As marcas distintivas de uma obra do Espírito de Deus* – I João 4 – Jonathan Edwards.



Baixe o áudio com a leitura do texto clicando aqui.

Limitar-me-ei àqueles sinais dados pelo apóstolo no capítulo onde está o meu texto, onde este assunto é particularmente tratado, de modo mais claro e pleno do que em qualquer outra parte da Bíblia.

1 – Quando a operação é tal que exalta aquele Jesus que nasceu da virgem e foi crucificado fora das portas de Jerusalém; e quando a operação parece confirmar e firmar as mentes das pessoas na verdade daquilo que o Evangelho nos declara acerca de ser Ele o Filho de Deus e o Salvador dos homens, isso é um sinal seguro de que tal operação vem da parte do Espírito de Deus. O apóstolo nos dá este sinal no segundo e no terceiro versículos...[os quais falam da] confissão de que não só existiu uma pessoa que apareceu na Palestina, tendo feito e tendo sofrido aquilo que se diz a seu respeito, mas também que essa pessoa era Cristo, ou seja, o Filho de Deus, ungido para ser Senhor e Salvador, como fica implícito no nome Jesus Cristo...

O diabo está na mais intensa e implacável inimizade contra essa Pessoa, especialmente no caráter de Cristo como Salvador dos homens. O diabo odeia mortalmente o relato e a doutrina da redenção em Cristo e jamais gera nos homens quaisquer pensamentos honrosos sobre Ele...

2 – Quando o Espírito age contra os interesses do reino de satanás,  que busca encorajar e firmar o pecado e fomentar as paixões mundanas nos homens, isso é um sinal seguro de que temos aí um espírito verdadeiro, e não falso. Esse sinal é dado no quarto e quinto versículos... por “o mundo”... o apóstolo, como é claro, indica qualquer coisa que diga respeito aos interesses do pecado, envolvendo todas as corrupções dos homens, todos aqueles atos e objetos mediante os quais essas paixões são satisfeitas.    
 
Assim, podemos determinar com segurança, com base no que disse o apóstolo, que o espírito que assim atua entre um povo, diminuindo, dessa forma, a paixão dos homens pelos prazeres, lucros e honrarias do mundo, tirando de seus corações o afã por estas coisas, levando-os a uma profunda preocupação com o estado futuro e a eterna felicidade... e o espírito que os convence do horror do pecado, da culpa que o pecado produz e da miséria a que o pecado expõe, forçosamente deve ser o Espírito de Deus.

Não podemos supor que satanás queira convencer os homens quanto ao pecado e despertar as suas consciências... 

3 – O espírito que opera dessa forma, dando aos homens grande consideração pelas Sagradas Escrituras e firmando-os mais na veracidade e divindade delas, por certo é o Espírito de Deus. A regra é dada pelo apóstolo no sexto versículo... “Somos de Deus”, ou seja, “nós, apóstolos fomos enviados por Deus e nomeados por Ele para anunciar e ensinar ao mundo aquelas doutrinas e instruções que devem servir de regra”; “aquele que conhece a Deus nos ouve...” O argumento do apóstolo, neste caso, também atinge todos aqueles que, no mesmo sentido são “de Deus”, ou seja, todos aqueles que Deus designou e inspirou para darem a sua igreja a norma de fé e prática, todos os profetas e apóstolos... em suma, todos os autores das Escrituras Sagradas. O diabo jamais tentaria gerar nas pessoas consideração pela Palavra divina... Um espírito iludidor nunca inclinaria as pessoas a buscarem orientações da Palavra de Deus. O espírito do erro, a fim de enganar os homens, haveria de gerar neles uma elevada opinião sobre a regra infalível, inclinando-os a lhe terem grande estima e a si familiarizarem com ela?

O príncipe das trevas haveria de conduzir os homens à luz do sol, a fim de promover o seu reino de trevas?

4 – Outra regra para medirmos os espíritos pode ser extraída do sexto versículo...se, observando o modo de operar de um espírito que atua entre um povo, vemos que ele atua como espírito da verdade, convencendo-as daquelas coisas que são verdadeiras... por exemplo, se observamos que o espírito atuante torna os homens mais sensíveis do que costumavam ser, quanto ao fato que Deus existe e que Ele é um grande Deus que odeia o pecado; que a vida é breve e incerta; que há um outro mundo; que os homens possuem almas imortais e terão de prestar contas de si  mesmos a Deus; que são excessivamente pecaminosos por natureza e prática; que eles são impotentes em si mesmos; e se o espírito atuante confirma os homens em outras coisas que concordam com alguma sã doutrina, então o espírito que assim atua é o espírito da verdade, apresentando as coisas segundo o que realmente são... Portanto, podemos concluir que não é o espírito das trevas que assim está descobrindo e manifestando a verdade.

5 – Se o espírito que age entre um povo opera como um espírito de amor a Deus e ao próximo, isso é um sinal seguro de que se trata do Espírito de Deus. O apóstolo insiste sobre este sinal desde o sexto versículo até o fim do capítulo...falando de modo expresso sobre o amor a Deus e aos homens; sobre o amor aos homens nos versículos 7, 11 e 12; sobre o amor a Deus nos versículos 17, 18, e 19; sobre ambos nos dois versículos finais...  O espírito que... gera neles um senso de admiração e deleite quanto à excelência de Jesus Cristo... conquistando e atraindo o coração ao amor, através daqueles motivos sobre os quais o apóstolo fala...a saber, o admirável amor gratuito de Deus, ao dar seu Filho Unigênito para que morresse por nós, e o admirável amor de Cristo, ao se dispor a morrer por nós, que não tínhamos qualquer amor a Ele, mas éramos antes seus inimigos, esse Espírito tem de ser o Espírito de Deus... O espírito que...faz dos atributos de Deus, conforme nos são revelados no Evangelho e manifestados em Cristo, objetos deleitáveis de contemplação, que leva a alma a anelar por Deus, e por Cristo – pela presença dEles e pela comunhão com Eles, pela familiaridade e pela conformidade com Eles, fazendo-a viver afim de agradar e honrar a Eles; o espírito que pacifica desavenças entre os homens, que confere uma atitude de paz e de boa vontade, que desperta atos de bondade externa e que deseja ansiosamente a salvação das almas...essa é a maior evidência da influência do verdadeiro Espírito divino.


*Texto de Jonathan Edwards, conforme citado por J. I. Packer no livro “Entre os Gigantes de Deus” páginas 346 a 348.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)