Reflexões sobre o sofrimento - Parte VI* - Manoel Coelho Jr.

Como agir diante das dificuldades de relacionamento? – Continuação.

O mundo se tornou um campo de batalha após a entrada do pecado. Há dificuldades em todos os relacionamentos devido ao orgulho e egoísmo humano. Isso gera terríveis sofrimentos como: Amargara no coração, destruição de lares, fome, ferimentos físicos e até mesmo assassinatos. Em nosso país, por exemplo, milhares morrem a cada ano.

Como os cristãos devem agir diante de tudo isso? Essencialmente os cristãos devem estar na contramão da causa básica destes sofrimentos, isto é, o pecado, especialmente na forma de orgulho e egoísmo. O cristão vivendo seu papel na sociedade agirá como um atenuante desta dor e sofrimento causado pelas guerras humanas em todos os níveis, desde a família até as nações.

Mas como em termos práticos ele deve proceder. Deixo as seguintes recomendações que creio estarem nas Escrituras pelo o que já estudamos até aqui: 

1 – Investigue o seu próprio pecado à luz da Palavra de Deus em oração.

Nunca devemos fazer como Adão, que encobriu o próprio pecado para se passar por inculpável. Não e não! Como já vimos, isso somente causará mais guerras e dores, pois nos poremos a por a culpa nos outros levando-os a ofensa e a vingança. Muito ao contrário, devemos esquadrinhar o próprio coração em busca do pecado que se esconde. Isso só pode ser feito com oração e à luz da Palavra de Deus.

Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos.

Salmo 119: 105.

A lei do SENHOR é perfeita e restaura a alma; o testemunho do SENHOR é fiel e dá sabedoria aos símplices. Os preceitos do SENHOR são retos e alegram o coração; o mandamento do SENHOR é puro e ilumina os olhos. O temor do SENHOR é límpido e permanece para sempre; os juízos do SENHOR são verdadeiros e todos igualmente, justos. São mais desejáveis do que ouro, mais do que muito ouro depurado; e são mais doces do que o mel e o destilar dos favos.  Além disso, por eles se admoesta o teu servo; em os guardar, há grande recompensa. Quem há que possa discernir as próprias faltas? Absolve-me das que me são ocultas. Também da soberba guarda o teu servo, que ela não me domine; então, serei irrepreensível e ficarei livre de grande transgressão. As palavras dos meus lábios e o meditar do meu coração sejam agradáveis na tua presença, SENHOR, rocha minha e redentor meu!

Salmo 19: 7-14.

2 – Pelo poder do Espírito Santo sirva a seu próximo para a glória de Deus.

O caminho do pecado é o exaltar-se para que os outros venham a servir-nos. Isso gera guerras sem fim. O caminho de Cristo, ao contrário, é humilhar-se no serviço do próximo pelo Poder do Espírito Santo e visando a Glória de Deus. Isso freia as desavenças e promove a Paz.

E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.

Efésios 5: 18-22.

3 – Ajude o seu próximo a abandonar o pecado nas relações.

O caminho do pecado é esconder a própria culpa por meio de transferi-la aos outros. Isso é extremamente maligno, pois não se tem por objetivo ajudar o próximo, mas feri-lo para então eximir-se. O caminho de Cristo é oposto, pois começa com a humilhação e confissão da própria iniquidade e prossegue no propósito de ajudar o próximo a deixar seus pecados. Isso tudo é feito em mansidão.

Meus irmãos, se algum entre vós se desviar da verdade, e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados.

Tiago 5: 19, 20.

Irmãos, se alguém for surpreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado. Levai as cargas uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo. Porque, se alguém julga ser alguma coisa, não sendo nada, a si mesmo se engana. Mas prove cada um o seu labor e, então, terá motivo de gloriar-se unicamente em si e não em outro. Porque cada um levará o seu próprio fardo.

Gálatas 6: 1-5.

Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso próprio marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, sem palavra alguma, por meio do procedimento de sua esposa, ao observar o vosso honesto comportamento cheio de temor. Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário; seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus. Pois foi assim também que a si mesmas se ataviaram, outrora, as santas mulheres que esperavam em Deus, estando submissas a seu próprio marido, como fazia Sara, que obedeceu a Abraão, chamando-lhe senhor, da qual vós vos tornastes filhas, praticando o bem e não temendo perturbação alguma.

I Pedro 3:1-6



Baixe o Mp3 clicando aqui.

*Pregação da noite de 04 de Janeiro de 2015, na Congregação Batista Reformada em Belém.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)