Exposição do Evangelho de João: O pecado revelado!

Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água para que eu não mais tenha sede, nem precise vir aqui buscá-la. Disse-lhe Jesus: Vai, chama teu marido e vem cá; ao que lhe respondeu a mulher: Não tenho marido. Replicou-lhe Jesus: Bem disseste, não tenho marido; porque cinco maridos já tiveste, e esse que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade. Senhor, disse-lhe a mulher, vejo que tu és profeta. (Jo 4:15-19)


I – INTRODUÇÃO:

A coisa mais enganosa do mundo é o pecado. Faz parte da natureza do pecado esconder-se, camuflar-se, ficar encoberto. Isto o torna ainda mais perigoso, pois imaginem um animal venenoso escondido em uma roupa. Neste caso seria ainda mais perigoso. Não é verdade? Assim acontece com o pecado. Ele é o maior mal que existe, e se torna ainda mais maléfico por sempre estar a esconder-se. Para este mal só existe uma solução: A luz de Cristo. Neste texto temos Cristo tratando com o pecado de uma mulher, e não deixando ele ficar escondido. Leiamos este estudo orando para que Ele faça o mesmo conosco, pois o nosso coração é enganoso. Mas o Senhor que conhece todas as coisas, revela a nossa real situação (Jr 17:9,10)! Que o faça conosco!

II – A INCOMPREENSÃO NATURAL (Jo 4:15):

Após ouvir as palavras de Cristo a respeito da água viva, sendo que com isso ele ilustrava sua obra em dar vida espiritual, ou seja, o seu Espírito aos homens, a mulher samaritana não o compreende e pensa que Ele lhe falava de água física. Ela bem que gostaria de matar a sua sede para sempre, e de não mais precisar fazer aquela viagem para buscar água. Mas como sabemos, o Senhor não falava de água física, mas de água espiritual. É interessante lembramos que Nicodemos cometeu o mesmo engano entendendo que Cristo lhe falava de um novo nascimento físico, enquanto que o Senhor lhe falava de um nascimento espiritual.

O fato é que o pecado obscurece nosso entendimento para as coisas de Deus. Devido ao pecado em nosso coração temos dificuldade de compreender a Revelação de Deus. Assim fora com os falsos crentes de Jo 2:23-25, com Nicodemos, com a mulher samaritana, com os próprios discípulos de Cristo (Mt 16:21-23), e com os homens de Rm 1, que não aceitaram a revelação natural. A luz de Deus é clara mas o pecado obscurece os homens. Na verdade como temos visto, eles fogem da luz.

Diante destas coisas devemos nos precaver contra nosso próprio coração pecaminoso, e clamar que o Senhor em sua graça vença nossa incompreensão natural. Tome cuidado com seu coração e se exponha a Palavra de Cristo.

III – A NECESSÁRIA REVELAÇÃO DO MAL (Jo 4:16-18):

Diante da incompreensão da mulher o Senhor direciona a conversa para outra situação. Parece até que Cristo muda de assunto, pois agora pergunta sobre o marido da mulher. Mas na verdade o Senhor continua tratando da necessidade espiritual da mulher, visto que agora ele se volta a um aspecto desta necessidade: o pecado na sua vida matrimonial. Aquela mulher tinha uma vida passada de pecado, tendo se casado cinco vezes, e prosseguia vivendo em pecado, pois agora vivia com um homem sem ser casada.

Assim temos questão do divórcio, que podem ter ocorrido pelo marido ter visto nela algo indecente (Dt 24:1), e o fato de ela viver com um homem sem ser casada. É possível também que alguns destes maridos tenham morrido. Temos aqui um exemplo de uma vida destruída pelo pecado.

Quanto a viver com um homem sem ser formalmente casada, cito as palavras da Teologia Sistemática de Franklin Ferreira e Alan Myatt nas página 411. O texto vinha falando que a união entre o casal não pode ser casual, mas precisa ser feita com “um contrato legal diante da autoridade civil”. Adiante é dito que isso é uma forma de proteção. Assim “ esse é o motivo pelo qual o ultrajado ‘pedaço de papel’, a certidão de casamento, é necessário para que a união seja válida. A união civil protege o direito de ambas as partes e demonstra para todos que homem e mulher tratam seriamente o compromisso que estão fazendo. Recusar-se a fazer um pacto legalmente obrigatório é apenas sinal de que não há definitivamente nenhum compromisso real”. É evidente que neste texto bíblico, objeto de nosso estudo, o Senhor Jesus mostra a pecaminosidade da mulher ao viver em uma situação irregular como esta, ou seja , em não ser realmente casada com o homem que vivia.

Quanto ao divórcio devemos dizer que o Senhor o odeia (Ml 2:15,16). Ora o Senhor não ordenou o divorcio, nem criou a bigamia, poligamia, casamentos múltiplos, ou qualquer outra coisa semelhante. Quando fez o homem, Deus deu a ele uma mulher, e não duas (Gn 2:18-25). O pecado da bigamia começou com um homem perverso descendente de Caim, que foi Lameque (Gn 4:17-24).

A luz disto tudo vemos que Cristo expõem a situação pecaminosa daquela mulher. Ela é um exemplo do que o pecado pode fazer. Sua vida matrimonial estava contrária a Deus, e assim destroçada. Apliquemos estas coisas ao nosso tempo:

O pecado é desorganizador. Isto vemos na vida matrimonial destruída daquela mulher. Tudo o que vemos hoje na sociedade brasileira e mundial é conseqüência do pecado dos homens e mulheres. Podemos falar de muitas coisas, mas seguindo o texto lembremos da desintegração das famílias. O que é uma família saudável? Respondemos: É uma família segundo os padrões de Deus nas Escrituras Sagradas! Ora, as famílias não podem ser saudáveis onde o divórcio é incentivado, ou visto como uma única solução para as dificuldades de relacionamento do casal. Enquanto isso a Bíblia mostra que o Senhor dá graça ao seu povo para viver a vida, incluindo o casamento. Em seu poder conseguimos perdoar e manter o casamento. Da mesma forma não há saúde no lar onde impera outras distorções do projeto de Deus para a família, como, por exemplo, viver com alguém sem ser casado, trocar de esposa ou esposo como trocar de uma roupa, sexo fora do casamento, uniões homossexuais, e outras coisas do tipo! Mas os homens se acham mais sábios que Deus e procuram todas estas coisas, até regulamentando-as. Qual o resultado? Resposta: A destruição da família! É assim meu prezado leitor. Que ninguém se iluda.

Mas prosseguindo no texto bíblico devemos ainda observar que devido a sua situação vergonhosa a mulher responde a pergunta de Cristo a respeito de seu marido de maneira bem curta: “não tenho marido!”, ela diz. Na verdade ficou constrangida em responder. Assim dá uma resposta, que apesar de não ser falsa, não permite a apresentação completa de sua vida passada e atual. De fato ela se esquiva da pergunta, quer se livrar daquele assunto. Isto é bem comum na vida de todo o pecador. O pecado gosta do escuro, do engano, da mentira. Ele é mentira! O pecado se evade. Em conseqüência o pecado não suporta a luz, a verdade dos fatos. Enfim o pecado é uma fuga da realidade! Todo o pecador esta fugindo de sua realidade. Assim, todo o pecador esta fugindo de Deus que é a Verdade! Todo o pecador esta fugindo da Palavra de Deus que o desmascara.

Mas devemos agradecer ao Senhor que em sua bondade nos desmascara. Isso ele fez com esta mulher. Você percebe? Ele expõem seu pecado. Ele a chama a considerar sua realidade de pecado. O fato é que quando alguém chega a ser salvo é porque necessariamente foi convencido de seu pecado, pois, enquanto não reconhecer sua real situação não poderá buscar o remédio em Cristo, o Salvador.

Amigo leitor, não fuja da Palavra de Deus mas se exponha a ela, por mais que isso doa. Não esconda seu pecado mas confesse diante de Deus. Não se pode ser livre do pecado escondendo-o, mas sim reconhecendo-o e confessando-o. O Salmista nos diz:

Bem-aventurado aquele cuja iniqüidade é perdoada, cujo pecado é coberto. Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniqüidade e em cujo espírito não há dolo. Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos pelos meus constantes gemidos todo o dia. Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado e a minha iniqüidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniqüidade do meu pecado.” (Sl 32: 1-5).

A mulher samaritana tentou se esquivar, mas Cristo insistiu e mostrou o seu real problema. Era um problema espiritual: o pecado. Mas Cristo é a solução para o pecado, Ele é o que dá a água viva (Jo 4:10). Parece que a mulher começou a entender quem era Jesus. Ela disse: “Vejo que tu és profeta” (Jo 4:19). Ela percebeu o poder sobrenatural de Cristo ao revelar sua situação de pecado que tanto procurava esconder.

Meu amigo eu preciso lhe falar claramente sobre o seu pecado. Devo falar destas coisas que o mundo diz “tanto faz”, coisas como: o divórcio, relações sem compromisso, sexo fora do casamento, homossexualidade; e chamá-las pelo o que as Bíblia chama: Pecado! Mas devo também apontar-lhe Cristo, o Salvador, e dizer-lhe: arrependa-se do seu pecado, deixe o seu pecado, e confie em Cristo como Único Salvador. Nele esta o perdão e a vida nova. Ele, é só Ele tem água viva para lhe dar! Hoje venha a Cristo arrependido e com fé!

III – CONCLUSÃO:

O pecado é enganoso, mas Cristo é a Verdade. O que fazer diante do fato? Clamar pela graça de Cristo e nos expor a sua Palavra nas Escrituras, mesmo que isso doa! Que corramos das mentiras do pecado e nos apeguemos a Verdade de Nosso Senhor. Que assim seja!
Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, e o conteúdo não seja modificado!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Exposição de Gênesis 11: O projeto fracassado e o projeto vitorioso!