O Evangelho é a Resposta - A Falsa Conversão (Texto,áudio e vídeo)* - Manoel Coelho Jr.



Baixe o Mp3 clicando aqui.

Estando ele em Jerusalém, durante a Festa da Páscoa, muitos, vendo os sinais que ele fazia, creram no seu nome; mas o próprio Jesus não se confiava a eles, porque os conhecia a todos. E não precisava de que alguém lhe desse testemunho a respeito do homem, porque ele mesmo sabia o que era a natureza humana.” Jo 2:23-25.

Uma árvore produz frutos conforme a sua espécie. Assim, mostra-se a natureza da árvore. No entanto precisamos conhecer o fruto que corresponde àquela árvore para não sermos enganados, isto é, precisamos, por exemplo, saber que “laranjas” não são “bananas” ou “uvas”. Sim, precisamos saber a diferença entre “frutos” e “frutos”. Amigos, a conversão é fruto da nova natureza que nos é concedida na Regeneração ou Novo Nascimento. Todavia há uma falsa conversão que se manifesta em várias formas. Como toda falsidade, ela traz enganos e prejuízos, e neste caso prejuízo eterno. Por isso é muito importante tratarmos dela antes da verdadeira, para que nos desvencilhemos do perigo. Isto é que eu pretendo fazer neste breve capítulo.


1 – Deus não se engana.

Jesus não se confiava a eles, porque os conhecia a todos. E não precisava de que alguém lhe desse testemunho a respeito do homem, porque ele mesmo sabia o que era a natureza humana.” Jo 2:24,25.

Os homens se deixam levar pela falsidade. Isso acontece porque seus corações naturais amam a mentira, e também porque eles não têm condições de verificarem todos os ângulos de um caso. Eles veem em parte. Mas isso não acontece com Deus. Deus não se ilude, pois “não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas” Hb 4:13. Daí que a falsidade humana sobre a conversão é completa loucura. Na verdade um homem pode se iludir o quanto quiser, mas isso não enganará Aquele a quem prestará contas no Juízo Final. Por isso é tão importante deixarmos toda falsificação. Amigo leitor, busque conhecer sua real situação a respeito de seu estado diante de Deus. Você está em Paz com Deus por meio de Cristo? Você já está convertido? Isso é vital. Não se engane, pois Deus jamais será enganado. Vejamos então o que a Conversão não é nos próximos pontos, ouvindo o próprio Deus em sua Palavra nas Escrituras.

2 – Conversão não é mero conhecimento bíblico.

Se, porém, tu, que tens por sobrenome judeu, e repousas na lei, e te glorias em Deus; que conheces a sua vontade e aprovas as coisas excelentes, sendo instruído na lei; que estás persuadido de que és guia dos cegos, luz dos que se encontram em trevas, instrutor de ignorantes, mestre de crianças, tendo na lei a forma da sabedoria e da verdade; tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? Dizes que não se deve cometer adultério e o cometes? Abominas os ídolos e lhes roubas os templos? Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei? Pois, como está escrito, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa.” Rm 2 :17-24.

Um homem pode conhecer a Bíblia, suas leis e doutrinas, e ainda assim não ser convertido, pois a Conversão é mais que conhecimento. Sem dúvida é preciso conhecer para ser convertido. Certa vez escreveu Richard Baxter: “Um homem pode ir para o inferno com conhecimento; mas ele certamente irá para o inferno se não o tiver.” (do Livro de Baxter: “Medita estas Coisas”). Faz parte da Conversão o conhecimento das Verdades do Evangelho, no entanto há muitos que param no conhecimento, isto é, conhecem as doutrinas, mas não mostram piedade, não mostram mudança de vida. Isso mostra que o coração não foi regenerado e não ouve conversão. É um mero conhecimento intelectual e nada mais. Isso não é conversão.

3 – Conversão não é simplesmente participar de um ritual religioso.

Porque não é judeu quem o é apenas exteriormente, nem é circuncisão a que é somente na carne. Porém judeu é aquele que o é interiormente, e circuncisão, a que é do coração, no espírito, não segundo a letra, e cujo louvor não procede dos homens, mas de Deus.” Rm 2:28,29.

Um ritual religioso não pode mudar o interior de um homem. Pode mascarar, mas não transformar. Um homem pode externamente ser um cristão e demonstrar isso em rituais, mas ainda assim seu interior pode não amar a Deus e crer em Cristo. Muitos se conformam com tais rituais. Dizem: “Eu tomei uma decisão, eu fui batizado, eu participo dos cultos”. Mas a questão é: Há mudança em sua vida que demostre um coração regenerado? Se não, tudo o que faz ante aos olhos de todos como prática religiosa não passará de rituais externos que não tocam o coração. Isso não é conversão. 

4 – Mera prática moral zelosa não é Conversão.

quanto ao zelo, perseguidor da igreja; quanto à justiça que há na lei, irrepreensível. Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo.” Fp 3:6,7.

Um homem pode ser extremamente zeloso em suas práticas morais, e ainda não ser convertido. Isso apenas significará que ele aderiu a um sistema moral e religioso. Pode deixar, por exemplo, de fumar e beber, pode ter uma vida de abstinência sexual, pode ser zeloso em sua religiosidade aparente, mas isso não significará necessariamente que é um homem novo.  Estas coisas podem vir de outras motivações que não de um coração regenerado. Podem vir simplesmente de uma busca orgulhosa por justiça própria, independente de Deus. Isso não é Conversão. 

5 – Conversão é mais que uma alegria passageira.

O que foi semeado em solo rochoso, esse é o que ouve a palavra e a recebe logo, com alegria; mas não tem raiz em si mesmo, sendo, antes, de pouca duração; em lhe chegando a angústia ou a perseguição por causa da palavra, logo se escandaliza.” Mt 13:20,21.

Muitos ao ouvirem o Evangelho logo o recebem e demostram alegria. Mas vindo as dificuldades abandonam com a mesma rapidez. Isso não é conversão genuína, mas mera empolgação com a mensagem ouvida. Não é fé genuína, mas um interesse passageiro. Não há raiz. Não há profundidade. Não há fé no coração, mas apenas empolgação passageira. Isso não é conversão.

6 – Na falsa conversão o coração não é tocado.

Toda a falsa conversão é falsa porque não toca o coração, mas apenas veste uma capa religiosa hipócrita. É aparência e só.

Veja:

 A – Um homem pode apenas conhecer doutrinas bíblicas sem crer no coração.

B – Um homem pode participar de um ritual sem ter um coração que ame de verdade a Deus em Cristo.

C – Um homem pode ser muito zeloso em práticas morais, mas isso pode vir de um coração orgulhoso e não regenerado.

D – Um homem pode receber rapidamente a mensagem do evangelho com muita alegria. Mas isso pode ser mera empolgação que não seja fruto de um coração arrependido de fato.

 7 – Conclusão:

Amigo leitor, perceba o perigo da falsa conversão. Ela é perigosa por que nos engana, mas não a Deus que é o Juiz.  Daí que é muito importante você ponderar em cada um destes pontos. Peço, por favor, que os releia com oração a Deus pedindo que lhe ilumine e lhe livre do engano de seu coração. Busque esta Verdade sobre seu estado diante de Deus. No próximo estudo avançaremos procurando mostrar a natureza da verdadeira Conversão. O Senhor nos conduza! Amém!


Pode ser copiado, distribuído, e traduzido livremente para outro idioma, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado.

*Estudo ministrado no culto noturno de estudo bíblico e oração, quarta-feira, 29 de Julho de 2015, na Congregação Batista Reformada em Belém.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)