Em Cristo, as sombras tornam-se realidades - Fabiano Rocha*.

Cristo é o cumprimento de todos os tipos do Velho Testamento. Tudo aquilo que era sombra da perfeita realidade se cumpre nele. Como a revelação de Deus é progressiva, a realidade dos bens futuros estava também progressivamente revelada por Deus. O Senhor Jesus era revelado através de tipos e sacrifícios. Mas isso era apenas uma realidade pálida da vida da nova aliança. A plenitude do Espírito Santo e a dimensão do culto espiritual estavam sendo gradualmente mostrados. As questões que envolviam o culto do Velho Testamento, carregados de formalidades, sacrifícios específicos, arquitetura dividida entre o lugar santo e o santos dos santos, a arca que representava a presença de Deus entre o povo, o maná que caiu do céu, bem como as exigências da lei, as implicações do quarto mandamento e os ofícios da monarquia judaica, tudo isso eram como setas que apontavam para Cristo. Eram sombras de uma realidade perfeita que ainda viria.


Isso é tão real que Cristo tornou-se a porta de entrada para uma correta interpretação da Antiga Aliança. Jesus deixa isso claro quando, em direção a Emaús, se coloca entre os discípulos e expõe tudo o que acerca dele estava escrito no Velho Testamento: na lei, nos salmos e nos profetas. Cristo fez uma perfeita exegese dos textos bíblicos, mostrando suas aplicações nele. O evangelho de Lucas narra que Cristo, estando na sinagoga, levantou-se para ler e deram a ele o livro do profeta Isaías. Ele leu Is 61:1-2 e concluiu dizendo que nele se cumpria toda a Escritura que o povo acabara de ouvir. Isso não quer dizer que as ordenanças da antiga aliança não tinham valor. Tudo o que Deus prescreveu e ordenou a Israel, o fez como sendo parte de sua revelação, portanto tinha sua importância, mas não representava a totalidade da revelação, apenas parte. Eram verdades que apontavam para o Senhor Jesus Cristo. Todas elas tiveram seu valor e funções para a época e contexto adequado. Porém, vindo a plenitude da luz, se alguém ficar preso às sombras torna-se é um verdadeiro contrassenso.

Em cristo tudo foi plenamente cumprido e realizado. Já não restam mais sacrifícios a serem feitos. Ele é a soma total de todas as bênçãos espirituais prometidas. Jamais outro pode ou poderá assumir seu lugar. A satisfação prestada à justiça de Deus é providenciada no seu sacrifício. O culto agora não é mais num lugar especifico, mas em espírito e em verdade. A adoração a Deus não está circunscrita a uma localidade, através de uma tribo, de homens específicos ou cerimônias. Agora sua morte foi nossa morte, da mesma forma sua vida é a nossa vida. E tendo vida juntamente com Cristo , temos total condição de adorar a Deus de forma espiritual e verdadeira. Nós devemos nos apresentar diante de Deus como o sacrifício vivo, santo e agradável, sendo esse o nosso culto racional (Rm12:1). Cristo é o inicio, o meio e o fim da revelação. Aquilo que era apenas sombra, nele tornou-se realidade plena.


*Pastor da Primeira Igreja Batista Reformada em Taguatinga. 

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!



Leitura recomendada para o aprofundamento no assunto:


Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção


Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)