Amor e humildade contrapondo o egoísmo e a soberba (Texto, áudio e vídeo)* - João 13: 1-20 - Manoel Coelho Jr.



Baixe o mp3 clicando aqui.

I – INTRODUÇÃO:

Este é um trecho cheio de contrastes. Aqui se inicia o ministério mais particular de Nosso Senhor. Nele Cristo cuidará dos seus amados, o seus mais achegados. O texto inicia com estas belas palavras: “Ora, antes da Festa da Páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim”. São as últimas horas de Cristo e tudo o que faz é em prol dos seus amados. O ministério público encerara de forma triste para os ouvintes, pois estes em geral não creram (Jo 12:37-40). Mas há os do Senhor e estes são amados por Ele. Assim temos neste texto o início destes atos de amor que vão culminar na própria Cruz, quando morrerá em lugar deles. Mas aqui o contraste principal está no fato de que há também obra do diabo em Judas. Judas não ama, mas trai. Não dá a vida, mas a mata. Não faz nada pelos outros, mas os usa em “benefício” próprio. O contraste nos leva a pensarmos em cada leitor. Em que lado você está? Do de Cristo ou de Judas?

II – CRISTO E JUDAS (Jo 13:1-5).

Cristo ama e sabe que se aproxima a sua hora de morrer pelos seus amados. Dessa forma tudo o que faz é movido por este amor, tendo em vista a sua obra sacrificial na Cruz. Mas neste trecho o ato destacado é o de lavar os pés dos discípulos. Ele queria ensinar-lhes sobre o seu propósito de servi-los, e os chamar para seguirem seu exemplo. Mas em Judas vemos outra motivação e ação tão opostas que chega a ser assustador o contraste. Em Cristo vemos amor e serviço sacrificial. Em Judas vemos egoísmo e traição. Em Cristo vemos a obra do Pai em prol dos amados. Dai se dizer: “sabendo este que o Pai tudo confiara às suas mãos, e que ele viera de Deus, e voltava para Deus”. Mas em Judas vemos a obra do diabo. Por isso se diz dele: “tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que traísse a Jesus”.

Na verdade nenhum ser humano está fora destes padrões, isto é, ou se está sendo objeto a obra graciosa e amorosa de Deus, ou se está sendo manipulado pelo diabo. Lembremos que a obra do maligno é correspondente ao coração não regenerado. Por isso o Senhor chegou a dizer para os seus ouvintes incrédulos: “Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” Jo 8: 44. O diabo encontra campo aberto no coração de homens ímpios como Judas. Ele já era avarento em seu coração e por isso foi dominado pela tentação do maligno. Judas também amava a mentira, o engano. Por isso se deixou levar pela sedução da serpente como Eva no Éden. A mentira neste caso foi que ele poderia lucrar com a traição. Mas Judas um dia se encontrou com a realidade e teve morte terrível.

Já a obra do Pai acontece no coração dos regenerados. Estes são as ovelhas que ouvem a voz do Bom Pastor, Cristo Jesus (Jo 10:3). Há no coração deles uma correspondência com a Palavra de Cristo. Eles possuem um princípio santo de vida no íntimo, que os leva a amar os mandamentos e desejar a Verdade, seguindo-a quando a encontram. Estes não se decepcionam, pois encontraram a realidade espiritual.

Amado leitor, tome estes dois padrões bíblicos e em oração e investigue a si mesmo à luz deles. Seja muito imparcial. O que há em seu coração? Você ama o pecado ou a santidade? Você ama a Verdade ou a mentira? Você está recebendo o amor de Cristo e sendo guiado por Ele ou é o diabo que o conduz por sua sedução? Você vive na Verdade ou na mentira? Para onde você está indo? Para onde seus caminhos o estão levando? Qual será o seu final? Você segue o padrão dos amados por Cristo ou o de Judas, o seduzido e enganado por satanás? Investigue-se atentamente.

III – O SERVO HUMILDE (Jo 13: 3-11).

Para entendermos esta passagem devemos olhar dois outros textos dos evangelhos que nos ajudam a entender o contexto e o que acontecia na mente dos discípulos. Leiamos:

Então, se aproximaram dele Tiago e João, filhos de Zebedeu, dizendo-lhe: Mestre, queremos que nos concedas o que te vamos pedir. E ele lhes perguntou: Que quereis que vos faça? Responderam-lhe: Permite-nos que, na tua glória, nos assentemos um à tua direita e o outro à tua esquerda. Mas Jesus lhes disse: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu bebo ou receber o batismo com que eu sou batizado? Disseram-lhe: Podemos. Tornou-lhes Jesus: Bebereis o cálice que eu bebo e recebereis o batismo com que eu sou batizado; quanto, porém, ao assentar-se à minha direita ou à minha esquerda, não me compete concedê-lo; porque é para aqueles a quem está preparado. Ouvindo isto, indignaram-se os dez contra Tiago e João. Mas Jesus, chamando-os para junto de si, disse-lhes: Sabeis que os que são considerados governadores dos povos têm-nos sob seu domínio, e sobre eles os seus maiorais exercem autoridade. Mas entre vós não é assim; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será servo de todos. Pois o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.” Mc 10: 35-45.

Entre os discípulos aqui e ali havia a manifestação da soberba pecaminosa que quer levar os homens a sobrepujar e dominar os demais. Mas Cristo mostra que o princípio em seu Reino é diferente. O maior é o que humildemente serve. Cristo se apresenta como exemplo deste princípio, visto que veio morrer pelos seus. Mas leiamos o outro texto.

Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós. Todavia, a mão do traidor está comigo à mesa. Porque o Filho do Homem, na verdade, vai segundo o que está determinado, mas ai daquele por intermédio de quem ele está sendo traído! Então, começaram a indagar entre si quem seria, dentre eles, o que estava para fazer isto. Suscitaram também entre si uma discussão sobre qual deles parecia ser o maior. Mas Jesus lhes disse: Os reis dos povos dominam sobre eles, e os que exercem autoridade são chamados benfeitores. Mas vós não sois assim; pelo contrário, o maior entre vós seja como o menor; e aquele que dirige seja como o que serve. Pois qual é maior: quem está à mesa ou quem serve? Porventura, não é quem está à mesa? Pois, no meio de vós, eu sou como quem serve.” Lc 22:20-27.  

A mesma discussão volta, e, que coisa impressionante, durante o estabelecimento da Ceia do Senhor. Isso nos ajuda a entender o motivo de Cristo ter lavado os pés dos discípulos, o que ocorreu na mesma ocasião. Ele queria demostrar na prática o princípio de serviço humilde em seu Reino. E em tudo isso Ele amou-os até o fim, ou em absoluto. Seu amor o movia a quebrar a soberba dos discípulos e mostrar-lhes, em seu exemplo, que somos chamados ao serviço humilde. Ora, o que há no mundo? Resposta: “a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida” I Jo 2: 16. No mundo há soberba que quer se impor aos outros e manipulá-los para fins egoístas. Mas no Reino de Cristo há humildade que se dispõe a servir aos outros. Percebe a grande diferença?

Daí que Cristo assume uma posição de servo e passa a lavar os pés dos discípulos, coisa que nenhum deles foi capaz de fazer. Mas como a poderiam, se estavam discutindo sobre qual era o maior? Mas o constrangimento era muito grande até que Pedro, o mais falante, o manifestou. Disse ele: “Senhor, tu me lavas os pés a mim?”. Cristo respondeu: “O que eu faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois”. E esse “depois” deveria se referir a depois de sua morte e ressurreição, pois só então compreenderiam as implicações daquele ato que já apontava para a Cruz, como o veremos a seguir. Mas Pedro não se confirmou. Disse em seguida: “Nunca me lavarás os pés.”. Neste caso o Senhor respondeu: “Se eu não te lavar, não tens parte comigo”. Aqui ficou evidente que aquele ato de lavar os pés simbolizava a verdadeira purificação, que é a espiritual, e que aconteceria na Cruz, quando Nosso Senhor morreria em lugar dos seus amados para limpá-los dos pecados. O Senhor já dissera que “o próprio Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos.” Mc 10: 45. Por isso Cristo falou que se não lavasse os pés de Pedro isso implicaria numa negação do discípulo de seu serviço maior, que era sua morte sacrificial por ele. Mas Pedro não entendeu e disse: “Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça.”. Pedro não compreendera a simbologia implicando que a importância estava no ato físico. Mas Cristo o corrige afirmando: “Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos”. Cristo retomou a simbologia, e aqui deve-se entender que limpos são os justificados em seu sangue. Neste caso a pessoa já se banhou precisando apenas lavar os pés quando chega da rua, ou seja, precisa apenas ser perdoada ao pecar, pois “se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.” I Jo 1: 9. Mas lembremos que Cristo também disse: “Ora, vós estais limpos, mas não todos.”. Evidentemente Ele se referia a Judas, “pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos”. Judas não era de Cristo. Judas não estava perdoado. Judas era do maligno e se entregava a sujeira espiritual. Judas estava impuro diante de Deus. Que terrível! O fato é que cada pessoa que lê estas linhas ou está como Pedro ou como Judas.

IV – O SERVIÇO HUMILDE CONTRASTADO COM ARROGÂNCIA TRAIDORA (Jo 13: 12-18).

Daí o Senhor passa para a lição. Em resumo Ele mostra que se é o Senhor deles e assim agiu, então que sigam seu exemplo de serviço humilde. O nosso exemplo é Cristo, e em especial em sua morte sacrificial. Ele veio servir e dar a vida pelos seus. Ele foi até as últimas consequências neste serviço. Ele os amou (Jo 13: 1), e por isso os serviu dando sua própria vida na Cruz. Agora Ele diz  a cada discípulo: “eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também”. Em outras palavras: “Vão e sigam o meu exemplo. Sirvam aos seus irmãos. Sirvam, sirvam, sirvam! Sirvam de forma humilde. Estejam dispostos a fazer os serviços mais desprezíveis por eles. Estejam dispostos a lavar os seus pés sujos. Amem-nos, e neste amor sejam levados a humildade do serviço sacrificial por eles”. Este, meus amados leitores, é o princípio do Reino de Cristo. E Cristo acrescenta : “Ora, se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes.”. Louvado seja o Senhor!

Mas o contrário de tudo isso está em Judas. Cristo diz: “Não falo a respeito de todos vós, pois eu conheço aqueles que escolhi; é, antes, para que se cumpra a Escritura: Aquele que come do meu pão levantou contra mim seu calcanhar.”. Judas é o exemplo da soberba e egoísmo dos ímpios. É um exemplo medonho daqueles que se voltam contra o próprio Deus encarnado desejando sua morte.  Exemplo daqueles que se voltam contra alguém que os tratou como um dos seus amigos. Daqueles que apunhalam pelas costas quem acabou de lhes ajudar, quem acabou de lhes dar o pão. Estes são os egoístas presunçosos que não amam ao próximo, mas apenas os usam para o proveito próprio. São aqueles que nunca servem a ninguém, mas muito ao contrário, se servem deles e depois os traem.

Façamos então a comparação mostrando o estrondoso contraste:

1 – No Reino de Cristo há amor a Cristo e aos irmãos, e consequentemente o serviço humilde motivado por tal amor. Eis que esta é a vida de cada servo de Cristo, ainda que haja imperfeições.

2 – No reino das trevas há ódio a Deus, e consequentemente egoísmo e soberba, que os leva a servirem-se dos próximos para benefício próprio, traindo-os em seguida. Esta é a vida de cada homem e mulher não regenerados, ainda que não cheguem a um grau extremo como o de Judas. Mas em todos há isso de alguma forma.

Que meus leitores analisem suas vidas: O que prevalece em seu ser?  Há amor a Cristo e admiração por sua obra na Cruz, ou desagrado por seus ensinos e exemplo de serviço humilde? Há amor aos irmãos ou indiferença quanto a eles? Há serviço aos irmãos, ou o servir-se dos irmãos para fins egoístas? Há disposição para serviços mais humilhantes, como lavar os pés, ou entende-se que isso é baixo demais para ser executado por pessoas tão elevadas como nós? Enfim, somos de Cristo ou somos de Judas?

V – A SEGURANÇA DOS ENVIADOS (Jo 13: 19, 20).

A Palavra de Cristo é digna de total crédito, pois Ele é o EU SOU. Ele sabia tudo sobre Judas. Não foi pego de surpresa. Ele mostra assim que tem a autoridade de Deus. Daí que os seus enviados vão ao mundo como aqueles que possuem a Palavra do próprio Deus, sendo que se forem ouvidos será Cristo o recebido, e Aquele que o enviou, ou seja, o Pai. Eis a confiança e certeza dos discípulos de Cristo. Eis que Judas não participou dela, assim como cada ímpio também não participa. A estes resta apenas o Juízo, pois desprezaram o próprio Deus em sua Palavra em Cristo. Mas os crentes receberam a Verdade, e agora são enviados com a autoridade do próprio Deus em sua Palavra que anunciam. Duas situações completamente opostas. Em qual deles você está?

VI – CONCLUSÃO:

Cristo ama aos seus absolutamente. Por isso os serve e os chama ao serviço. Judas não ama a Cristo, e a ninguém serve, mas trai. Em qual destes casos nos encaixamos?

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado.

*Pregação da noite de domingo, dia 07 de setembro de 2014, na Congregação Batista Reformada em Belém.


Leitura recomendada:




















Conheça e inscreva-se nas páginas do blog no Youtube e Facebook :

 Create your own banner at mybannermaker.com!

Create your own banner at mybannermaker.com!


Create your own banner at mybannermaker.com!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)