Exposição do Evangelho de João: O Espírito Santo e o Filho de Deus.

É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim. Eu mesmo não o conhecia, mas, a fim de que ele fosse manifestado a Israel, vim, por isso, batizando com água. E João testemunhou, dizendo: Vi o Espírito descer do céu como pomba e pousar sobre ele. Eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar com água me disse: Aquele sobre quem vires descer e pousar o Espírito, esse é o que batiza com o Espírito Santo. Pois eu, de fato, vi e tenho testificado que ele é o Filho de Deus. (Jo 1:30-34).

I - INTRODUÇÃO:

Em seu testemunho, João Batista havia acabado de chamar Jesus de Cordeiro de Deus. Agora ele prossegue falando da importância incomparável do Cordeiro, e em seguida da prova que ele recebeu de que aquele homem de fato era o Filho de Deus: A descida do Espírito Santo sobre Ele! Neste texto temos diante de nós o testemunho importantíssimo de um verdadeiro profeta de Deus a respeito de Cristo. É sábio ouvir este testemunho e procurar compreendê-lo! Isto é, o que, com a graça de Deus, queremos fazer neste estudo. Vamos pensar nisso juntos, visto que é de extrema necessidade para todos nós que façamos assim!

II – CRISTO É O MAIS IMPORTANTE (Jo 1:30).

João Batista já nos vinha falando da importância suprema de Cristo (Jo 1:15). Agora ele aponta para este homem. Ele diz: “este é aquele de quem eu vinha dizendo que é mais importante que eu”. Novamente devemos lembrar que a fé cristã esta ancorada em fatos reais e não em fábulas. Cristo andou entre nós. Ele, o homem Jesus, esteve aqui, e João Batista apontou para Ele. Seria uma grande tolice não dar atenção para este fato. Mas, como já temos demonstrado no estudo anterior, isso é o que muitos têm feito.
Prezado amigo, eu quero lhe levar a refletir sobre esta questão. Imagine se alguém estivesse gravemente enfermo, e na cidade onde mora chegasse um médico que conhecesse a cura para a enfermidade. Tal pessoa não deveria dar toda a atenção a este fato? Não seria grande tolice ouvir desatentamente a notícia a esse respeito? Ora, mas é isso que os homens tem feito em relação a Cristo. A Bíblia mostra que temos uma grave doença espiritual chamada pecado. Cristo é o único que pode nos curar. A realidade é que as pessoas não dão atenção ao único que pode salvá-las. Isso acontece até na dita Igreja Cristã. Os evangelhos, e demais livros, não são estudados e pregados. O testemunho de João Batista a respeito de Cristo se quer é mencionado. Como é possível aqueles que se dizem cristãos darem tão pouca atenção ao Cordeiro de Deus? Mas é isso que muitos fazem. A razão única para agirem assim é que na realidade não são cristãos. Como é possível ser cristão e não dar valor ao testemunho a respeito de Cristo?
Mas prossigamos. Outro ponto importante neste verso é que João mais uma vez se humilha diante de Cristo. Isso se repete com todo o verdadeiro profeta. João sabe que foi chamado por Deus (Jo 1:33), mas não queria por isso ser julgado tão importante, ou mais importante que Cristo. Na verdade era exatamente por ele ser um verdadeiro profeta, ou seja, alguém enviado por Deus, é que ele estava consciente de sua posição. O que importava para Ele era chamar as pessoas para Cristo, pois Cristo já existia antes dele, Cristo é Deus. Que todos nós tomemos isso como um parâmetro para medir os que se dizem hoje mensageiros de Deus. Perguntemos: Tal homem prega a Cristo conforme nos é apresentado nas Escrituras, ou outro Cristo de acordo com sua cabeça? Tal homem deseja glorificar apenas a Cristo, ou de forma velada, ou clara, deseja demonstrar sua própria importância para o bem das pessoas, importância esta até maior que a de Cristo? Afirmo: Quem não passa neste teste não é um verdadeiro mensageiro de Deus, e isso não importando o número de seus seguidores!

III – O ESPIRITO SANTO DESCE SOBRE JESUS (Jo 1:31-34):

Deus enviou a João Batista (Jo 1:33), e havia dado a ele um sinal que deixaria claro quem seria o Cristo, o Filho de Deus. E o sinal era a descida do Espírito sobre este homem . João diz que não o conhecia. No entanto devemos neste ponto dar uma explicação sobre a questão para que ninguém pense que a Palavra de Deus se contradiz. Leia o seguinte texto: “ Por esse tempo, dirigiu-se Jesus da Galiléia para o Jordão, a fim de que João o batizasse. Ele, porém, o dissuadia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim? Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu. Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” (Mt 3:13-17). Notemos, que no texto de Mateus, João Batista ficou incomodado em batizar a Jesus porque sabia quem ele era. Portanto fica a pergunta: Por que no Evangelho de João se diz que ele só conheceu a Jesus após a descida do Espírito, o que ocorreu depois do batismo? Devemos entender a questão olhando para o fato de que a descida do Espírito foi uma confirmação de que realmente Jesus era o Messias. Na verdade João já tinha pelo menos alguma percepção disso, todavia a descida do Espírito trouxe a confirmação completa da parte de Deus. Este fora o sinal que Deus lhe dera. Assim, creio, é que devemos entender. Não há contradição aqui, como em nenhuma parte da Escritura
Mas o que significa a descida do Espírito sobre Jesus? Vamos ler algumas passagens:
Do tronco de Jessé sairá um rebento, e das suas raízes, um renovo. Repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR. Deleitar-se-á no temor do SENHOR; não julgará segundo a vista dos seus olhos, nem repreenderá segundo o ouvir dos seus ouvidos; mas julgará com justiça os pobres e decidirá com eqüidade a favor dos mansos da terra; ferirá a terra com a vara de sua boca e com o sopro dos seus lábios matará o perverso. A justiça será o cinto dos seus lombos, e a fidelidade, o cinto dos seus rins” (Is 11:1-5).
Este rebento nascido de do tronco de Jessé naturalmente é o Cristo. A Ele é prometido que repousará sobre sua vida o Espírito Santo. Este Espírito lhe daria capacidades como: sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza e temor. O Espírito produziria todas estas coisas Nele. Guardemos isso!
Eis aqui o meu servo, a quem sustenho; o meu escolhido, em quem a minha alma se compraz; pus sobre ele o meu Espírito, e ele promulgará o direito para os gentios. Não clamará, nem gritará, nem fará ouvir a sua voz na praça. Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega; em verdade, promulgará o direito. Não desanimará, nem se quebrará até que ponha na terra o direito; e as terras do mar aguardarão a sua doutrina.” (Is 42:1-4).
Mais uma vez se fala de Cristo, e o fato de Ele possuir o Espírito é mencionado junto com as palavras que falam da escolha Dele por parte de Deus, e de sua obra.
Vós conheceis a palavra que se divulgou por toda a Judéia, tendo começado desde a Galiléia, depois do batismo que João pregou, como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele;”(At 10:37,38). Aqui se diz que o Espírito deu a Jesus capacidade, poder, para fazer o bem e libertar do diabo.
Veja ainda estes outros textos:
O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados; a apregoar o ano aceitável do SENHOR e o dia da vingança do nosso Deus; a consolar todos os que choram e a pôr sobre os que em Sião estão de luto uma coroa em vez de cinzas, óleo de alegria, em vez de pranto, veste de louvor, em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem carvalhos de justiça, plantados pelo SENHOR para a sua glória.” (Is 61:1-3).
Jesus se identifica com este texto. Veja: “Indo para Nazaré, onde fora criado, entrou, num sábado, na sinagoga, segundo o seu costume, e levantou-se para ler. Então, lhe deram o livro do profeta Isaías, e, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito: O Espírito do Senhor está sobre mim, pelo que me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos, e apregoar o ano aceitável do Senhor. Tendo fechado o livro, devolveu-o ao assistente e sentou-se; e todos na sinagoga tinham os olhos fitos nele. Então, passou Jesus a dizer-lhes: Hoje, se cumpriu a Escritura que acabais de ouvir.” (Lc 4:16-21).
Todos estes textos mostram que Deus escolheu a Jesus e o capacitou, e tudo está associado ao Espírito Santo. Perguntemos, ainda: Jesus começou a exercer seu ministério antes ou depois do batismo, que foi a ocasião em que desceu sobre ele o Espírito? A resposta óbvia por todos os Evangelhos é: depois. Veja: Mt 1-4, Mc 1, Lc 1-4, e Jo 1. A primeira coisa que veio foi o embate contra satanás, e em seguida ele começou a realizar sua obra entre o povo.
Diante de tudo isso tiramos duas conclusões sobre o significado da descida do Espírito Santo sobre Jesus:
A – Ele é o escolhido de Deus para sua obra.
B – Ele é capacitado por Deus para exercer esta obra.
Assim era no Antigo Testamento, o que era ungido com óleo, era escolhido por Deus e capacitado por Ele. Esta capacitação vinha do Espírito Santo. No entanto com relação a Jesus devemos mencionar que houve uma diferença. Sobre Ele o Espírito desceu sem medida. Veja Jo 3:31-36: “Quem vem das alturas certamente está acima de todos; quem vem da terra é terreno e fala da terra; quem veio do céu está acima de todos e testifica o que tem visto e ouvido; contudo, ninguém aceita o seu testemunho. Quem, todavia, lhe aceita o testemunho, por sua vez, certifica que Deus é verdadeiro. Pois o enviado de Deus fala as palavras dele, porque Deus não dá o Espírito por medida. O Pai ama ao Filho, e todas as coisas tem confiado às suas mãos. Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus.”. Aos outros fora dada o Espírito em medida, mas a Ele não. Sobre ele o Espírito foi dado de maneira, como diz F. F. Bruce, incomensurável. Todo o poder estava a sua disposição. E por que isso? Resposta: Porque ele é o Filho, a Terceira Pessoa da Trindade. Mateus, Marcos e Lucas, relatam que a voz do Céu disse na ocasião do batismo e descida do Espírito: “Este é o meu Filho Amado em quem me comprazo” (Mt 3:17, Mc 1:11, Lc 3:22). Como alguns têm notado, há aqui uma fusão entre o Sl 2:7 e Is 42:1. Ladd, em sua Teologia do Novo Testamento na página 217, diz o seguinte sobre Mc 1:11: “a palavra grega traduzida em Marcos 1 :11, 'em que me comprazo' pode ser traduzida 'em quem meu bom prazer se estabeleceu', envolvendo a idéia de escolha. 'O significado da cena é o ato de eleição da parte de Deus a saber, a eleição do Filho, que inclui Sua missão e Sua nomeação para o ofício real do messias' (G. Schrenk)”. Ora, no pacto da redenção o Filho Eterno de Deus fora designado para ser o mediador, assim este é o Eleito de Deus, o seu Filho, e o que recebeu todo o poder do Espírito para realizar esta obra.
João Batista entendeu isso, visto que disse: “Eu não o conhecia; aquele, porém, que me enviou a batizar com água me disse: Aquele sobre quem vires descer e pousar o Espírito, esse é o que batiza com o Espírito Santo. Pois eu, de fato, vi e tenho testificado que ele é o Filho de Deus.” (Jo 1:33,34). Prezado leitor, temos diante de nós neste texto o testemunho fiel de um verdadeiro profeta do Senhor: João Batista. Ele é uma testemunha ocular, seu testemunho chega até nós. Hoje João Batista ainda fala. Ele nos diz que aquele homem chamado Jesus é o Messias, o Filho de Deus, o Cordeiro de Deus dado em sacrifício por seu povo. O que você fará diante deste testemunho? Dará atenção a ele ou o tratará como uma mentira? Você dará ouvido a estas palavras humilhando-se diante do Filho de Deus, crendo Nele como seu Único Salvador ou o desprezará como um impostor? O que fará você com Jesus chamado Cristo (Mt 27:22)? Quem você dirá ser Jesus, o Filho do Homem (Mt 16:13-17)? Crerá Nele dobrando-se diante de sua Majestade, ou arrogantemente o desprezará como se fosse um mentiroso? Só existem estas duas opções! Que você creia humildemente em Jesus, o Filho de Deus, o Único que pode te Salvar!

IV – CONCLUSÃO:

O testemunho de João Batista é claríssimo: Cristo é o Cordeiro de Deus, o mais importante, o Verdadeiro Deus, O Cristo ungido pelo Espírito, O Escolhido de Deus para salvar seu povo, Aquele que com todo o poder do Espírito fez esta obra, o Filho de Deus. Que todos ao lerem estas linhas possam crer Nele antes que seja tarde demais, cumprindo, assim, a recomendação do próprio Deus: “Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra. Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos nele com tremor. Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que nele se refugiam.” (Sl 2:10-12).

Pode ser copiado e distribuído livremente desde que indicada a fonte!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)