Recomendações para suportar a crise - Edson Rosendo.

A primeira recomendação que Tiago pronuncia é que eles se regozijassem em meio às provações; e a razão que Tiago mostra para essa controvertida recomendação é que, por trás de tudo aquilo, está a Pessoa de Deus, em usar aquela situação para aperfeiçoar a fé deles, para fazê-los perseverantes, perfeitos, íntegros e em nada deficientes. Tiago procura lhes dizer que, por mais feia que seja a aparência no palco, Deus estava nos bastidores, trabalhando para aperfeiçoá-los naquela situação adversa. E isso não era uma recomendação para que eles cultivassem uma atmosfera de pensamento positivo, não; Antes Tiago procura lhes conscientizar de que a realidade é essa mesmo, que Deus prova os seus filhos, usando diversas circunstâncias, com o objetivo de aperfeiçoá-los, e mais  que Deus não os abandona um instante sequer em momento algum. Essa é a realidade que Tiago lhes ensina e que está em harmonia com todo o ensino sagrado.

Numa segunda recomendação, Tiago lhes diz que, aqueles que não estão sabendo como se conduzir, de um modo cristão, em meio às duras provações, que peçam a Deus sabedoria que Ele lhes daria de uma forma liberal, abundante, e que não lhes passaria em rosto os seus fracassos anteriores, isto é, não lhes improperaria, antes lhes concederia a medida suficiente de sabedoria para que eles passassem pela provação e honrassem o nome de Deus. O ensino de Tiago é que não há, dentro da sabedoria humana, uma solução que ensine o cristão a passar pelas provações de uma forma que honre o nome de Deus. Se o cristão espera encontrar a solução nos meios humanos, então ele irá proceder como qualquer pessoa que não conhece a Deus: com murmúrios, com reclamações, soluções desonestas, como um ímpio, na prática. 

Na terceira recomendação, Tiago lhes adverte que não permitam que a circunstância adversa altere o seu equilíbrio espiritual. Em outras palavras, Tiago, utilizando a questão da dificuldade financeira, lhes abriu os olhos para que eles se colocassem acima da pobreza ou da riqueza, e ficassem alerta para que a dificuldade financeira (ou o excesso de dinheiro) não fosse capaz de afetar a sua conduta cristã. Que os pobres não murmurassem contra Deus, que não usassem meios ilícitos para sair da crise, e que os ricos vencessem a soberba e mantivessem a humildade, porque a riqueza é volátil, pode se evaporar da noite para o dia, e, colocar a confiança nelas, seria comprometer a confiança em Deus. Tiago ensina que o crente pobre deve saber que é digno, pois Deus lhe outorgou, adotando-o como seu filho, e que o crente rico não coloque a sua confiança na riqueza, mas em Deus. 

Na quarta recomendação Tiago ensina àqueles irmãos a fazerem a distinção entre provação e tentação. Tiago lhes diz que Deus prova o crente, mas que Deus jamais tenta ninguém.

Leitura recomendada:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)