O outro Auxiliador* – Exposição de João 14: 16,17 – Manoel Coelho Jr.



Baixe o mp3 clicando aqui.

E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós.

João 14:16,17

I – INTRODUÇÃO:

Já temos observado que este capítulo constitui-se em palavras de consolo para os discípulos de Cristo. Todavia, pelo o que o Senhor vinha falando e pelo o que ainda dirá, duas Coisas eram fontes de intensa preocupação para os mesmos, isto é, Ele iria partir e a obra que eles tinham que empreender em seu Nome era imensurável e perigosa. Como continuar sem Cristo? Como realizar esta obra sem seu auxílio constante? Será que não era melhor e até lógico, como provavelmente pensavam, Cristo permanecer com eles? Nosso Senhor nestes belos e pequenos versos esclarece estas questões de forma extremamente consoladora. O Ponto é: Cristo tinha que partir para preparar-nos lugar, e há outro Auxiliador que estará conosco para sempre. Meditemos a seguir.

II – CRISTO NÃO DESAMPARA OS SEUS AMADOS.

E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador” Jo 14:16a.

O Senhor cuida dos seus, pois “tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim” Jo 13:1. Ele partiria a obra era grande, mas como um Pai amoroso, Ele providenciaria tudo o que fosse necessário para os seus discípulos. Eles nunca ficariam desamparados. Será que “Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” Rm 8:32. Assim é que vemos seu cuidado expresso em sua promessa de que rogaria ao Pai para que nos enviasse um outro Consolador. Aquele tão meigo Salvador, que na Cruz iria lhes preparar lugar (Jo 14: 2), por esta mesma obra, como Mediador, providenciaria tudo o que fosse necessário, incluindo o precioso Consolador. Tudo temos em Cristo e nada sem Ele. Mas observemos o cuidado de Cristo. Oh amado leitor, você é um crente em Cristo? Ele o salvou na Cruz? Então não duvide jamais de seu cuidado por você. Não, e não, nunca duvide disso. Aquele que te salvou na Cruz cuidará de você, pois lhe ama. Note ainda que neste pequeno trecho vemos Cristo, a segunda Pessoa da Trindade, rogando ao Pai, que é a Primeira Pessoa. E Ele roga pelo Consolador, a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade. O Pai, O Filho, e O Espírito Santo trabalhando em prol de seus amados discípulos. Não sei de nenhum outro fato que possa ser mais tranquilizador que este. Será que ainda precisamos ficar temerosos mesmo diante das maiores dificuldades desta vida? Oh Cristão console-se, tranquilize-se.  
  
III – O AUXILIADOR.

vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco

João 14: 16b.

O Senhor enquanto estava com os discípulos era o auxiliador deles. Sempre os acompanhava, ensinava, dirigia e fortalecia com Relação ao Reino e a obra que tinham a empreender. Mas agora Ele tinha que morrer na Cruz para redimi-los e então Ressuscitar, e partir para o Pai, cumprindo a partir deste momento o seu papel, não mais em um ministério público na terra, mas na Glória, assentado a Direita de Deus. Mas quanto aos discípulos aqui na terra? A obra que eles tinham a realizar era extraordinária. Dizia respeito a testemunhar sobre a Revelação de Deus em Cristo, conforme ficou claro em nossos estudos anteriores. Quem poderia fazer isso por seu próprio poder, ainda mais agora sem Cristo e diante de ferozes inimigos? Como seria isso? Bem, o Senhor promete outro Consolador que jamais os deixaria. Ele seria na Verdade “o outro Auxiliador”, visto que o primeiro, que é o próprio Cristo, tinha terminado seu ministério terreno. Observe que se trata de uma Pessoa, pois Cristo o chama de “outro”, e que se refere ao Espírito Santo, conforme o verso dezessete, e ainda, que Ele, na qualidade de auxiliador, estaria constantemente com os discípulos para ajudá-los em tudo om que fosse necessário. Sabemos, pelo testemunho geral das Escrituras, que o Espírito Santo é o que aplica a Obra da Graça no coração dos eleitos de Deus. Sem Ele não temos nada. Ele é quem nos atrai para Cristo, quem nos mantém Nele, quem nos anima, corrige, e quem nos capacita para sermos testemunhas do Senhor. Enfim, qualquer obra dentro do plano de Redenção é Ele quem aplica na vida dos eleitos. Ele foi enviado para ser nosso amigo, companheiro, auxiliador em todas as coisas para o nosso bem e acima de tudo para a Glória de Deus. E mais: Nunca nos deixará, mas foi enviado para que “esteja para sempre convosco”. Para sempre, sempre e sempre estará conosco. Louvado seja Deus!

Você percebe o que significa isso? Ora, não estamos sós. O Senhor está conosco para sempre como Amoroso Auxiliador. Ele é nosso terno e confiável amigo e companheiro de viajem. Ele nos chamou e nos manterá na Fé. Ele nos levantará quando cairmos. Ele nos corrigirá quando pecarmos e nos guiará de volta. Ele nos animará quando nos atribularmos, e nos consolará quando estivermos tristes. Ele nos guiará constantemente até o final da jornada. Ele nos protegerá dos inimigos. E isso sempre, sempre e sempre. Oh cristão, oh genuíno crente, você nunca está só e a obra a realizar não é feita por seu poder, mas por Ele, pelo Poder dEle, o Espírito Auxiliador. Descanse nEle meu prezado irmão! Enfim, os discípulos não estariam sozinhos jamais, mas teriam o outro Auxiliador para sempre, e a obra seria realizada no Poder deste amoroso e verdadeiro Amigo.
Notemos que tudo isso seria de grande vantagem para eles. Ora naquela hora era difícil entender e aceitar a partida do Senhor. Não é mesmo? Mas Cristo precisava partir e morrer por eles. Seria nesta obra da Cruz que ganharia a salvação deles e lhes enviaria seu Espírito, o maravilhoso Auxiliador. Deus estava no controle e sabia o que estava fazendo. Hoje é o mesmo, meus amigos. Deus em sua graça não nos desampara jamais, ainda que para nós muitas vezes seus caminhos sejam difíceis de compreender. Confiemos Nele, lembrando que Espírito auxiliador está sempre conosco e nos guiará até o fim de nossa peregrinação neste mundo mau.   

IV – O ESPÍRITO DA VERDADE.

ele vos dará outro Consolador, a fim de que esteja para sempre convosco, o Espírito da verdade

João 14: 16,17.

O Senhor chama o Auxiliador de Espírito da Verdade. É assim porque o Espírito conduziria a Cristo que, é a Verdade (Jo 14: 6; 16:14). Fazendo isso Ele Revelaria ao Pai, pois é em Cristo que O conhecemos, e consequentemente Deus é glorificado (Jo 14: 7-13). Lembremos ainda que a missão da Igreja é exatamente proclamar esta Verdade, e nesta proclamação revelar ao mundo a Glória do Pai, de forma que o “o Pai seja glorificado no Filho” (Jo 14: 13). Então o Espírito é Espírito da Verdade porque traz cada eleito a Cristo e depois o capacita a anunciar este mesmo Redentor. Também é Espírito da Verdade porque anuncia o Verdadeiro Cristo que é o das Escrituras, e não algum outro inventado pela mente dos homens.

Neste ponto é útil perguntar:

Como identificar a obra genuína do Espírito Santo?

A resposta é óbvia e podemos dá-la nas seguintes proposições:

1 – Sempre que o Espírito age a Verdade aparece e a mentira é desmascarada, pois Ele é o Espírito da Verdade. Assim, onde há mentira não há obra do Espírito.

2 – Sempre que o Espírito age Cristo é conhecido, pois Ele é o Espírito da Verdade e Cristo é a Verdade. Assim, onde Cristo é encoberto ali não há obra genuína do Espírito.

3 – Quando o Espírito age sempre as Escrituras são examinadas e levadas a sério, pois nelas é que Cristo se revela. O Espírito manifestará este Cristo da Bíblia e não outro, pois é Espírito da Verdade e é na Bíblia que a Verdade, isto é, Cristo, se revela.

Observe então se em você ou em sua comunidade o Espírito tem realmente agido. Ora não há esperança nem consolo fora da obra do Espírito, conforme já temos visto. Portanto devemos ser bastante cautelosos quanto a isso e assim nos examinarmos, clamando pela Graça de Deus. Que o Espírito nos leve a Verdade em Cristo! Que esta seja a nossa oração a Deus!

Porém temos mais este consolo, ou seja, que nunca os genuínos cristãos serão enganados pela mentira religiosa, ou crerão num falso Cristo, ou ainda chegarão a se desviar da Verdade após terem-na conhecido. Não e não, pois Deus preservará os seus eleitos por seu Espírito da Verdade. Este é o Espírito Auxiliador que nos guia a Verdade. Que consolo temos. Assim podemos ser exortados por João que nos diz: “Quanto a vós outros, a unção que dele recebestes permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é falsa, permanecei nele, como também ela vos ensinou.” I Jo 2:27. Que permaneçamos nele como o Espírito nos tem ensinado. Sim, permaneceremos pela graça dEle no Espírito. Amém!

V – APENAS PARA OS SEUS E NÃO PARA O MUNDO.

o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não no vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós.

João 14:17.

O Espirito não vem para todos, mas apenas para os discípulos. O mundo, que são o grupo dos rebelados contra a Verdade, não o receberá, pois nem mesmo o pode. Eles não compreendem a obra do Espírito, pois parece-lhes loucura. “Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.” I Co 2:14. Os discípulos, ao contrário, já têm recebido a luz, a compreensão. Assim o Espírito é para eles. Vemos aqui a particularidade do amor e cuidado de Deus pelos seus eleitos. Estes dois versos estão cheios deste cuidado especial. Deus não abandona os seus, não os desampara jamais. Na Cruz Cristo alcançou para eles, não para todos, os benefícios que estão na dádiva do Espírito da Verdade. Dessa forma Ele pôde dizer “Não perdi nenhum dos que me deste.” Jo 18: 9. Consolemo-nos amados do Senhor nesta realidade, isto é, que os que são de Cristo recebem o Espírito com certeza, e Ele é o Espírito da Verdade que os conduzirá em segurança até a morada com o Senhor. Para estes diz o Senhor: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também. E vós sabeis o caminho para onde eu vou.” João 14:1-4. Oh amigos cristãos, vocês creem em Cristo? O amam? Já estão nEle como o Caminho? Então não se turbem, pois já receberam Espírito da Verdade que os conduzirá até o final da jornada. Agora Cristo lhes diz: “Buscai, antes de tudo, o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas. Não temais, ó pequenino rebanho; porque vosso Pai se agradou em dar-vos o seu reino. Vendei os vossos bens e dai esmola; fazei para vós outros bolsas que não desgastem, tesouro inextinguível nos céus, onde não chega o ladrão, nem a traça consome, porque, onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” Lucas 12: 31-34.
Todavia ainda devemos olhar para as seguintes palavras: “vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós” Jo 14:17b. Penso que é mais coerente com o que já estudamos neste capítulo se entendermos este texto como se segue:

Chegaria o momento em que o Espírito desceria em plenitude sobre a Igreja do Novo Testamento. Por isso Cristo diz que “estará em vós”, tempo futuro em relação aos ouvintes originais, isto é, os discípulos que ali estavam. Cristo ainda prometeria mais sobre o Espírito com estas palavras: “recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” At 1:8. Isso aconteceu no dia de Pentecostes conforme narrado em Atos 2, e de fato no poder do Espírito a Igreja se espalhou até os confins da terra. Na era da igreja o povo de Deus não esta mais circunscrito a Israel, como no Antigo Testamento, mas torna-se internacional. Realmente com a morte, ressurreição e ascensão de Cristo há uma dádiva excepcional do Espírito que passa a atuar nesta imensurável obra. Por isso Cristo falou que os discípulos fariam obras maiores que a dele (Jo 14:12), pois em seu ministério terreno o Senhor operava por meio de seu corpo físico, o que tinha seus limites,  e ainda se dirigia a Cruz, e não havia ressuscitado e subido ao Pai. Mas com sua obra consumada o Espírito viria, e então uma obra muito maior ocorreria, e isso em termos de proporções espirituais e mesmo geográficas.

Entretanto não há como pensar que não ocorria obra alguma do Espírito antes de Pentecostes. Na verdade os santos do Antigo Testamento também foram objetos da obra do Espírito, pois ninguém foi salvo sem a graça de Deus por seu Espírito. Também não há como pensar que os discípulos não possuíam contato algum com o Espírito. Conforme nossa tradução o coloca no verso dezessete assim diz o Senhor “vós o conheceis, porque ele habita convosco”. Verbos no tempo presente. Lembremos ainda que sobre Cristo se diz: “Pois o enviado de Deus fala as palavras dele, porque Deus não dá o Espírito por medida” Jo 3:34. Assim é que podemos dizer que num certo sentido o Espírito já atuava nos discípulos antes de Pentecostes. Por isso o Senhor diz no verso dezessete: “ele habita convosco”, tempo presente. Mas o Senhor diz em seguida: “estará em vós”, tempo futuro. Viria aquele glorioso evento quando o Espírito seria enviado com plenitude jamais vista. João já falara: “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva. Isto ele disse com respeito ao Espírito que haviam de receber os que nele cressem; pois o Espírito até aquele momento não fora dado, porque Jesus não havia sido ainda glorificado.” João 7: 38,39. É por isso que o Senhor diz: “estará em vós”. Aqui ele se refere a este evento futuro para os discípulos, isto é, o Pentecostes. Que maravilha e consolador saber que estamos vivendo neste período da Obra gloriosa do Espírito de Deus. Que leiamos nossa Bíblias buscando a Verdade em oração, suplicando pela luz de seu Espírito. Que busquemos santidade olhando e esperando por sua graça no Espírito Auxiliador. Que nos animemos em suas promessas, esperando o fortalecimento de nossa fé pela obra do Espírito. Que proclamemos Santo Evangelho em sua integridade, esperando pela atuação do Espírito nos ouvintes, crendo que todos os eleitos receberão esta dádiva do Espírito da Verdade. Que enfim vivamos para a glória do Senhor. E sendo crentes, isso podemos, porque seu Espírito está em nós. Louvado seja Aquele que nos deu o glorioso Auxiliador. Amém!

VI – CONCLUSÃO:


Cristo iria partir e a obra era imensurável, difícil e perigosa. Mas os discípulos não deveriam temer, pois era necessário o Senhor morrer para lhes preparar tudo o que precisavam, e em breve ressuscitaria, subiria ao Pai e enviaria o outro Auxiliador que estaria para sempre com eles, operando em suas vidas tudo para o bem deles mesmos, a salvação dos demais eleitos, e a glória de Deus. Hoje vemos os grandes resultados desta obra e também devemos confiar e nos consolar no cuidado de Nosso Senhor dando-nos o amoroso e precioso Auxiliador, o Espírito da Verdade que nunca nos abandonará. Amém. 

Pode ser copiado, distribuído, e traduzido livremente para outro idioma, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado.

*Pregação da noite de domingo, 08 de Março de 2015, na Congregação Batista Reformada em Belém.















Conheça e inscreva-se nas páginas do blog no Youtube e Facebook :

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)