Sexta exposição sobre o Juízo Final - As duas portas e os dois caminhos - Mt 7:13,14.

Entrai pela porta estreita (larga é a porta, e espaçoso, o caminho que conduz para a perdição, e são muitos os que entram por ela), porque estreita é a porta, e apertado, o caminho que conduz para a vida, e são poucos os que acertam com ela.”. Mt 7:13,14.

I – INTRODUÇÃO:

Nesta fase de nossos estudos sobre o Juízo Final desejo examinar este trecho  que é a conclusão do Sermão do Monte, e que trata diretamente do tema.  Refiro-me a Mateus 7:13-27. Nesta exposição olharei apenas para os versos treze e quatorze. Tenho procurado seguir uma ordem lógica nestes estudos.  Primeiro vimos o problema dos ímpios no Sl 2, depois os casos dos religiosos no Sl 50, e agora olharemos uma situação que envolve a ambos os grupos. Além do que nestes textos de Mateus chegamos mais perto do tema proposto, isto é, o Juízo Final. Nestes dois versos nos quais estaremos meditando, o Senhor Jesus apresenta o quadro geral da raça humana. A humanidade inteira aos olhos de Deus se divide nos que estão indo para o Céu e nos que estão indo para o inferno. Há apenas estes dois grupos. Não importa se alguém é branco ou negro, rico ou pobre, culto ou ignorante, brasileiro ou estrangeiro. Todas estas divisões são tolas e superficiais. Pois o que importa é se estamos em paz ou não com Deus, visto que no final é Deus que importa. Assim desde já lhe pergunto: Em que grupo você está?

II – NÃO HÁ NEUTRALIDADE.

O Senhor apresenta duas portas e dois caminhos. Cada porta dá acesso a um destes caminhos. A porta estreita dá a cesso ao caminho estreito e a larga ao caminho largo. Com isso Senhor apresenta a humanidade interia. Cada pessoa viva está num caminho ou no outro, e os que já morreram também caminharam em uma destas estradas enquanto estavam neste mundo. Não há neutralidade. Nenhum de nós é mero espectador da situação que Cristo nos apresenta. Ou estamos no caminho largo ou no estreito. E cada caminho leva a um fim distinto: Ou Céu ou Inferno. Assim, cada pessoa já morta nesta mesma hora ou está no Céu ou no Inferno, e lá chegou dependendo do caminho que seguiu. Da mesma forma cada pessoa viva está trilhando um dos caminhos, ou para o Céu ou para o inferno.

Meu leitor, você não é como um espectador sentado num estádio de futebol apenas assistindo a uma partida, mas é um dos jogadores participando de tudo. Isso que Nosso senhor fala tem a ver diretamente com você. Ou você está no caminho para o Céu ou no caminho para o inferno. É muito importante que você entenda isso e reflita seriamente. Saiba que cada dia que vive neste mundo você está andando em um destes caminhos e se aproxima de seu destino final: Céu ou inferno. Você tem caminhado ou no caminho de Deus ou no caminho do pecado. Sua vida não é neutra, mas participativa. Você é um dos que caminham. Você percebe isso claramente? Para onde você está indo, para o Céu ou para o Inferno?  Não deixe está questão no ar, pois mais cedo ou mais tarde você terá que encará-la quando a estrada em que caminha acabar. Sim, sua vida neste mundo muito em breve chegará ao fim. Então também será o fim de sua estrada e você estará ou no Céu ou no Inferno. Espero que não deixe de pensar nisso antes que a estrada termine. Meu propósito neste estudo é exatamente levá-lo a esta avaliação: Em que estrada você caminha?

III – A PORTA E O CAMINHO LARGO.

A porta larga o Senhor mostra que dá a cesso ao caminho também largo que termina na perdição eterna. Trata-se do caminho do pecado. Na verdade a Bíblia toda nos ensina que cada homem por natureza já está neste caminho. Veja dois exemplos:

Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe.” Sl 51:5.

Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? Não, de forma nenhuma; pois já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer. A garganta deles é sepulcro aberto; com a língua, urdem engano, veneno de víbora está nos seus lábios, a boca, eles a têm cheia de maldição e de amargura; são os seus pés velozes para derramar sangue, nos seus caminhos, há destruição e miséria; desconheceram o caminho da paz. Não há temor de Deus diante de seus olhos. Ora, sabemos que tudo o que a lei diz, aos que vivem na lei o diz para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus,”. Rm 3:9-19.

Dessa forma, todo homem e mulher já nascem pecadores, na verdade são assim desde a concepção. Todos já nascem adentrando a porta larga e caminhando no caminho largo. Todos já nascem no caminho do pecado. Este é largo porque nele cabe toda a bagagem e muita gente ao mesmo tempo.  Imaginemos este caminho como uma larga avenida com muitas pessoas andando cada uma com grande bagagem tendo espaço suficiente até para mais pessoas e coisas. Cabe tudo e todos. Observemos o seguinte texto:“Ora, as obras da carne são conhecidas e são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, a respeito das quais eu vos declaro, como já, outrora, vos preveni, que não herdarão o reino de Deus os que tais coisas praticam.”. Gl 5:19-21.

Fiz questão de sublinhar que os que praticam as obras da carne não herdarão o Reino de Deus. A carne é nossa natureza pecaminosa. Os que vivem por ela estão no caminho largo que é o caminho do pecado e a bagagem é exatamente este conjunto de obras mencionadas por Paulo e também outras semelhantes, conforme ele mesmo nos diz. Assim, toda esta bagagem pecaminosa não é preciso ser deixada, pois há espaço para elas. No caminho largo os homens agradam a si mesmos. Há lugar para todas as suas vontades, desejos, e práticas pecaminosos. Nada precisa ser abandonado. É um caminho fácil, onde nada precisa ser renunciado.

Também é fácil porque tem o apoio de multidões. Aliás, é andar do lado da maioria.  Jesus diz que muitos entram pela porta larga. Vejam o que Paulo nos diz: “E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes,” Rm 1: 28. Porque os homens desprezaram a verdade, Deus os entrega a terrível liberdade de fazerem o que querem. Eles querem liberdade para pecar. Este é o caminho largo que cabe todo o pecado. Logo a seguir Paulo diz: “cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.”. Rm 1:29-32. Todos os que andam no caminho largo apoiam seus companheiros. Eles aprovam uns aos outros. Por isso é um caminho fácil. Pois faz-se o que o eu carnal quer e ainda tem-se o apoio da maioria. É de se entender a popularidade deste caminho. Mas lembremos: O fim dele é o inferno. 

Prezado leitor, por natureza você está neste caminho. Se não foi convertido a Cristo você vive agradando o seu “eu pecaminoso” e tem apoio do mundo. Você vive desafiando a Deus, pois sua bagagem com certeza é de coisas semelhantes a estas: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias. Estas são as obras da carne. Você também têm muitos apoiadores, pois os outros homens também amam o que você ama: O pecado. Mas lembre-se: Você está indo para o inferno junto com todos eles, pois está no caminho largo que conduz a perdição. Avalie se vale a pena.

IV – A PORTA E O CAMINHO ESTREITO.

O caminho estreito é exatamente oposto do anterior. É um caminho difícil, pois exige renuncia do “Eu carnal” e coragem para desafiar a maioria. Jesus diz que ele começa com a porta estreita. É estreito desde o início e continua estreito até o final. Imaginemos este caminho como a entrada pequena de um ônibus. Só pode entrar uma pessoa de cada vez. Como alguns têm destacado, a roleta exemplifica ainda melhor. É bem apertada. Cabe apenas uma pessoa sem bagagem.  Assim para entrar na porta estreita é preciso deixar toda aquela bagagem das obras da carne. Também não é possível trazê-las para o caminho, pois este é tão apertado quanto a porta. Dessa forma, forma enquanto se caminha deve-se continuar renunciando este “eu carnal”. Por isso este caminho é difícil, pois exige luta constante contra a carne. Também é difícil porque desagrada a maioria. Jesus diz que são poucos os que acertam com esta porta estreita. Sendo apertada não é possível entrar com muita gente.

Amado leitor, este é o caminho da vida: Renuncia do “eu carnal” e do mundo pecaminoso. Você já está nele? Você talvez pergunte: É difícil? Eu não posso lhe enganar. Sim, eu respondo é difícil. Você terá que negar seus desejos pecaminosos, e isso não será fácil. Você também será tido por esquisito pela maioria. A maioria das pessoas aplaudiria você se pecasse junto com elas. Mas por andar em santidade elas te perseguirão. Mas lembre: Este caminho é o caminho da vida. O fim dele é a vida eterna.  Avalie se vale a pena. Desejo falar melhor sobre isso no ponto a seguir.

V – OS RESULTADOS.

Certa vez Jesus disse: “Pois que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou que dará o homem em troca da sua alma?”. Mt 16:26. Devemos a luz disso pensar que a facilidade do caminho largo é ilusória, pois é um caminho de morte. É como se muitas pessoas se divertissem em um trem que segue para o precipício, imaginando-se que este trem possui muitos atrativos. Seria muito animador viajar num trem assim, mas todos aqueles atrativos seriam como uma isca que os levaria para a morte. O caminho largo é o caminho mortal. Deus não está lá. Os que lá andam são aqueles mesmos do Salmo 2 que buscam liberdade de Deus. Todos eles estão mortos em delitos e pecados, pois não têm Deus, a fonte da Vida (Ef 2:1-3; Jo 17: 3). Estes já estão condenados e andam a passos rápidos para o final do caminho largo: O inferno. Deus está irado com eles e apenas por pura misericórdia os mantêm vivos (Sl 52; Jo 3:36; Rm 1:18; Cl 3:6).  Sobre este o salmista diz: “Todavia, o homem não permanece em sua ostentação; é, antes, como os animais, que perecem. Tal proceder é estultícia deles; assim mesmo os seus seguidores aplaudem o que eles dizem. Como ovelhas são postos na sepultura; a morte é o seu pastor; eles descem diretamente para a cova, onde a sua formosura se consome; a sepultura é o lugar em que habitam.”. Sl 49:12-14. Jesus diz sobre o final do caminho largo: “espaçoso, o caminho que conduz para a perdição,”. O fim deste caminho é a morte eterna. É a consumação da condenação. É o banimento completo da Vida que é Deus. Este, portanto, é o caminho da dor e sofrimento, pois o pecado produz todos os males e no final mata os que lhe praticam. 

Mas o caminho estreito, apesar de difícil, é o caminho da vida. No final das contas estas dificuldades existem apenas porque as forças da morte estão contra os do caminho estreito. A carne os tenta e o mundo os persegue. Mas tanto a carne quanto o mundo são da morte. Dessa forma a dificuldade experimentada é vida, pois é estar contra a morte. Assim, que Deus seja louvado por tal dificuldade. Ora, é melhor perder o mundo inteiro, mas ganhar a alma. Lembremos que no caminho estreito tem-se a Vida que é Deus. É romper com o pecado e render-se a Deus. É segui-lo em Cristo. O Senhor diz: “e apertado, o caminho que conduz para a vida”. O final deste caminho é a comunhão plena com o Santo Deus. Jesus também disse que: “a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” Jo 17;3.

Leitor, avalie tudo isso. Uma das marcas do pecado é a loucura. Pecado é loucura. É loucura não amar a Deus. É loucura desprezar o Santo, Perfeito, Justo, Amoroso, e Glorioso Deus por causa de algo tão efêmero e imundo como o pecado. Também é loucura desprezá-lo porque muita gente assim o faz. Que importa se a maioria não ama a Deus? Por acaso a maioria torna isto certo ou bom? Acaso a maioria deixará de ir para o Inferno por ser maioria? Pense nestas coisas querido leitor. Apresse-se em correr para a porta estreita. Procure encontrá-la. Jesus diz que poucos são os que acertam com ela. Ou seja, para encontrá-la é preciso buscá-la diligentemente. Noutra parte Jesus disse a um curioso que queria saber se muitos ou poucos seriam salvos: “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita,”. A questão primordial é essa, que devemos lutar por entrar nesta porta. Empenhe-se, amigo. Procure achá-la. Não é hora de sentar-se e esperar, mas procurar. Procure a porta. A porta é Cristo. (Jo 10: 9). Você precisa saber quem é Cristo. Mas note: Os falsos profetas estão aí para enganá-lo e sua única luz é a Bíblia Sagrada. Leia sua Bíblia clamando a Deus que lhe seja gracioso e lhe ilumine para entendê-la. Também peça que Deus lhe conduza a uma Igreja Fiel a Palavra, onde lá um Verdadeiro Ministro do Evangelho exponha a Bíblia. Não fique parado, mas clame e busque a Porta.

Na verdade entramos por esta porta estreita pela conversão e caminhamos no caminho estreito pela santificação. A conversão é confiar unicamente em Cristo como Salvador e Senhor, pois Ele pagou o preço dos pecados de seu povo na Cruz. Conversão também é arrepender-se do pecado. Arrepender-se é este largar a bagagem do pecado e abraçar a Vontade de Deus. É amar a Deus e odiar o pecado. Quando um homem se arrepende ele passa a viver em santidade, que é lutar constantemente contra o pecado e fazer a vontade de Deus. Ele não é perfeito, mas está em luta. Assim, ele anda pelo caminho estreito. Faz isso porque ama a Deus. Por último devo enfatizar que não é a fé, o arrependimento, e a santidade que salvam um homem, mas tão somente Cristo. Todavia abraçamos a salvação em Cristo confiando Nele e concomitantemente a isso nos arrependemos. Quando isso acontece já estamos salvos em Cristo e passamos a viver em santidade não para sermos salvos, mas porque já fomos salvos. A santidade é uma evidência da salvação. É evidência de já termos entrado pela porta estreita e de já estarmos andando no caminho estreito em direção à vida plena. É evidência de estarmos seguindo a Cristo. Você já está neste caminho? Se não, busque já achar a porta estreita antes que seja tarde demais, antes que Cristo lhe diga: “Não sei donde vós sois; apartai-vos de mim, vós todos os que praticais iniqüidades.” Lc 13: 27. Que não seja assim com você, mas ao contrário, que você entre pela porta estreita para que Cristo lhe diga: “Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.”. Mt 25:34.

VI – CONCLUSÃO:

Existem duas portas que levam a dois caminhos que por sua vez levam a resultados diferentes. Todos os homens estão num caminho ou no outro. O largo leva a morte, enquanto que o estreito leva a vida. A grande questão é: Já estamos no caminho estreito que leva a vida, ou estamos no largo que leva a morte? 

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

Adquira nossas obras clicando aqui.


Leitura recomendada pa
ra o aprofundamento no assunto:

 Quebrantamento (Nova Edição)


Quebrantamento (Nova Edição)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)