Os males produzidos pelo Tradicionalismo e os Benefícios da Bíblia ao julgar as tradições religiosas (Áudios, vídeos e texto)* - Manoel Coelho Jr.

Para os estudos anteriores clique aqui.

Para todos os estudos em forma de livro virtual e para baixar o PDF clique aqui.



Baixe o Mp3 clicando aqui.



Baixe o Mp3 clicando aqui.

Acesse os vídeos deste estudo clicando aqui.

Para completarmos este nosso estudo preciso ainda olhar para a necessidade de fazermos a diferença entre o bem e o mal. Sem isso poderemos seguir o mal achando que procuramos o bem e desprezando assim o bem real. Sabemos, por exemplo, que uma criança pequena não tem discernimento do mal. Ela pode puxar um cabo uma panela com água fervente sobre si própria. Da mesma forma, muitos estão “puxando cabos de panelas ferventes” contra si através do Tradicionalismo. É que como crianças, espiritualmente falando, eles não possuem discernimento para fazerem a diferença entre o bem e o mal. Meu leitor, você sabe o que é o bem? Você sabe o que é o mal? Você consegue identificar os males que sua tradição religiosa está produzindo? Você consegue discernir o bem que a Bíblia poderia lhe proporcionar se estivesse disposto a julgar tudo por ela? Gostaria que pensasse nestas questões ao olharmos os pontos seguintes. Que Deus nos dê sua graça!

1 – O Tradicionalismo produz o mal da ilusão espiritual, enquanto que a Bíblia produz o bem da realidade (Mt 15: 1,2).

O Tradicionalismo produz a ilusão espiritual. A pessoa substitui a realidade pelas opiniões descabidas de outros ou de si própria. Naturalmente que isso um mal. Já a Bíblia quando prova a Tradição denuncia esta ilusão mostrando a realidade espiritual, produzindo assim um grande bem.

2 – O Tradicionalismo produz o mal da autoridade falsa e incapaz. Já a Bíblia quando levada a sério se manifesta como um bem, pois é autoridade de fato (Mt 15:3-6).

Um médico ou um curandeiro, por qual você gostaria de ser tratado em caso de necessidade?   A resposta óbvia é: Por um médico. Ora um curandeiro não é autoridade em medicina, mas um médico sim. Uma autoridade falsa não é capaz de nos ajudar, pois não tem os recursos para tanto. E isso é terrível mal caso acreditemos nela. O mesmo acontece com a Tradição quando a temos por mais importante que a Bíblia. A Tradição é a interpretação humana que pode falhar não tendo, portanto prerrogativa de autoridade infalível. Mas a Bíblia não falha, pois é a Palavra de Deus. Assim o Tradicionalismo produz o mal da falsa e incapaz autoridade, mas a Bíblia é autoridade de fato, e assim é um bem aos que nela confiam como Verdade de Deus para nós. Ela é autoridade capaz. Isso é um bem que acontece quando a pomos como teste de todas as tradições.

3 – O tradicionalismo é fruto do coração rebelde, o que é mau. Já a submissão a Bíblia é fruto de um coração submisso, o que é bom (Mt 15: 7,8; Sl 36).

Um coração que não ama a Deus e despreza a sua Palavra já é em si mesmo um mal. É desse tipo de coisa que vem o Tradicionalismo é o que ele exalta e promove, ou seja, o coração em sua rebeldia recebe agora a aprovação de uma suposta revelação religiosa. O coração mau passa a ser tido como bom. Evidentemente que isso é um grande mal. Já a disposição de testar as tradições pela Bíblia vem de um coração submisso. Também podemos dizer que um coração submisso já é um bem em si mesmo. Este bem produz outro bem, que é uma submissão cada vez maior. Uma pessoa submissa ouvirá a Palavra de Deus tornando-se assim mais e mais obediente e santa, e o pecado para ela será cada dia mais imundo. Com certeza tudo isso é um grande benefício para a alma. 

4 – O Tradicionalismo produz o mal da hipocrisia, enquanto que a Bíblia produz o bem da sinceridade (Mt 15:7-9).

Um indivíduo enganar a si mesmo e aos outros é um grande mal. Isso se torna mais verdade em relação as nossas almas eternas. Quantos que hoje estão no inferno se sentiam tão santos enquanto viviam neste mundo? Quantos no Juízo não irão se surpreender quando do Cristo lhes disser: “Nunca vos conheci” (Mt 7:23)? Naturalmente que viver assim enganado e se condenar a tal decepção é um grande mal, o que se origina no tradicionalismo gerador desta hipocrisia. Mas a Bíblia mostra o que somos e nos aponta Cristo como Redentor. Assim a Bíblia, quando prova as tradições, produz o bem do cristianismo autêntico. Com Certeza é um grande bem sabermos como encontrar a Reconciliação com Deus em Cristo enquanto há tempo para arrependimento e fé.

5 – O Tradicionalismo produz o mal da escuridão espiritual, enquanto que a Bíblia produz o bem da luz Divina (Mt 15: 10-14).

Não podemos viver sem luz. Ela nos faz ver as coisas e produz a vida. Seria um grande mal se o Sol se apagasse.  Assim é um grande mal a escuridão produzida pelo Tradicionalismo. Ora as tradições humanas não podem nos fazer enxergar as realidades espirituais. Por elas pouco ou nada saberemos sobre Deus, o nosso coração, e Cristo. Estaremos então em trevas e perdidos não tendo vida em Cristo. Naturalmente que isso é um grande mal. Mas a Bíblia ao contrário nos mostra todas estas verdades nos trazendo a Cristo que é e nossa Vida. Naturalmente que isso é um grande bem.

6 – O Tradicionalismo produz o mal do pecado presente e crescente. Já a Bíblia denuncia o pecado e o combate, o que é um grande bem (Mt 15: 15-20).

O tradicionalista se satisfaz com seus rituais externos sem se dar conta do pecado em seu coração. Ora o pecado é o mal dos males. Assim deixá-lo sossegado é permitir que ele cresça e finalmente nos mate. Evidentemente tal coisa é o grande mal produzido pelo tradicionalismo. Já a Bíblia mostra o pecado, destruindo seu esconderijo no coração, revelando sua imundície. Isso provoca horror ao pecado e busca pela redenção e santidade em Cristo. Naturalmente isso é um grande bem.

7 – O Tradicionalismo é gerado pelo poder do homem no pecado e ainda o fomenta, o que é um grande mal. Já a submissão a Bíblia é gerada pela Graça da Deus em nossos corações, o que é um grande bem (Mt 15: 13).

É o homem em seu estado de Queda no pecado que produz o Tradicionalismo. Assim o Tradicionalismo é a manifestação do homem em seu estado de ruína. Além disso, tal fato gerará a liberdade de mais manifestações desta ruína pecaminosa. Assim há uma fomentação da desgraça. Naturalmente isso é mal. Já a submissão a Bíblia vem de um coração transformado pela graça de Deus o que trará com o tempo maior manifestação desta graça. Evidentemente que isso é bom.

8 – Discernindo o bem e o mal.

Creio que ficou claro que o Tradicionalismo produz terríveis males e a Bíblia maravilhosos benefícios. Então por que tanta gente segue o Tradicionalismo e abandona a Bíblia? A resposta é que como crianças estas pessoas não possuem discernimento. Elas não conseguem ver que é perigoso “puxar o cabo da panela com água fervente”. Percebe? Elas chamam o “mal” de “bem” e o “bem” de “mal”. Agora permita-me que eu lhe apresente algumas questões que testarão se isso não está acontecendo com você.

Responda as seguintes questões:

1 – O que é melhor, ser um alucinado, ou uma pessoa mentalmente sã?

2 – O que é melhor, ser atendido por um médico ou por um vigarista curandeiro?

3 – O que é melhor, um poder maléfico atuando ou um poder benéfico agindo?

4 – O que é melhor, alguém saber que há um psicopata ao seu lado ou nem se dar conta deste perigo?

5 – O que é melhor, ser um cego ou alguém que possua visão perfeita?

6 – O que é melhor, permitir que o mal cresça ou se dispor a combatê-lo promovendo o bem?

7 – O que é melhor, ter um governo de pessoas justas ou de pessoas perversas?

As respostas a estas perguntas são obvias. Nós as respondemos com facilidade porque temos discernimento, o que nos permite ver o bem e o mal nas coisas. Mas infelizmente a mesma facilidade não se repete na área espiritual, pois muitos de nós escolhemos os males das tradições religiosas e desprezamos os benefícios que Bíblia poderia nos trazer. Para que você entenda o que eu quero dizer, peço que relacione cada questão acima com os malefícios e benefícios que abordei neste estudo da seguinte forma:

 1 – O Tradicionalismo produz o mal da ilusão espiritual enquanto a Bíblia produz o bem da realidade.

Pergunta correspondente: O que é melhor, ser um alucinado ou uma pessoa mentalmente sã?

A resposta obvia é: Ser uma pessoa mentalmente sã, pois a sanidade é um bem e a loucura um mal. No entanto na área a espiritual muitos preferem o mal da loucura da Tradição que a sanidade da Revelação Bíblica. Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso?
  
2 – O Tradicionalismo produz o mal da autoridade falsa e incapaz. Já a Bíblia quando levada a sério se manifesta como um bem, pois é autoridade de fato.

Pergunta correspondente: O que é melhor, ser atendido por um médico ou por um vigarista curandeiro?

A resposta obvia é: Ser atendido por um médico que é uma autoridade em medicina capaz de nos ajudar. Ora, um médico fará o bem, mas um curandeiro poderá causar grande mal. No entanto na área a espiritual muitos preferem a falsa autoridade da Tradição, que é incapaz de cumprir este papel, em vez de colocarem a Bíblia como autoridade real. Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso?  

3 – O tradicionalismo é fruto do coração rebelde, o que é mau. Já a submissão a Bíblia é fruto de um coração submisso, o que é bom.

Pergunta correspondente: O que é melhor, um poder maléfico atuando ou um poder benéfico agindo?

A resposta obvia é: Melhor é um poder benéfico agindo, o que evidentemente fará o bem. No entanto na área a espiritual muitos preferem que seus corações maus determinem o que se deve crer e fazer, e desprezam as orientações benéficas de Deus. Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso?  

4 – O Tradicionalismo produz o mal da hipocrisia, enquanto que a Bíblia produz o bem da sinceridade.

Pergunta correspondente: O que é melhor, alguém saber que um psicopata está ao seu lado ou nem se dar conta deste perigo?

A resposta obvia é: O melhor é saber que tem um psicopata próximo e conhecer suas intenções maléficas. Um psicopata é um perverso que quer matar. Um psicopata é alguém mau. Conhecê-lo é bom, pois nos daria oportunidade de reação ou fuga, o que seria para nós um grande bem. No entanto, na área a espiritual muitos preferem manter o pecado bem escondido em seus corações. A consequência é que o pecado como um psicopata os matará. Será para eles como um câncer que os destrói por dentro. Mas estas pessoas não se dispõem a conhecer esta realidade preferindo ser enganados por este terrível assassino.  Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso?  

5 – O Tradicionalismo produz o mal da escuridão espiritual, enquanto que a Bíblia produz o bem da luz Divina.

Pergunta correspondente: O que é melhor, ser um cego ou alguém que possua visão perfeita?

A resposta obvia é: Ter visão perfeita, pois a visão é um bem e a cegueira é um mal. No entanto na área a espiritual muitos preferem a cegueira da tradição religiosa e desprezam a luz da Bíblia. “A luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más” (Jo 3:19). Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso? 
   
6 – O Tradicionalismo produz o mal do pecado presente e crescente. Já a Bíblia denuncia o pecado e o combate, o que é um grande bem.

Pergunta correspondente: O que é melhor, permitir que o mal cresça ou se dispor a combatê-lo promovendo o bem?

A resposta obvia é: Combater o mal e promover o bem, pois o mal é logicamente maléfico e o bem é logicamente benéfico. No entanto na área a espiritual muitos preferem o mal maior que é o pecado, pois seguem as suas tradições que isso produz, em vez de ouvirem a Bíblia que combateria este mal maior.  Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso?   

7 – O Tradicionalismo é gerado pelo poder do homem no pecado e ainda o fomenta, o que é um grande mal. Já a submissão a Bíblia é gerada pela Graça da Deus em nossos corações, o que é um grande bem.

Pergunta correspondente: O que é melhor, ter um governo de pessoas justas ou de pessoas perversas?

A resposta obvia é: Ter um governo de pessoas justas, pois estas trariam o bem enquanto que as perversas fomentariam o mal. No entanto na área a espiritual muitos preferem o “governo” e atuação de seus corações perversos no tradicionalismo, em vez de clamarem pela operação da graça de Deus em suas vidas e igrejas. Por quê? É que eles não têm discernimento espiritual e chamam de “bem” o “mal” e o “mal” de “bem”. Qual a causa de sua falta de discernimento? Resposta: Eles não dão ouvidos a Bíblia, que é a fonte de discernimento dada por Deus. Não tem sido este o seu caso?  
   
Queridos amigos, que todos nós em oração avaliemos seriamente estas coisas. Creio que demostrei pelas Escrituras os terríveis malefícios do Tradicionalismo e os maravilhosos benefícios que a Bíblia promove quando a tratamos com seriedade julgando nossas tradições religiosas por ela. Que você corra do tradicionalismo católico ou evangélico, e prove tudo pelas Escrituras. Precisamos de uma reforma urgente. Que o Senhor nos dê sua Graça e que seu Santo Nome seja engrandecido em nós ao nos dobrarmos a sua Palavra nas Sagradas Escrituras. Amém!

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

*Estudo ministrado nos cultos da manhã e noite de 10 de novembro de 2013, na Congregação Batista Reformada em Belém. 

Era dos Reformadores - Justo L. González.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)