A conversão modifica a balança do julgamento - J. Alleine.

A conversão modifica a balança do julgamento de forma que Deus e Sua glória excedem o peso de todos os interesses carnais e mundanos. Ele abre os olhos da mente, derruba as escalas de sua ignorância nativa e conduz os homens das trevas para a luz. O homem que antes não via perigo em sua condição, conclui agora que está perdido e acabado para sempre. (At 2:37), a menos que seja renovado pelo poder da graça. Ele que anteriormente pensava que havia pouco prejuízo no pecado, agora o vê como o pior dos males. Ele vê a irracionalidade, a injustiça, a deformidade a a imundícia do pecado; de modo que fica aterrorizado diante dele, sente aversão e horror a ele, foge dele,e, até mesmo, abomina-se a si mesmo por causa dele (Rm 7:15; Jó 42:6; Ez 36:31). Aquele que podia ver um pouco de pecado em si mesmo a não via necessidade de confissão, agora vê a podridão de seu coração, a desesperada e profunda poluição de toda a sua natureza. Ele grita: "Impuro! Impuro! Senhor, purifica-me com hissope, lava-me completamente, cria em mim, ó Deus, um coração puro". Ele se vê completamente imundo, corrompido tanto na raiz como nos galhos (Sl 14:3, Mt 7:17-18). Ele escreva "impuro" sobre todas as suas partes, poderes e feitos (Is 64:6; Rm 7:19). Descobre os cantos imundos que jamais notou e vê a blasfêmia, o roubo, o assassinato e o adultério que há em seu coração os quais ele antes ignorava. Até então não via atração nem formosura em Cristo, nenhuma beleza para que pudesse desejá-lo; mas agora encontrou o "tesouro escondido", e venderá tudo para adquirir este campo. Cristo é a "pérola" que ele procurava.

Agora, de acordo com esta nova luz, o homem possui outra mente, outro julgamento, diferente daquilo que ele possuía anteriormente. Agora, Deus está inteiramente com ele; não há ninguém, no céu nem na terra como Ele; na verdade ele O prefere a tudo que há neste mundo. Sua graça é a sua vida, a luz de Seu rosto é mais que o trigo, o vinho e o óleo - os bens que ele anteriormente buscara e sobre os quais pusera seu coração (Sl 4:6-7). Um hipócrita pode submeter-se a um consenso geral de que Deus é o bem supremo; de fato, pelo menos alguns dos mais sábios pagãos têm descoberto isso. Mas nenhum hipócrita vai tão longe, a ponto de olhar para Deus como o mais desejável e conveniente bem para ele, a cujo bem pode se sujeitar. Esta é a linguagem do convertido: "A minha porção é o Senhor, diz a minha alma; a quem tenho eu no céu senão a ti? E na terra não há quem eu deseje além de ti" (Lm 3:24; Sl 73:25-26).

Porção do livro "Um guia seguro para o Céu" de Joseph Alleine (1634-1668), editado pela PES.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)