Justificação, a maneira como somos declarados justo diante de Deus - Fabiano Rocha*.

A justificação é o ato de Deus mediante o qual ele declara justos os homens culpados, gratuitamente por sua graça e mediante a fé em Cristo Jesus. Isso é feito não com base em méritos humanos ou pelas obras da lei. Mas unicamente tendo como base a justiça perfeita de Cristo. Essa é uma das verdades centrais do evangelho, é o ponto central do plano redentor de Deus. Este é o modo como Deus demonstrou sua justiça e vindicou o seu caráter. Entender corretamente a justificação é fundamental e crucial na vida cristã. Paulo, quando apresenta a perfeição da plano redentor de Deus e a maneira como Deus a aplica a vida do seu povo, dentre as partes desse processo está a maneira como o Senhor nos declara justos a vista dele (Rm 8:30 ). Estar nessa posição legal perante Deus é o mesmo que dizer que não temos mais dívidas a pagar. O saldo negativo da nossa conta com Deus passou a ser positivo. Sejam dívidas do passado, do presente ou do futuro, não resta nenhum saldo negativo a ser pago e nem um aspecto a ser reparado. Não estamos nem mesmo sujeitos a nenhuma condenação. A Escritura afirma essa grande verdade : “Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica.”

Deus é o próprio autor desse ato de pura graça e não os homens. Se Aquele que tem todas as prerrogativas e autoridade para julgar e condenar os homens quis justificá-los, quem então irá condená-los? Ninguém. Isso porque, em Cristo, Deus é justo e justificador daqueles que têm fé em Jesus. Em seu Filho bendito, a justiça divina é satisfeita. O Verbo que se fez carne e cumpriu todas as exigências legais. O próprio Cristo, sendo consciente da sua representação vicária diz a João Batista, na ocasião do batismo: “ Convém cumprir toda a justiça”. Jesus não veio rasgar a lei ou anulá-la, mas veio cumprir no lugar de pecadores. Como Ele diz aos discípulos: “eu não vim fazer a minha própria vontade, mas vontade daquele que me enviou”. Todos os aspectos da lei de Deus foram cumpridos pelo mediador perfeito. Não passou um jota ou til. A lei foi satisfeita tanto positiva quanto negativamente. Por essa razão, Deus justifica os pecadores sem passar por cima do seu próprio caráter, sem anular sua própria vontade moral antes ela fora totalmente cumprida e somos justificados tendo em nossas contas, depositada a justiça de Cristo. Temos imputada em nossa vidas sua obediência ativa e passiva. “Já não resta nenhuma condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus”, afirma a Escritura.

Logo, o que se pode concluir de forma clara pela verdade da justificação somente pela fé em Cristo é que não há nenhum mérito humano, nenhuma jactância por parte dos homens, isso porque o meio pelo qual nos apropriamos da justiça de Cristo é a fé, ou seja, uma confiança plena em Deus. Um descansar total nos méritos de Cristo. Toda a arrogância humana é silenciada, toda boca fechada e toda soberba é anulada. Não há nada no homem que o faça merecer a salvação, nem mesmo há mérito na forma como confiamos em Deus, porque a fé que os eleitos têm é dom de Deus e todos os méritos são de Cristo. A fé verdadeira nos leva a Jesus, que é o único que tem justiça. O único que satisfez a justiça perfeita de Deus.

*Pastor da Primeira Igreja Batista Reformada em Taguatinga.

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

Leitura recomendada:

Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção


Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)