Estudo 20 - Juízo Final - A Parábola das dez virgens: Os prudentes e os néscios* - Vídeo, áudio e texto - Manoel Coelho Jr.



Então, o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram a encontrar-se com o noivo. Cinco dentre elas eram néscias, e cinco, prudentes. As néscias, ao tomarem as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo; no entanto, as prudentes, além das lâmpadas, levaram azeite nas vasilhas. E, tardando o noivo, foram todas tomadas de sono e adormeceram. Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro! Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas. E as néscias disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão-se apagando. Mas as prudentes responderam: Não, para que não nos falte a nós e a vós outras! Ide, antes, aos que o vendem e comprai-o. E, saindo elas para comprar, chegou o noivo, e as que estavam apercebidas entraram com ele para as bodas; e fechou-se a porta. Mais tarde, chegaram as virgens néscias, clamando: Senhor, senhor, abre-nos a porta! Mas ele respondeu: Em verdade vos digo que não vos conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora.” Mt 25:1-13.

I – INTRODUÇÃO:

Nesta parábola Nosso Senhor continua aplicando o seu Sermão Profético. E seguindo as aplicações anteriores o que está em vista aqui é se estamos ou não acordados espiritualmente. No entanto a ênfase cai sobre a questão da genuinidade de nosso cristianismo. Em resumo o Senhor nos ensina neste trecho que o que vigia é um genuíno cristão sendo assim um prudente.

II – CASAMENTO JUDEU.

Para entendermos está parábola precisamos conhecer o casamento judeu. Tasker em seu comentário assim nos explica:

No tempo de Jesus, normalmente havia três estágios no processo matrimonial. Primeiro vinha o compromisso quando era feito um contrato formal entre os respectivos pais da noiva e do noivo. A este seguia-se o noivado, cerimônia feita na casa dos pais da noiva  quando promessas mútuas eram feitas pelas partes contratantes diante de testemunhas, e o noivo dava presentes a sua prometida...Finalmente, depois do transcurso de cerca de um ano havia o casamento, quando o noivo acompanhado de seus amigos, ia buscar a noiva na casa de seu pai e a levava em cortejo de volta para sua casa, onde se fazia a festa de casamento. É bem provável que seja este o cortejo que dez jovens da história são representadas como indo encontrar, quer como damas de honra oficiais da noiva, quer como criada do noivo, quer como filhas de amigos e vizinhos – não temos meios de sabê-lo.” – R. V. G. Tasker, em “Mateus: introdução e comentário”, página 184.

Creio que se entendemos bem a explicação de Tasker podemos visualizar a parábola em seu contexto cultural estando assim em condições de prosseguir.

III – ÓLEO DE RESERVA (Mt 25:2-4).

Levar óleo de reserva faz toda a diferença, pois mostra preparação para qualquer situação. Significa que se está sendo prudente, inteligente, sábio, precavido. Por isso Nosso Senhor chama as virgens que assim fizeram de prudentes. Elas estavam cuidando de si próprias e não se permitindo ter algum prejuízo no futuro. Daí que podemos ver que o ponto sobre o óleo reserva leva-nos a questão de se estar sempre preparado. Este é o destaque, isto é, precisamos estar prontos para a volta de Nosso Senhor que é o Noivo. Por isso que no final da parábola o Senhor exorta a que vigiemos. Quem age dessa forma é prudente, ou seja, cuida de si. Já o que não tem óleo reserva é o despreparado e consequentemente néscio, pois trabalha para seu próprio mal. E devemos acrescentar que Cristo está se referindo àqueles que professam a fé cristã, pois a totalidade das virgens está à espera do noivo. Todavia esta totalidade se divide em prudentes e néscias. Dessa forma temos que entre os que professam a Cristo existem os preparados e os despreparados, os genuínos cristãos e os hipócritas. À luz disso esta parábola nos chama a avaliação de nosso cristianismo. A questão é: Ele é real ou hipócrita?

Pelo o que já estudamos proponho as seguintes perguntas para tal avaliação:

A – Estamos acordados ou dormindo espiritualmente?

B – Vivemos para Cristo dando valor a sua Palavra ou somos relaxados, desprezando seus ensinos?

C – Vivemos fazendo as coisas do dia a dia como se não fossemos morrer ou como se Cristo não fosse voltar, ou fazemos tudo para a glória de Deus?

D – Estamos distraídos com as coisas deste mundo ou fazemos tudo com os olhos no Reino Eterno de Cristo?

E – Temos fé em Cristo, amor a Deus e ao próximo, e esperança nas promessas das Escrituras, o que se manifesta na prática, ou nossas obras mostram que somos incrédulos, desesperançosos e não amamos a Deus e ao próximo?

As respostas a estas questões mostrarão se temos ou não óleo de reserva. Peço que pense em cada uma delas com calma, orando para que Deus lhe ilumine.

IV – O NOIVO DEMORA (Mt 25: 5).

A demora do noivo nos mostra a imprevisibilidade do tempo em que Cristo vai voltar. Ora, é exatamente porque não sabemos o tempo que precisamos estar sempre preparados. As noivas prudentes tem óleo suficiente, mas as imprudentes a lâmpada se apaga. O alerta então é que devemos constantemente estar supridos com o que é necessário, vivendo sempre para a Eternidade, esperando sempre Nosso Senhor. Aqueles que se desleixam, dizendo que Cristo demora, serão encontrados com as lâmpadas apagadas, pois na verdade vivem não para Cristo, mas para o pecado. Não sabemos quando Cristo voltará e tão pouco sabemos do tempo de nossa própria morte. Aqueles que são cristãos verdadeiros sempre estão prontos para partir. Eles têm o cajado na mão, estão calçados, e seus cintos estão apertados (Ex 12:11,12). Estão prontos para deixar este mundo, pois aqui são apenas peregrinos. Eles fazem parte das virgens prudente e suas lâmpadas sempre estão acessas. Já o crente falso está construindo sua vida sobre este mundo e acha que pode descansar, pois Cristo demora e a morte deve estar ainda muito, muito longe. Ele pensa assim porque ama este mundo e não o Reino de Cristo. Ele faz parte das virgens néscias e sua lâmpada se apaga. Qual o seu caso?

V – APARECE A DIFERÊNÇA (Mt 25: 6-10).

Até aqui não havia diferença aparente entre as virgens. Todas esperavam o noivo, e todas adormecerem. Mas de repente a meia-noite se anuncia a chegado do noivo. As prudentes podiam apresentar suas lâmpadas acesas, pois possuíam óleo reserva.  Já as néscias tinham as lâmpadas se apagando. Finalmente a vida conforme vivida deu seu resultado. Sim! A volta de Cristo representará a hora da verdade. Será a hora em que tudo ficará explícito. Será a hora que a prudência aparecerá. Mas também será a hora em que a loucura se mostrará como loucura. Aqueles que viveram para Cristo estarão prontos para seu Rei. Mas aqueles que o desprezaram descobrirão que nada têm no Reino de Cristo. Será o Dia do explicitamente de Cristo (Mt 7: 23). A hipocrisia e a genuinidade se revelarão Naquele Dia. Será o Dia da segurança das virgens prudentes e do sentimento de despreparo e desespero das virgens néscias. Semelhantemente a morte também revela a situação de cada pessoa.

Assim as perguntas que devemos fazer são as que se seguem:

A – Nossas lâmpadas estão acessas neste momento?

B – Temos óleo reserva?

C – Neste exato momento em que meditamos no assunto estamos preparados?

D – Se morrêssemos hoje estaríamos preparados ou não?

E – Se Cristo voltasse hoje estaríamos prontos ou não?

F – O que a morte revelará sobre nosso cristianismo? Mostrar-se-á verdadeiro ou falso?

G – O que a Volta de Cristo revelará sobre nosso cristianismo? Mostrar-se-á verdadeiro ou falso?

Que cada um medite seriamente nestas questões com calma, mas já.

VI – O ÓLEO É PESSOAL (Mt 25:8-10).

As virgens néscias tentaram achar uma solução impossível. Queriam parte do óleo das prudentes. Mas estas não lhe deram, pois cada uma deveria ter o seu óleo reserva. Amigos, ninguém pode se arrepender ou crer por nós. Nós devemos nos arrepender, pois o pecado é nosso. Nós devemos crer no Redentor, pois se outros crerem e nós não, eles serão justificado e nós continuaremos condenados. Naquele Dia ou teremos fé e arrependimento em Cristo ou não. Não importa se as pessoas ao nosso lado tiverem fé. A questão é: E nós? Seremos encontrados com fé ou incrédulos?

VII – A PORTA FECHADA (Mt 25:8-12).

Também devemos lembrar que Naquele Dia se formos encontrados incrédulos não adiantará tentar “comprar óleo às pressas”. Não! Será tarde demais! Hoje é o tempo de crer e se arrepender! Hoje é o tempo meu amigo, hoje! Ora, a porta Naquele Dia se fechará e os salvos estarão na Festa do Noivo com grande alegria. Mas os de fora baterão e ouvirão que nunca foram de Cristo. Ele nunca os conheceu.  Oh amigos, que ouçamos a Cristo hoje e vigiemos. Por isso Ele nos diz: “Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora” Mt 25: 13. Você está vigiando?

VIII – CONCLUSÃO:

Somos cristãos genuínos ou não? Se sim, então estamos prudentemente acordados esperando nosso Senhor com as lâmpadas acesas e óleo de reserva. Que o Senhor nos dê sua Graça para que assim seja!

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

*Pregação da noite de domingo, 20 de outubro de 2013, na Congregação Batista Reformada em Belém.


Para os livros do blog clique aqui.

Leitura recomendada:


Um Guia Seguro Para o Ceu - J. Alleine.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)