é bom dura pouco”.

Isso tem grande relação com o assunto que trataremos a partir de agora. Já vimos que o pecado é uma profunda oposição a Deus. Assim é evidente que no pecado os homens não possuem nenhum prazer em Deus. Muito ao contrário, o que eles querem é se verem livres do Criador e amam o que Deus abomina. Há um enraizado ódio a Deus e um desejo de libertar-se de sua Vontade Santa. Naturalmente que isso se constitui a ruína dos homens, pois em Deus há Vida e Paz. Podemos dizer que os homens no pecado estão apaixonados pela sua própria miséria e morte. Eles odeiam a vida e amam a morte. Aí está a prisão deles, a terrível prisão dos homens. Um homem pode ser livre e andar para onde quiser. No entanto ele é um escravo de si mesmo. Tal escravidão é “a escravidão da vontade” como diria Martinho Lutero. Um homem natural sempre escolhe pecar porque ama o pecado e aborrece a santidade. Um homem natural está preso a si mesmo. Ora, não existe prisão maior que esta. Para ilustrar, é como alguém que pode correr e sair de uma casa pegando fogo, mas não o faz porque ama o fogo. Assim são os homens. Eles não querem a Vida Eterna. Jesus disse: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim. Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida.” Jo 5: 39, 40. Vamos examinar esta prisão em alguns poucos pontos a seguir.

1 – Os homens não conhecem a Deus.

Respondeu Faraó: Quem é o SENHOR para que lhe ouça eu a voz e deixe ir a Israel? Não conheço o SENHOR, nem tampouco deixarei ir a Israel.” Ex 5: 2.

A primeira manifestação da prisão de que quero falar está na ignorância a respeito de Deus. Observe que a palavra de Faraó é muito instrutiva a respeito desta questão. Faraó recebera uma ordem direta e clara de Deus através do profeta Moisés. No entanto não se viu nem um pouco compelido a obedecê-la. E ele nos dá o motivo para isso, ou seja, ele não conhecia ao Deus que havia dado a ordem. Assim Faraó trata os mensageiros, a ordem, e Aquele que a enviou com um profundo desdém. Por que obedecer a um desconhecido? Por que ouvir um desconhecido? Por que amá-lo, honrá-lo, respeitá-lo?  Você percebe? A ignorância a respeito de Deus torna-se motivo de completo desprezo a Ele. Não se ama quem não se conhece. Não se respeita um Rei que não é meu Rei, ou que não sei que é o meu Rei. Dessa forma podemos dizer que a prisão da vontade tem a ver com a profunda ignorância no coração dos homens a respeito de quem é Deus. Logo, neste caso, eles elegem outro deus, outro objeto de seu amor. Sabemos da grande idolatria de Faraó e de todo o Egito. Mas este é o resultado inevitável de não se conhecer a Deus. A idolatria é amar deuses falsos, porém isso só acontece pela falta de conhecimento do Deus verdadeiro. Assim os homens vivem e morrem por futilidades, mas não vivem nem morrem pelo Glorioso Deus. 

2 – Os homens não querem conhecer a Deus.

A ira de Deus se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detêm a verdade pela injustiça; porquanto o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis; porquanto, tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-se-lhes o coração insensato.” Rm 1: 18-21.

A prisão dos homens, esta terrível escravidão da vontade, está na própria indisposição de se conhecer a Deus. Os homens nem mesmo querem conhecê-lo. Não é que Deus não esteja se revelando. Paulo deixa claro que a Criação revela a Deus. Mais adiante em Romanos no capítulo dois, Paulo nos fala da consciência, que é aquele Padrão da Lei de Deus implantada em todos nós. No entanto fica também claro em todos estes textos que os homens decidem ignorar este conhecimento entregando-se a seus raciocínios loucos. A prisão é esta: Eles não querem conhecer a Deus. Dessa forma o Evangelho pode ser pregado, a Criação pode manifestar o Criador, e a consciência pode acusar, mas ainda assim os homens dizem: “Não, eu não quero saber destas coisas e continuarei ouvindo meus próprios pensamentos e os daqueles que eu concordo e ponto final”. Que teimosia medonha e fatal, mas é este exatamente o caso dos homens quando ainda não receberam a graça libertadora de Deus.

3 – Os homens querem ser enganados.

Há no coração do ímpio a voz da transgressão; não há temor de Deus diante de seus olhos. Porque a transgressão o lisonjeia a seus olhos e lhe diz que a sua iniqüidade não há de ser descoberta, nem detestada. As palavras de sua boca são malícia e dolo; abjurou o discernimento e a prática do bem.” Sl 36: 1-3.

Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas, porque eu digo a verdade, não me credes.” Jo 8: 44,45.

Os homens não querem a Verdade da Palavra de Deus na criação, na consciência, e no Evangelho, mas o que querem é que alguém lhes engane. A mentira é o que querem. Há no coração dos homens o pecado, que é como uma voz que lhes ilude, e lhes diz que jamais terão consequências desastrosas por desobedecerem a Deus. Esta ilusão do pecado faz com que tenham apreço pelo engano de fora e eles se entregam a todas as mentiras espirituais que lhe são contadas. Conte uma mentira a respeito de questões espirituais e muitos lhe ouvirão. Agora fale a Verdade do Evangelho e ninguém lhe ouvirá a não ser que Deus lhes dê a graça libertadora. Cristo mostrou que o homem natural ama o que o diabo ama, ou seja, a mentira. Que terrível!

4 – O homem quer o pecado.

O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras.” Jo 3:19,20.

A escravidão está essencialmente na verdade de que o homem natural quer o pecado e só o pecado. O pecado para ele é um tesouro indispensável, e sente e crê que nada seria mais doloroso que ter de livrar-se de seu pecado. Por isso é que se afastam da Luz da Palavra, por isso desprezam o conhecimento de Deus, e por isso dão tanto valor a mentira. Você percebe? A loucura de tudo isso está no fato do pecado ser o mal dos males, é a fonte de todo o mal. Como é possível a coisa mais imunda do Universo ser tão amada? No entanto a explicação está em que o pecado por ser mal é a fonte de toda a mentira o que faz os homens o verem como um grande bem. Assim os homens vão amando e desejando o pecado até que finalmente perecem. Eis aí a terrível prisão da vontade.

5 – Conclusão:


Amigo leitor, devo lhe dizer com toda a clareza que, se ainda não creu no Evangelho, eu estive descrevendo exatamente a você nestas linhas. Sei que isso pode lhe parecer extremante assustador e por isso muito ofensivo. Mas esta é a realidade que a Bíblia lhe mostra. Peço que ore a Deus e leia novamente este capítulo pensando em sua própria vida. Pergunte a luz destas verdades: Você conhece a Deus conforme a criação, a consciência, e a Bíblia revelam?  Você deseja conhecer este Deus? Você ama a Deus conforme revelado? Você ama a Verdade de Deus em Cristo ou a mentira? Você ama a Deus ou ao pecado?  Você está preso por uma vontade pecaminosa que odeia a Vontade Divina ou quer a santidade de Deus? Você tem prazer em Deus ou no pecado? Você obedece a Deus com gosto ou com desprazer? Você quando peca o faz com profundo contentamento ou o pecado lhe é sua maior tristeza? Sua vontade aprova a Vontade de Deus ou o pecado? Você é escravo ou livre? 

Pode ser copiado, distribuído, e traduzido livremente para outro idioma, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado.

*Estudo ministrado no culto de estudo bíblico e oração. Quarta-feira, 25 de Março de 2015, na Congregação Batista Reformada em Belém.



Leituras recomendada:


















Adquira o livro do blog:














Conheça e inscreva-se nas páginas do blog no Youtube e Facebook :


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Exposição de Gênesis 11: O projeto fracassado e o projeto vitorioso!