A Glória de Cristo* – João 12: 20-36 - Manoel Coelho Jr.





I – INTRODUÇÃO:

Neste texto vemos a questão da manifestação da Glória de Cristo em sua morte. Evidentemente que isto contraria todo o conceito mundano de Glória. Quem ousaria dizer neste mundo materialista que a glória de alguém está em sua morte, e num tipo de morte semelhante a de Cristo? Mas tal compreensão só possuem os homens de fé, pois somente aqueles que creem é que percebem a real proporção das coisas. Apenas estes percebem que a glória de Deus é maior que a glória humana, exatamente por ser de Deus e também porque conduz a Vida Eterna. Já a humana é passageira e leva a morte. O assunto deste trecho está intimamente ligado ao texto anterior. Descobrimos isso quando pensamos que as pessoas esperavam um Reino político que os libertaria de Roma, mas Cristo era o Rei humilde montado em um jumentinho caminhando para Cruz. E quanto a nós, já temos compreendido a glória de Cristo? Nossa vida mostra isso? Afinal o que é glória para nós?

II – A GLÓRIA NA MORTE (Jo 12: 20-24).

Alguns gregos querem ver Jesus.  Provavelmente eram pessoas seguidoras da religião judaica, pois subiram a festa para adorar. Eles primeiro procuram Felipe que o comunica a André, vindo então ambos mencionar o fato a Cristo. A resposta do Senhor é a respeito da glória em sua morte na Cruz. Tal resposta em uma primeira leitura pode parecer desconexa.  Ora, em que a morte de Cristo se relaciona com os gregos? E mais: Como a morte poder ser a glória de Cristo? Para entendermos isso devemos lembrar-nos de alguns fatos já mencionados pelo Evangelista.

Observe:

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.” Jo 1:1-3.

E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai.” Jo 1:14.

João testemunha a respeito dele e exclama: Este é o de quem eu disse: o que vem depois de mim tem, contudo, a primazia, porquanto já existia antes de mim. Porque todos nós temos recebido da sua plenitude e graça sobre graça. Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo. Ninguém jamais viu a Deus; o Deus unigênito, que está no seio do Pai, é quem o revelou.” Jo 1:15-18.

Replicou-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, e isso nos basta. Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido? Quem me vê a mim vê o Pai; como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras.” Jo 14:8-11.

Cristo é o Verbo, é a Palavra. Ele estava com Deus no princípio, nada foi feito sem Ele, Ele é Deus. Conhecemos e vemos a Deus Nele. Ora, esta é a Glória de Cristo. Ele nos trouxe a Revelação do Deus Glorioso. Deus Santo, Justo, misericordioso, gracioso, cheio de amor, que deu seu Filho para salvar suas ovelhas (Jo 10). Deus que concede sua Graça em Cristo (Jo 1:15-18). Esta é a Verdadeira Glória, isto é, a glória de Deus no Evangelho de Cristo. Todavia só vê esta glória aquele que crê. Por isso João nos diz: “O Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que crêem no seu nome;” Jo 1: 10-12.  Assim temos que a fé é uma espécie de “olho espiritual”. Deus tem se revelado em Cristo, mas só veem esta revelação os que creem Nela. Percebe? São estes que veem a Glória estupenda de Deus em Cristo. São estes que compreendem que o que mais vale é esta Glória.

Pois bem, em que a morte de Cristo se relaciona com a Glória de Deus? Ora, é na morte de cristo que se manifesta a Justiça e Graça de Deus. Deus salva o seu povo de forma plenamente justa exatamente no sacrifício de Cristo pelos pecados. Na Cruz está a Santidade de Deus que aborrece o pecado ao ponto de só Cristo poder salvar a humanidade. Também está o amor de Deus. Por isso Cristo disse: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” Jo 3: 16. Aqui está o amor de Deus pelo mundo, isto é, pelos eleitos de todas as partes.

Aliás, isso explica a próxima questão abordada que é: Em que a morte de Cristo se relaciona aos gregos? Resposta: No fato de que Cristo não veio apenas para os Judeus! Louvado seja o Senhor, pois há eleitos de todas as nações. Há gregos! Estes gregos com toda a probabilidade estavam procurando Cristo como o Salvador. Por isso é que Cristo introduz este tema de sua morte. E mais: Isto manifesta a glória de Deus em seu amor pelo mundo, incluindo os gregos. Eis o grande amor de Deus! E tudo estaria resplandecendo na Cruz. Nela Cristo estava dando a sua vida pelos seus eleitos de todas as nações da terra. Ele já havia dito: “Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor.” Jo 10: 16, e João acrescenta sobre as palavras de Caifás : “Ora, ele não disse isto de si mesmo; mas, sendo sumo sacerdote naquele ano, profetizou que Jesus estava para morrer pela nação e não somente pela nação, mas também para reunir em um só corpo os filhos de Deus, que andam dispersos.” Jo 11: 51, 52. Eis a Glória de Deus neste amor. Ao Senhor a glória!

III – VIVENDO NA PERSPECTIVA DA GLÓRIA (Jo 12: 25,26).

Agora Cristo olha para a relação de tudo isso com as pessoas. Ele estava dando sua vida e nisto seria glorificado. Será que os outros entendem isso?  Será que a vida deles é influenciada por está glória verdadeira? Ou será que eles buscam apenas a glória deste mundo?   Notemos que Cristo fala daqueles que o seguem, ou seja, seus discípulos. Estas pessoas são as que caminham em seu princípio de vida que é a obediência ao Pai até a morte. São aqueles que pela fé veem que a Glória de Cristo é infinitamente maior que a glória deste mundo. Eles entendem que seguir a Cristo é ser honrado pelo Pai e alcançar a Vida Eterna, pois Cristo em sua morte os livrou do pecado e da vindoura Ira Divina. Percebem que é absoluta loucura trocar a Glória de Cristo pela insignificante glória mundana que por ser pecaminosa conduz a perda da própria Vida. Por isso eles estão dispostos até a morrer por Cristo. Eles acharam tesouro infinitamente maior. Deles pode ser dito o que o escritor de Hebreus afirmou de seus leitores: “Lembrai-vos, porém, dos dias anteriores, em que, depois de iluminados, sustentastes grande luta e sofrimentos; ora expostos como em espetáculo, tanto de opróbrio quanto de tribulações, ora tornando-vos co-participantes com aqueles que desse modo foram tratados. Porque não somente vos compadecestes dos encarcerados, como também aceitastes com alegria o espólio dos vossos bens, tendo ciência de possuirdes vós mesmos patrimônio superior e durável.” Hb 10:32-34.

Caros leitores, existe na verdade apenas estes dois tipos de vida:

1 – Vida dos Incrédulos:

Eles amam a vida e glórias do presente mundo e não a Vida Eterna e a Glória de Deus. É assim porque a incredulidade os impedem de perceberem o real valos das coisas. A Vida Eterna que Cristo dá aos crentes implica em uma União Eterna com o Pai, o que constitui o verdadeiro sentido da existência e que por ser eterno jamais passará. Mas eles trocam esta Vida Eterna por dinheiro, prazeres, fama, poder, enfim, pelas glórias deste mundo. Porém quando morrem tudo isso se acaba imediatamente, e como não estão em comunhão com Deus em Cristo logo experimentam os horrores do inferno, da Justa Ira de Deus. Que loucura!

2 – A Vida dos Crentes: Estes veem as coisas de fato como são. Eles sabem que Cristo é o Verbo e que em sua morte há reconciliação com o Pai. Eles veem que esta é a Verdadeira Glória. Assim deixam toda a glória mundana e seguem a Cristo. Eles têm a Vida Eterna e isso não lhes será jamais tirado.

Qual destas vidas é a sua meu leitor?

IV – ANGÚSTIA E GLÓRIA (Jo 12:27-28).

O caminho para a glória é um caminho de angústia, pois se antevê o sofrimento. Cristo experimento este fato e até orou pedindo que não passasse por tal situação, que não bebesse tal cálice (Mc 14:36). Mas também pediu a glória de Deus e se colocou completamente ao dispor de sua Vontade dizendo: “Pai, glorifica o teu nome” (Jo 12: 28), “não seja o que eu quero, e sim o que tu queres” (Mc 14:36). Então recebeu esta resposta do Pai: “Eu já o glorifiquei e ainda o glorificarei” (Jo 12:28). Isso significa que a Glória de Deus já se manifestara em Cristo especialmente em seu ministério público quando pregava e operava sinais extraordinários como a Ressurreição de Lázaro. Mas ainda se manifestaria na Cruz. É na vida de Nosso Senhor que vemos a Glória de Deus. Olhemos para Cristo e creiamos Nele. Sigamos também seu exemplo não desistindo ante a angústia da presente vida.

V – GLÓRIA, SALVAÇÃO E JUÍZO (Jo 12: 28-33).

Cristo fala que a Voz viera por causa do povo. Isso deve se relacionar ao que nos mostra os versos em seguida que lembram que a morte de Cristo iria causar uma divisão. Para o mundo e seu príncipe, o diabo, seria o Juízo. Lembra de Gn 3:15 quando nos diz: “Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”?  A Cruz é o pisar na cabeça da serpente. É sua derrota. O mundo experimenta o juízo porque é formado por aqueles que se voltam contra Cristo como o faz o seu príncipe. O Senhor disse: “Qual a razão por que não compreendeis a minha linguagem? É porque sois incapazes de ouvir a minha palavra. Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas, porque eu digo a verdade, não me credes.” Jo 8:43-45.

Por outro lado o Senhor diz: “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim mesmo. Isto dizia, significando de que gênero de morte estava para morrer.” Jo 32: 33. Aqui o Senhor fala dos eleitos, fala dos crentes. Estes creriam em Cristo como aquele que na Cruz morreu para redimi-los. Portanto, uns rejeitarão esta glória da Cruz por incredulidade preferindo a glória mundana, tendo consequentemente como herança o Juízo, e outros, os eleitos, abraçarão a Glória da Cruz pela fé tendo então a Salvação. Qual o seu caso?

VI – LUZ, FÉ, E GLÓRIA (Jo 12: 34 -36).

Infelizmente aquelas pessoas se mostraram incrédulas. Quando Cristo falou de sua morte elas rejeitaram seu ensino. Elas até alegaram o ensinamento do Antigo Testamento lembrando que Cristo permaneceria. De fato há textos que mostram que o Reinado de Cristo permanece (F. F. Bruce lembra de Is 9:7; Ez 37:35; Sl 72:12). No entanto este permanecer não pode ser compreendido pelos materialistas incrédulos com era o caso daqueles ouvintes. Eles só viam um Rei Político. Para eles a morte era o fim. Mas era na morrer que Cristo salvaria seu Povo tornando-se o Rei Deles para sempre. Por isso ele dissera um pouco antes: “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morrer, produz muito fruto.” Jo 12:24. Assim, Cristo os chama aproveitarem a Luz que tinham. Eles estavam recebendo a Luz, pelo próprio Cristo que lhes dava o verdadeiro sentido do Antigo Testamento, sendo ele mesmo o Verbo de Deus, a Luz do mundo (Jo 8:12). Mas como eles aproveitariam esta lua? Resposta: Crendo na Luz. Eles então se tornariam filhos da Luz. Ora, quem não crê está em trevas e consequentemente não sabe para onde vai, ou seja, está perdido. Tal pessoa não tem discernimento da realidade. Em outras palavras, ela não sabe onde está a verdadeira glória. Ela interpreta a própria Bíblia de maneira equivocada, tendo os olhos dominados pela falsa glória materialista e passageira deste mundo pecaminoso. Mas o que crê discerne todas as coisas com verdade e prudência, vendo Cristo como seu maior tesouro. Este sabe para onde está indo. Ele está indo em direção a Vida Eterna, pois: “Quem ama a sua vida perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo preservá-la-á para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me, e, onde eu estou, ali estará também o meu servo. E, se alguém me servir, o Pai o honrará.” Jo 12:25,26. Que este seja o caso de cada leitor! Infelizmente para aquelas pessoas Cristo se retirou. Chega uma hora em que a Luz vai embora e para aqueles que dela não tiraram proveito apenas restará profundas trevas. Que este não seja o seu caso. Oh, creia na Luz! Creia em Cristo!

VII – CONCLUSÃO:


A Glória real é a de Cristo manifesta na Cruz. Mas só os que creem percebem isto. Estes enxergam o real valor das coisas vendo que a glória mundana é nada, mas Cristo é tudo, pois é o Verbo que nos revela Deus. Que nós sejamos assim. Amém! 


Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

*Pregação da noite de domingo, 17 de agosto de 2014, na Congregação Batista Reformada em Belém.

Para os livros do blog clique aqui.

Leitura recomendada:

Necessário Vos é Nascer De Novo* - Thomas Boston.


Conheça e inscreva-se nas páginas do blog no Youtube e Facebook :

 Create your own banner at mybannermaker.com!

Create your own banner at mybannermaker.com!

Acesse também:

Create your own banner at mybannermaker.com!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)