Exposição de Gênesis 4: O Terrível Crescimento do Pecado (Primeira Parte):



I – INTRODUÇÃO:

Este capítulo é extremamente importante por estar ligado ao anterior que nos conta sobre a entrada do pecado na humanidade. Aqui nós vemos o efeito imediato que isto causou na família do primeiro casal e em todos os seus descendentes. É uma história que nos mostra o terrível crescimento do pecado. No entanto, ao mesmo tempo que apresenta esta dura realidade, este texto também nos fala da graça de Deus que desde daqueles primórdios apesar de toda a rebeldia humana não se afastou de nossa raça. Isso fica claro em seus alertas aos rebeldes e principalmente em sua escolha de um povo para si.

II – CAIM E ABEL, O INÍCIO (Gn 4:1-7):

O capítulo começa nos falando do nascimento de Caim e Abel, e nesta ordem. Esta criança nasce da relação sexual do primeiro casal. A Bíblia nos apresenta o sexo não como algo pecaminoso, mas como uma dádiva de Deus para que homem e mulher usufruam dentro do casamento. Vejam bem: Adão e Eva eram casados. E era um casamento monogâmico. Como veremos mais adiante no estudo deste capítulo as deturpações a este modelo começaram cedo com Lameque que teve duas esposas (Gn 4:19). É bom olharmos para esta questão logo agora. Pois uma coisa que fica claro neste capítulo, é que o pecado ataca o indivíduo e a sua família. O pecado é algo que cresce de forma terrível e a medida que cresce modifica o modelo que Deus deu para os lares. Tal coisa traz destruidoras consequências para cada indivíduo e para suas famílias. Quero portanto deixar bem claro o padrão bíblico para o relacionamento entre homem e mulher:
1 – Evidentemente só pode existir entre homem e mulher, e nunca entre homem e homem ou mulher e mulher, constituindo-se estes últimos casos deturpações que o pecado produziu.
2 – É monogâmico e nunca poligâmico. A poligamia também é uma deturpação do pecado.
3 – Envolve o sexo que deve ser desfrutado como algo dado por Deus e não como pecaminoso. Ver o sexo como algo pecaminoso em si é deturpação do próprio pecado, assim como praticá-lo fora do casamento.
Facilmente podemos encontrar estas questões por todas as Escrituras, mas por hora quero apenas chamar atenção para o fato de que o pecado vai modificar estas estruturas colocadas por Deus causando desde então muita tristeza e dor. Sobre isto falarei mais adiante no caso de Lameque.
Quando Eva vê Caim fica evidente que seu coração se enche de gratidão a Deus. O nome “Caim” em um jogo de palavras se assemelha a “adquirir”. Assim ela vê Caim como vindo de Deus, ela reconhece que conseguiu seu filho porque Deus a abençoou. Imagino que é importante nós olharmos para todo o contexto para entendermos esta reação de Eva. Eles tinham perdido tudo, perderam a comunhão com Deus, o Paraíso, a Vida Eterna, e em vez disso estavam agora diante de um mundo difícil e a morte imperava. Mas em meio a tudo isso Deus faz surgir a vida através daquele filho. Eva reconheceu a bondade e graciosidade do Senhor Deus. Deus não os abandonara apesar de tudo. Deus é misericordioso. Oh meus irmãos como devemos parar para pensar com cuidado neste fato que na verdade acontece conosco a cada segundo. Sim porque ainda hoje os homens e mulheres têm sido rebeldes a Deus e ainda assim ele os abençoa a cada segundo com a vida, e com tudo o que é preciso para a sua manutenção. Eva foi grata. Você tem sido grato? Porém, devemos ainda observar que talvez Eva em sua gratidão estivesse lembrando de Gn 3:15. Talvez ela tenha pensado: “Não será este o descendente?”. De qualquer forma a gratidão dela é um exemplo para todos nós.
Infelizmente para Eva, Caim não era este descendente esperado. Hoje sabemos que ele se tornou o assassino de seu próprio irmão. Continuemos a história: Nasce Abel e se torna pastor de ovelhas. Por sua vez Caim se torna lavrador. Certo tempo depois eles apresentam cada um uma oferenda a Deus. Cada um vai agora cultuar a Deus. Caim oferece do fruto da terra, e Abel das primícias do rebanho. Mas vejam: Deus se agrada da oferta de Abel, mas se desagrada da oferta de Caim. A pergunta imediata que se faz a isto é: Porque Deus agradou-se da oferta de Abel e rejeitou a de Caim? Muitos têm dito que a questão está no derramamento de sangue. Segundo este ponto de vista Abel foi aceito porque derramou sangue o que era determinado por Deus. Creio que este argumento não é de todo inválido, mas acredito que a questão está mais no ofertante que na oferta em si. A questão está mais ligada ao coração que a forma externa do culto. Devemos crer que a forma externa é muito importante no culto a Deus, e que devemos em tudo em nosso cultos seguir as prescrições de Deus. No entanto é possível que o externo esteja de acordo com a Palavra de Deus ao mesmo tempo em que o coração não ame a Deus. Creio que este é o caso aqui primordialmente. Afirmo isto com base em dois textos do Novo Testamento que falam de Caim e Abel. Vejamos:
Pela fé, Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício do que Caim; pelo qual obteve testemunho de ser justo, tendo a aprovação de Deus quanto às suas ofertas. Por meio dela, também mesmo depois de morto, ainda fala. (Hb 11:4). Observem que o que fez a diferença entre Abel e Caim foi a fé. Abel era um homem de fé e fez a sua oferta, o seu culto com fé. Subtende-se que Caim por sua vez não teve fé. Sabemos que a fé tem a ver com o coração. É com o coração que cremos. Na verdade não podemos ver a fé de uma pessoa mas apenas discernir seus efeitos através de suas as obras. A fé também é o inverso do orgulho, pois o homem que crê confia em Deus e não em si mesmo. O orgulhoso, ao contrário, está cheio de confiança própria. Portanto, o caso de Caim é que ele não possuía humildade mas orgulho e foi neste espirito que ele ofereceu seu culto a Deus, por isso foi rejeitado. Tal fica ainda mais evidentes em suas reação em ficar zangado e de cara feia (Gn 4:5). Em vez de se humilhar diante de Deus ele se revolta. É soberbo. Mas vejamos ainda outro texto:
Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus. Nisto são manifestos os filhos de Deus e os filhos do diabo: todo aquele que não pratica justiça não procede de Deus, nem aquele que não ama a seu irmão. Porque a mensagem que ouvistes desde o princípio é esta: que nos amemos uns aos outros; não segundo Caim, que era do Maligno e assassinou a seu irmão; e por que o assassinou? Porque as suas obras eram más, e as de seu irmão, justas. Irmãos, não vos maravilheis se o mundo vos odeia. (I Jo 3:9-13). Notemos que João está tratando do Novo Nascimento que é a transformação operada pelo Espírito Santo no coração dos eleitos. Notemos que aqui mais uma vez está a questão da essência, da natureza, do coração. Caim era do diabo. Seu coração era mal enquanto de Abel era transformado. Como pode um filho do diabo cultuar de modo agradável a Deus? É impossível.
Diante disto quero fazer duas aplicações quanto a questão do culto:
A - Em nosso culto Deus olha o coração. Não que a forma não importe, mas a forma sem o coração quebrantado é rejeitado por Deus pois “O sacrifício dos perversos já é abominação; quanto mais oferecendo-o com intenção maligna!” (Pv 21:27). Como está nosso coração diante de Deus?
B – Só os regenerados podem adorar a Deus. Sem regeneração o coração possui uma natureza maligna, e tal coisa torna impossível a aceitação de Deus, pois o que na verdade se apresenta é rebeldia a Deus e não culto. Assim afirmo que muito do que se apresenta hoje como culto é absolutamente odioso diante de Deus. Creio que muitos hoje estão na s igrejas sem a regeneração, visto que as mesmas igrejas tem abandonado a pregação da Verdade de Deus. Isto é seríssimo.
Passemos agora aos versos seis e sete. Como já mencionamos Caim em seu orgulho fica muito irado e com cara feia. Diante disto o Senhor Deus o inquire e o aconselha. Neste ponto devemos notar a bondade e misericórdia de Deus. Já falamos um pouco disso no caso da alegria de Eva com o nascimento de Caim. Aqui algo semelhante se repete. Deus não se esquece do homem pecador, mas é gracioso com ele. Uma das formas de expressão da bondade de Deus é aconselhar o pecador a considerar os seus caminhos. Deus em sua bondade chama os pecadores ao arrependimento, incentiva-lhes a raciocinarem sobre a questão, procura fazer com que pensem no que estão fazendo quando pecam. Sabemos que todo o pecado é uma irracionalidade e o propósito de Deus é trazer o homem a razão. É exatamente o que Ele faz com Caim. O versículo sete parece significar que Deus alerta a Caim para que não permita que o pecado o domine. O pecado já estava fazendo sua obra em Caim. Ele se encontrava com raiva e provavelmente com inveja de seu irmão por este ter conseguido a aprovação de Deus em sua oferta. O pecado estava assim dominando seus pensamentos e atos. Deus o alerta para que não permita isso, mas ao contrário domine o pecado. Sabemos que Caim não ouviu a Deus. Sabemos que ele acabou por matar seu próprio irmão. Sabemos que ele se deixou dominar totalmente pelo pecado. E infelizmente também sabemos que os pecadores têm seguido este terrível exemplo de Caim. Sim, os pecadores em sua teimosia não ouvem Deus quando os alerta do perigo do pecado, mas se entregam a ele, se afundam cada vez mais em pensamento e atos pecaminosos, até que por fim cometem erros que destroem a eles e aos seu próximos. Você que lê estas linhas não faça como Caim mas ouça o alerta de Deus. Procure a libertação do pecado. Arrependa-se e busque a graça de Deus. Para isso o Senhor deu aquele descendente de Gênesis 3:15, o Senhor Jesus Cristo. Na fé Nele encontramos perdão e libertação completa de todo o pecado.
Continua...
Pode ser copiado e distribuído livremente desde que citada a fonte.

Comentários

  1. Um estudo rico e muito bem elaborado pela primeira vez entendo a diferença do porque Deus se agradou da oferta de Abel, e não de Caim, e o alerta que continua para nós de libertarmos dos Pecados que nos assediam. Obrigada Patrícia.

    ResponderExcluir
  2. Prezada Patrícia, muito obrigado por sua visita e palavras. De fato é um alerta para todos nós. Patrícia volte sempre, pois é muito bem vinda. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Que estudo maravilhoso.... me tirou muitas dúvidas, que Deus abençoe a vida do sr para que possa continuar nos abençoando e ajudando no crescimento e conhecimento da palavra do Senhor Jesus!!!! Solange

    ResponderExcluir
  4. Que estudo maravilhoso... tirei muitas dúvidas.Que Deus abençoe a vida do sr para continuar nos ajudando no crescimento e conhecimento da palavra de Deus! Solange

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras e apoio Solange Silva. Volte sempre!

      Excluir

Postar um comentário

Caros amigos, como o propósito do blog é mostrar o que a Bíblia ensina para a nossa edificação espiritual, e não fomentar polêmicas, que tendem a ofensas e discussões infrutíferas, não publicarei comentários deste teor, tão pouco comentários com linguagem desrespeitosa. Grato pela compreensão.

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)