Cristo Revela o Pai* - João 12: 44-50 - Manoel Coelho Jr.



Baixe o Mp3 clicando aqui.

Acesse o vídeo clicando aqui. 

I – INTRODUÇÃO:

Este é um texto de transição. Aqui se faz um resumo do ministério público de Cristo e conduz-se a uma nova etapa da narrativa, pois a partir do capítulo treze João nos apresenta os ensinos de Cristo apenas a seus discípulos mais chegados. Mas ao olharmos para o conteúdo do presente texto descobrimos que Cristo em seu ministério estava Revelando o próprio Deus, e deixando claro que não há outro meio de o conhecermos. E mais: Este conhecimento em Cristo faz toda a diferença na vida de uma pessoa. Ora como não faria se é o Conhecimento de Deus? Esta diferença se manifesta em que tal pessoa possui Luz espiritual, Salvação e a Vida Eterna. De fato não há nada mais importante que conhecermos a Cristo. A grande pergunta é: Temos conhecido a Deus por meio de Cristo?

II – O REVELADOR DE DEUS (Jo 12: 44, 45).

O Senhor deixa claro que é o Revelador do Pai. Fala que quem o vê também vê o Pai. Todavia fica evidente que este “vê” está relacionado a fé, pois nos afirma ainda que quem crê Nele da mesma forma crê no Pai, que foi quem o enviou. Assim temos que o conhecimento de Deus está intimamente relacionado ao conhecimento de Cristo, e que só possui este conhecimento quem crê. Ora, é bem verdade que muitos tiveram contato com Cristo e ainda assim não conheceram a Deus. De maneira semelhante muitos hoje recebem a revelação de Cristo por meio da pregação sem, no entanto, conhecerem de fato a Deus. O que faz a diferença? Resposta: A fé! Muitos viram a Cristo porem, apenas alguns dentre estes perceberam a sua Glória e puderam dizer: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.” Jo 1:14. Quando se entende em fé que Ele é o Verbo encarnado, então vê-se Nele a Glória de Deus. Mas quem não crê não vê nada disso.

Há muitos hoje que dizem que temem a Deus, o que naturalmente significa que deixam implícito que possuem algum conhecimento dEle. No entanto negam a Cristo ou criam um falso cristo. Não é possível a reconciliação destas duas coisas.  Se alguém nega a Cristo inevitavelmente não teme a Deus e não o conhece de fato, mas está iludido por seus próprios ídolos que ele pode chamar de “Deus” ou de “Cristo”. Mas isto não acontece apenas fora do meio evangélico. Temos visto um gradual e perigoso afastamento do Cristo das Escrituras por parte de muitos ditos evangélicos. Na verdade igrejas e até denominações inteiras têm apostatado do genuíno entendimento da Bendita Pessoa do Salvador vendo-o como um mero curandeiro ou solucionador de problemas de homens não convertidos. Evidentemente isso gera um desconhecimento de Deus e não passa de rebeldia abominável. Todas estas coisas são afrontas a Deus, pois significam o desprezo daquele que Ele mesmo enviou. Assim podemos dizer, seguindo a lógica das palavras de Cristo, que quem não crê em Cristo não crê no próprio Deus, e quem não o vê pela fé também não vê a Deus. Pode alguém alegar o que quiser, mas se não crê em Cristo é um rebelado contra Deus, não o teme de forma alguma, e tão pouco o conhece. Que meu leitor pense nestes fatos bíblicos perguntando-se: Qual tem sido a minha atitude em relação a Cristo? De fato eu temo e conheço a Deus?
Mas quais seriam as consequências de se conhecer a Deus em Cristo? Veremos nos pontos a seguir. 

III – A LUZ PARA OS CRENTES (Jo 12:46).

Esta é a primeira consequência de se conhecer a Deus em Cristo pela fé: O crente não anda mais nas trevas, mas possui a verdadeira Luz espiritual. Para entendermos melhor a natureza das trevas devemos pensar nos seguintes aspectos:

A – Os homens têm negado a revelação de Deus seja na natureza, consciência ou nas Escrituras. Isso os leva a desconhecerem a Deus e a criarem ídolos. Estão em trevas em relação a Deus.

B – Se estão em trevas em relação a Deus também nada entendem de si próprios, visto que é a medida que conhecemos a Deus que conhecemos nosso próprio ser, pois cada homem foi criado para a Glória de Deus.  Assim ele está em trevas em relação a si próprio.

C – Os homens negam a revelação da salvação em Cristo o que os leva criarem falsos meios de se reconciliarem com Deus. Eles estão em trevas em relação ao meio de salvação.

D – Os homens não querem se arrepender de seus pecados, mas ao contrário, desafiam cada mandamento de Deus pela desobediência deliberada. Estão em trevas em relação ao caminho santo e bom, seguindo um caminho torto e que lhes destruirá.

Em resumo aí está a natureza das trevas espirituais. Fora de Cristo é isso que há. Um homem pode ser cientista, intelectual, filósofo, rico, poderoso, experiente ou imaturo, jovem e forte ou idoso e frágil, seja como for tenha o que tiver, se for incrédulo é também um cego, está em profundas trevas espirituais.  

Mas Cristo é a luz do crente no sentido que:

A – Revela-nos Deus. Ele é o Verbo de Deus.

B – Mostra nosso terrível estado de pecado. Ele diz: “Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado.” Jo 8:34.

C – Ele se apresenta como o Único Salvador e o que nos leva ao Pai. Ele diz: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” Jo 14:6.

D – Ele chama os homens ao arrependimento e a fé Nele, e ensina-lhes o caminho da vida. Ele nos diz: “O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo; arrependei-vos e crede no evangelho.” (Mc 1:15) e  “Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela)” Mt 7:13.

De fato em Cristo há a Luz Verdadeira. Quem Nele crê jamais poderá mesmo andar em trevas. Peço que meus leitores avaliem-se em relação à estres padrões de Luz e trevas. Afinal você está na Luz ou nas trevas?

IV – O SALVADOR (Jo 12: 48-49).

Jesus anuncia que suas palavras são uma espécie de divisor de águas que mostrará o que ocorrerá no Juízo. A reação dos homens a Palavra de Cristo ou mostrará que eles serão salvos ou os condenará. O Senhor em outra parte já dissera assim:

 “Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, porque fora edificada sobre a rocha. E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia; e caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.” Mt 7:24-27. 

A tempestade é o Juízo, e a Rocha que sustentará o homem Naquele Dia é a Palavra de Cristo. O trecho que estudamos diz a mesma coisa de outra forma. Cristo veio primordialmente para salvar, mas à medida que exerce seu ministério de ensino ocorre a divisão entre crentes e incrédulos. Os incrédulos terão recebido a Palavra, mas por não crerem Nela, serão considerados sem desculpa Naquele Dia, conforme o próprio Senhor falara de seus ouvintes ao dizer: “Se eu não viera, nem lhes houvera falado, pecado não teriam; mas, agora, não têm desculpa do seu pecado.” Jo 15:22. Mas tudo isso é verdade porque a Palavra de Cristo é a Palavra do próprio Deus. Por isso nos diz: “Porque eu não tenho falado por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, esse me tem prescrito o que dizer e o que anunciar.” Jo 12: 49.

Assim, quem desconsidera a Palavra de Cristo está desconsiderando o próprio Deus em sua Palavra, e isso no Juízo Final será uma acusação contra tal homem de forma que “a própria palavra que tenho proferido, essa o julgará no último dia.” Jo 12: 48b. Consideremos então em como é sério a nossa reação diante da Palavra de Cristo que a nós está sendo pregada. Se crermos seremos salvos, mas se não crermos apenas pioraremos nossa situação, pois a Palavra que temos ouvido nos acusará Naquele Dia. Assim podemos afirmam que Conhecer a Deus em Cristo é experimentar a Salvação que somente Ele pode nos conceder. Significará que não precisaremos temer no Juízo. Mas o incrédulo não tem nenhuma esperança... “Porque, se vivermos deliberadamente em pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados;” Hb 10: 26. Qual o seu caso meu leitor?

V – A VIDA ETERNA (Jo 12:50).

A última consequência mencionada de se conhecer a Deus em Cristo é que tal conhecimento traz a Vida Eterna.

Mas o que é a Vida Eterna? Cristo responde:

E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” Jo 17:3.

O próprio conhecimento de Deus é a Vida Eterna. Mas este conhecimento implica em algumas coisas. Vejamos:

Aquele, porém, que entra pela porta, esse é o pastor das ovelhas. Para este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, ele chama pelo nome as suas próprias ovelhas e as conduz para fora. Depois de fazer sair todas as que lhe pertencem, vai adiante delas, e elas o seguem, porque lhe reconhecem a voz; mas de modo nenhum seguirão o estranho; antes, fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.” Jo 10:2-5.

Este conhecimento está em saber que Cristo é o Pastor e que outro qualquer é falso. Assim as ovelhas seguirão apenas a Cristo.

Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele. Disse-lhe Judas, não o Iscariotes: Donde procede, Senhor, que estás para manifestar-te a nós e não ao mundo? Respondeu Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras; e a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai, que me enviou.” Jo 14: 21-24.

Este conhecimento existe em amor. Amor de Deus por nós em Cristo e amor nosso por Deus também em Cristo.

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.” Jo 14:27.

Eis que vem a hora e já é chegada, em que sereis dispersos, cada um para sua casa, e me deixareis só; contudo, não estou só, porque o Pai está comigo. Estas coisas vos tenho dito para que tenhais paz em mim. No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” Jo 14:32,33.

Este conhecimento é ter Paz Nele.

Temos assim que Vida Eterna é conhecer a Deus em Cristo, e conhece-lo como Nosso Único e Verdadeiro Pastor, que nos ama e que amamos, dando-nos a sua Paz. Tudo isso possui o que crê em Cristo, pois Nele conhece a Deus. Quem não crê não conhece a Deus, o que implica em que não o conhece como seu Pastor, não se sabe amado por Ele e nem o ama, e não tem nenhuma Paz, mas apenas a terrível inquietação causada pelo pecado, e a expectativa angustiante da condenação futura. Eis que cada leitor ou está em uma situação ou em outra. Qual o seu caso?

VI – CONCLUSÃO:

Em Cristo, e apenas Nele, temos Conhecimento de Deus. Isso ocorre quando Nele cremos. A consequência deste conhecimento é a Luz Espiritual, a Salvação e a Vida Eterna. Mas os incrédulos nada disso experimentam, pois não conhecem a Deus, visto que negaram o Revelador. O que lhes resta é a Treva espiritual a Condenação no Juízo e a Morte Eterna. O que está acontecendo conosco? Se é em Cristo que obtemos estas benditas graças não é hora de nos dedicarmos a conhecê-lo em sua Palavra, deixando todo o desânimo e preguiça espiritual? Que Cristo revele Deus a cada leitor.  Amém!

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado.

*Pregação da noite de domingo, dia 31 de agosto de 2014, na Congregação Batista Reformada em Belém.


Leitura recomendada:

A Excelência de Cristo - Jonathan Edwards.
















Conheça e inscreva-se nas páginas do blog no Youtube e Facebook :

 Create your own banner at mybannermaker.com!

Create your own banner at mybannermaker.com!


Create your own banner at mybannermaker.com!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)