Os evangélicos modernos abandonaram a Bíblia Sagrada e foram lançados em trevas - Parte XI - A Divindade de Cristo.

Para ler a parte X clique aqui.

Para ler os estudos já publicados em forma de livro virtual e áudios clique aqui.


Tratemos agora da divindade de Cristo. Este assunto é de fundamental importância para um real conhecimento da identidade de Cristo. Lembremos a primeira parte da citação que fiz de Hodge no tópico anterior: “Os hereges de todas as épocas têm explicado de tal maneira os fatos registrados a respeito de Cristo que têm negado ou a veracidade acerca de sua natureza divina...”. O ataque à divindade de Cristo tem sempre reaparecido ao longo da história. Isso tem levado a uma compreensão errada de sua pessoa. Assim, abordemos este importante tema com todo o cuidado e que Deus nos dirija.

A – Evidências bíblicas da divindade de Cristo.

Cristo é o Criador e Sustentador de todas as coisas (Jo 1:1-14; Cl 1:13-17).

A Bíblia afirma que Deus é o Criador de todas as coisas (Gn 1). O mundo não é fruto do acaso, mas da mente de Deus. Eis algo que só pode ser dito de Deus: Ele é o Criador. Porém a mesma Bíblia afirma que sem o Verbo, que é Cristo, nada teria sido feito. Neste caso Cristo é Deus (Jo 1:1). A Bíblia também afirma que Deus sustenta toda a criação (Sl 104). Todas as criaturas dependem de Deus, devem a Ele sua preservação. Eis outra coisa que apenas de Deus se pode falar: Todos dependem Dele. Todavia o mesmo se diz de Cristo, ou seja, que Nele tudo subsiste. Portanto Cristo é Deus.

Cristo é o Juiz (Jo 5:22,23).

A Bíblia apresenta a Deus como o verdadeiro juiz (Gn 18:25; Sl 50; Tg 4:12). A justiça humana é relativa e inadequada, pois os juízes humanos não têm como conhecer todos os fatos e eles mesmos são pecadores. No entanto Deus é puro e conhece todas as coisas absolutamente. Mas vejam que a mesma Bíblia nos diz que Cristo julgará a todos os homens, e que por isso todos devem honrá-lo como honram o Pai. Assim podemos afirmar que Cristo é Deus.

Cristo é Onisciente, Onipotente e Onipresente (Jo 2:23-25; 3:13; Mc 4:35-41).

Apenas Deus conhece todas as coisas, possui todo o poder, e está em todos os lugares (Sl 139; Gn 18:14). De ninguém se pode dizer o mesmo. Mas sobre Cristo se afirma estas coisas. Diz-se que ele não se iludia com ninguém, pois conhecia a todos. De fato Cristo é onisciente. Diz-se que Ele quando andou no mundo tinha a controle até sobre o mar e o vento. De fato Cristo é Onipotente. Diz-se que Ele enquanto estava na terra também estava no Céu. De fato Cristo é Onipresente. Conclusão: Cristo é Deus!

Cristo é a segunda Pessoa da Eterna Trindade e Nele conhecemos a Deus (Jo 1:1; 14:1-10; Hb 1:1-3).

Ele é a Segunda Pessoa da Trindade e Nele, apenas Nele conhecemos a Deus, pois é a expressão exata do seu Ser. Assim Cristo é Deus.

Creio que estas evidências bíblicas nos são suficientes para provar a divindade de Cristo.  De fato para mim fica claro que os hereges precisam fazer muito contorcionismo para negar esta Verdade clara da Bíblia. Mas isso só mostra o erro deles.  

B – A natureza da Pessoa de Cristo (Jo 1:1-14).

Pelo que já estudamos o que podemos dizer da Pessoa de Nosso Senhor? Trata-se de duas pessoas, uma divina e outra humana? Trata-se de uma pessoa com duas naturezas, divina e humana misturadas? Trata-se de uma pessoa com apenas uma natureza divina ou humana? Não e não, nenhuma destas alternativas são corretas, pois não são bíblicas. Já observamos que o Evangelho de João nos mostra claramente a divindade de Cristo. Assim, esta Pessoa Divina, a segunda Pessoa da Trindade, revestiu-se de humanidade. Não se tornou outra pessoa nem se uniu a uma segunda Pessoa, mas a mesma Pessoa revestiu-se de humanidade. Dessa forma Cristo é o “Filho, Senhor, Unigênito, a ser reconhecido em duas naturezas, inconfundíveis, imutáveis, indivisíveis, inseparáveis, a distinção das naturezas não sendo de forma alguma destruída pela união, mas, ao contrário, sendo preservada a propriedade de cada natureza e coexistindo numa só pessoa e uma só subsistência; não partida nem dividida em duas pessoas, porém um e o mesmo Filho e Unigênito, Deus, O Verbo, o Senhor Jesus Cristo.” (Parte da declaração do Concílio de Calcedônia de 451 d.C extraída de “Grandes Doutrina Bíblicas de Lloyd-Jones”). Assim afirmamos que Cristo é uma Pessoa possuindo duas naturezas, divina e humana, que estão unidas, mas não misturadas. É o Deus-homem.       

C – A importância da divindade de Cristo para a nossa Salvação.

Qual a importância da divindade de Cristo para que sejamos salvos? Quanto a isso posso responder com as seguintes proposições:

Apenas Deus pode nos salvar (Jn 2:9).

Nossa salvação vem do Senhor Deus. Nossa situação de pecado, condenação e morte é tão crítica que Nosso Redentor não podia ser um mero homem. Não há poder humano capaz de vencer e resolver o problema. Apenas Deus, o Todo-Poderoso poderia nos redimir. Assim, o Deus Filho se revestiu de humanidade e veio nos salvar.

Em Cristo Deus está conosco (Mt 1:18; I Tm 2:5).

Nosso Mediador, Aquele que nos reconciliou com Deus, é o próprio Deus Filho. Nele o Deus que estava separado de nós devido ao pecado, se torna o Deus presente, o Deus Conosco.  

O Sacrifício de Cristo, o Filho de Deus, é infinito (Sl 49:7-10; Sl 130:3; II Co 5:18-21).

Um sacrifício meramente humano seria finito e não poderia pagar a culpa infinita dos eleitos de Deus. Por isso apenas o Sacrifício do Filho de Deus, a Segunda Pessoa da Trindade é a solução, pois é um sacrifício infinito.  

Prezado leitor medite nestas verdades. Se for preciso leia novamente o texto deste tópico. Pense em como é tolo tentar se redimir do pecado fora de Cristo. Pense em como seu problema é tão grave que apenas Deus pode lhe salvar. Pense no fato de que nosso poder humano é completamente inadequado para resolver nosso caso diante de Deus, pois o finito não pode resolver um problema infinito como nosso pecado. Pense que só Deus pode lhe salvar e que Ele o faz apenas em Cristo o Deus-homem. Pense que apenas alguém que é Deus poderia lhe redimir, e que este redentor é Cristo. Oh desista de suas forças e creia Nele hoje. Arrependa-se e creia no Filho de Deus!  Que assim seja!

Continua...

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado! 

Adquira nossas obras clicando aqui.

Leitura recomendada para o aprofundamento no assunto:

Grandes Doutrinas Bíblicas 1: Deus o Pai, Deus o Filho


Grandes Doutrinas Bíblicas 1: Deus o Pai, Deus o Filho

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)