Exposição do Evangelho de João: O Filho de Deus é aquele que ressuscita e julga!

Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus; e os que a ouvirem viverão. Porque assim como o Pai tem vida em si mesmo, também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo. E lhe deu autoridade para julgar, porque é o Filho do Homem. Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo. Eu nada posso fazer de mim mesmo; na forma por que ouço, julgo. O meu juízo é justo, porque não procuro a minha própria vontade, e sim a daquele que me enviou.” (Jo 5:24-30).

I – INTRODUÇÃO:

Temos diante de nós um texto de extrema seriedade. Há verdades aqui que atualmente a maioria dos homens nem pensa, mas que em breve será a única preocupação deles. Temos aqui palavras que nos falam de nossa eternidade. Sim, de coisas que determinarão nosso futuro eterno. E tudo gira em torno de uma pessoa: O Filho de Deus. Dependendo de como o tratamos hoje teremos uma eternidade de vida ou de condenação. Amigo, é por amor a sua alma que eu peço que medite comigo nestas verdades. Tire tempo para isso agora, pois dependendo do que fizer nesta vida com relação a estes ensinos a sua eternidade será de vida ou de morte.


II – É NECESSÁRIO OUVIR O FILHO E CRER NO PAI (Jo 5:24)!

Neste texto o Senhor Jesus prossegue sua defesa diante dos judeus que queriam matá-lo por acreditarem que ele blasfemava por se igualar ao Pai (Jo 5:18). Ele já dissera que tão somente fazia as obras do Pai, e que, portanto, só quem o honra, de fato, honra ao Pai. Agora Ele avança no argumento, de que pratica as obras do Pai, explicando mais sobre sua capacidade de dar a vida e julgar. Nosso Senhor deixa claro que dependendo de nossa reação a sua pessoa, ou teremos vida e absolvição, ou morte e condenação. Passemos agora a explicar melhor este ponto.

Jesus se apresenta como aquele Único capaz de dar a vida eterna e salvar da condenação que virá aos pecadores no grande julgamento final. É assim exatamente porque o Pai o enviou para isso, ou seja, para salvar (Jo 3:16,17). O Filho de Deus anuncia a Palavra, que fala da obra que veio realizar da parte do Pai. Dessa forma, ouvir a sua Palavra é crer no Pai que o enviou, como também, não ouvi-la é descrer do Pai.

A conseqüência lógica de tudo isso é que aquele que ouve ao Filho tem a vida eterna e não será condenado. Observemos que os verbos estão no tempo presente. O que houve “tem” a vida eterna e não “entra” em juízo! Isto indica que as bênçãos que o Filho trouxe já se manifestam nesta vida, que as graças que experimentaremos na eternidade já se revelam aqui e agora para os que crêem.

Temos duas graças neste texto que nos advêm quando ouvimos a Palavra do filho de Deus:

A – Vida Eterna: A essência desta vida é o conhecimento de Deus por Jesus Cristo (Jo 17:3). Um homem pode ter muitas coisas, mas se não conhece a Deus não passa de um morto espiritual. É um alienado de Deus, vive em desafio a ele, e por fim será banido definitivamente de sua presença (Ap 22:14,15). Mas os que ouvem ao Filho passam a conhecer a Deus mediante sua Palavra, desfrutam de comunhão com Ele em amor (Jo 14:21-23), e em breve estarão com Ele na eternidade em pleno gozo (Ap 21:1-4). A essência de viver é ter Deus como Deus, e isso já começa aqui, ainda que na eternidade será vivenciado em plenitude!

B – Não entra em Juízo: Os pecadores estão destinados a condenação, pois afrontam a Deus. Ele, que é o Justo Juiz, os chamará para prestação de contas, e não há o que possam fazer para livrarem-se da condenação que virá. No entanto, Deus enviou seu Filho para que receba a punição em lugar de seus eleitos (Jo 15:13). Quando estes ouvem sua Palavra, e crêem Naquele que o enviou, recebem imediatamente a garantia de que não mais serão condenados.

Observamos que estas graças se manifestam aqui, porém terão sua realidade consumada por ocasião da vinda de Cristo como Juiz em breve (Jo 5:28,29).

Caros leitores, meditemos agora nestas realidades tão urgentes. Eu lhe pergunto: O que você está fazendo agora em relação ao Senhor Jesus Cristo? Você está ouvindo sua Palavra e crendo Naquele que o enviou, ou não? Solenemente eu lhe advirto que só existem duas situações em que você pode se encontrar neste momento exato em que lê estas linhas:

1 – Você possui a Vida Eterna e não será condenado, pois ouviu a Palavra de Cristo crendo no Pai que o enviou!

2 – Você está morto em pecados, e já condenado, esperando tão somente o grande veredicto de Deus que cairá sobre você muito em breve, pois não tem ouvido ao Filho de Deus que foi enviado por Ele como Única salvação de seu povo!

Amigo, em que situação você se encontra agora, neste momento que lê estas linhas? Se Cristo voltar agora, ou se morrer agora, em que situação Cristo, ou a morte, lhe encontrará? Pense, pense, pense! Só existem duas respostas possíveis para estas questões, e estão acima. Leia a cada uma delas novamente e reflita.

III – O FILHO VIVIFICA ESPIRITUALMENTE (Jo 5:25,26)!

Jesus continua defendendo sua união essencial com o Pai, como Aquele que faz as mesmas obras. Assim, Ele afirma agora que tem poder para vivificar. Esta vivificação se refere nestes versos a esfera espiritual, mas depois falará da esfera física. Vemos que fala de vivificação espiritual pelo fato de dizer que “já chegou” a hora de os mortos viverem. Esta vivificação nada mais é que o novo nascimento, ou regeneração que evidentemente ocorre nesta vida (Jo 3:1-15, Ef 2:1-10).

Podemos fazer uma comparação com o paralítico curado nos textos anteriores. O pobre homem recebera uma ordem de Cristo para levantar-se, tomar leito, e andar. Mas como poderia cumprir esta ordem sendo um paralítico? Da mesma forma perguntamos: Como poderão pecadores mortos ouvir a Palavra de Cristo? Ora, eles são como paralíticos espirituais! Ou devo dizer: Eles são mais que paralíticos, eles são mortos espirituais! Como os tais podem ouvir a Deus em Cristo? Ora, a resposta é: Assim como no caso do paralítico, é Cristo quem dá o poder para que os pecadores possam cumprir sua ordem de ouvir a Palavra que lhes traz da parte do Pai! É Cristo quem vivifica os mortos espirituais para que possam crer! É isso, amigo. A partir de então a pessoa entra na vida!

Notemos que o Senhor declara que pode vivificar como o Pai. Também tem vida em si mesmo, pois o Pai concedeu-lhe que a tenha. Trata-se de “um ato eterno, parte integrante do relacionamento especial entre o Pai e o Filho que já existia no princípio’” (F. F. Bruce, Comentário ao Evangelho de João, página 122). Sabemos que nossa vida depende do próprio Deus. No entanto Deus não depende de nada nem de ninguém. De fato a vida vem Dele e dessa forma Ele tem poder para ressuscitar os mortos. Tendo Cristo recebido tal prerrogativa do Pai, pode então vivificar espiritualmente e fisicamente aos mortos.

IV – O FILHO TEM AUTORIDADE PARA JULGAR (Jo 5:27-30)!

Esta é outra prerrogativa do Pai que o Filho possui. Ele julga porque é o Filho do Homem. Este é um título messiânico possivelmente baseado em Dn 7. O fato é que o Senhor Jesus virá para julgar, e quando vier ressuscitará os mortos da mesma forma como agora ressuscita-os espiritualmente.

No entanto esta ressurreição física, diferentemente da espiritual, será para todos os mortos, sejam justos ou injustos. O veredicto será dado dependendo de terem feito o bem ou o mal, ou seja, dependendo de terem ou não ouvido o Filho com fé. Os que creram no Filho ressuscitarão para a vida. Estes não serão condenados. Mas os que não tiverem crido no Filho ressuscitarão para a condenação. Diz-nos ainda o Senhor que seu julgamento é de acordo com o Pai. Dessa forma é absolutamente justo, pois é de acordo com o Juiz de toda a Terra, o padrão da Verdade (Gn 18:25, Sl 89:14). Lá todo o sofisma será desmascarado, nenhum argumento falso prevalecerá! Lá os homens e mulheres estão desnudados de toda fachada e hipocrisia. Lá a luz brilhará com toda a força e nada poderá se esconder dela.

Assim afirmamos que o caminho de cada ser humano, inclusive o seu, se conduz para este momento do juízo de Cristo, de forma que, ou estará absolvido, e na verdade já está se crê no Filho, por causa da obra de Cristo na cruz levando sua condenação, ou estará para sempre condenado tendo de sofrer os horrores eternos da justa ira de Deus. O que diz você diante disto meu amigo?

Peço que leia e reflita nestes textos em oração:

Eu estava olhando nas minhas visões da noite, e eis que vinha com as nuvens do céu um como o Filho do Homem, e dirigiu-se ao Ancião de Dias, e o fizeram chegar até ele. Foi-lhe dado domínio, e glória, e o reino, para que os povos, nações e homens de todas as línguas o servissem; o seu domínio é domínio eterno, que não passará, e o seu reino jamais será destruído.” (Dn 7:13,14).

Nesse tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, o defensor dos filhos do teu povo, e haverá tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas, naquele tempo, será salvo o teu povo, todo aquele que for achado inscrito no livro. Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno. Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos conduzirem à justiça, como as estrelas, sempre e eternamente.” (Dn 12:1-3).

Vi um grande trono branco e aquele que nele se assenta, de cuja presença fugiram a terra e o céu, e não se achou lugar para eles. Vi também os mortos, os grandes e os pequenos, postos em pé diante do trono. Então, se abriram livros. Ainda outro livro, o Livro da Vida, foi aberto. E os mortos foram julgados, segundo as suas obras, conforme o que se achava escrito nos livros. Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E, se alguém não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo. Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. E aquele que está assentado no trono disse: Eis que faço novas todas as coisas. E acrescentou: Escreve, porque estas palavras são fiéis e verdadeiras. Disse-me ainda: Tudo está feito. Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. Eu, a quem tem sede, darei de graça da fonte da água da vida. O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho. Quanto, porém, aos covardes, aos incrédulos, aos abomináveis, aos assassinos, aos impuros, aos feiticeiros, aos idólatras e a todos os mentirosos, a parte que lhes cabe será no lago que arde com fogo e enxofre, a saber, a segunda morte.” (Ap 20:11-21:8).

V – É PRECISO DEFINIR-SE COM RELAÇÃO A CRISTO!

Imaginemos agora a situação daqueles judeus que ouviam estas palavras de Cristo. Eles se sentiram escandalizados diante de Cristo fazer-se igual ao Pai (Jo 5:17,18). Agora eles ouvem o Senhor dizer palavras ainda mais impressionantes: Afirma que só Ele pode dar a vida, e que um dia iria julgá-los, e que se não cressem Nele estariam condenados para sempre. Assim Ele se iguala ainda mais a Deus diante deles. Imagine o que se passou na cabeça daquelas pessoas. Elas só tinham duas opções: Ou consideravam Cristo o maior impostor da história, pois sendo um mero homem fazia-se Deus, ou se dobrariam diante Dele com fé suplicando seu perdão considerando-o próprio Deus encarnado. Sabemos que a maioria deles não creu, e que continuaram odiando e perseguindo a Cristo procurando matá-lo.

E você o que fará? Você também só tem estas duas opções. Deixo com você estas palavras de C. S. Lewis citadas por John Piper em seu livro “Para sua Alegria”:

Eu tento impedir o uso daquela frase tola que as pessoas costumam dizer a respeito dEle: ‘Estou pronto a aceitar Jesus como um grande e digno mestre, mas não aceito sua pretensão de ser Deus’. Não devemos dizer isso. Alguém que fosse simplesmente um homem e dissesse o tipo de coisa que Jesus disse não seria um grande e digno mestre. Seria um lunático — igual ao homem louco que afirma ser ‘Napoleão’ — ou o diabo. É preciso fazer uma escolha. Ou esse Homem era, e continua sendo, o Filho de Deus, ou era um louco ou algo pior. Você pode fazê-Lo calar, supondo ser Ele um tolo; pode cuspir nEle e matá-Lo, porque O vê como um demônio; ou você pode cair aos pés dEle e chamá-Lo de Senhor e Deus. Entretanto, não digamos tolices complacentes como, por exemplo, que Ele era somente humano e um grande mestre. Ele não nos deu liberdade para tal coisa. Ele não pretendia fazê-lo”.

E você o que pensa de Cristo? Você também só tem estas duas opções! Não existe neutralidade. Ou você é a favor de Cristo pela fé, ou está contra Ele. Eu lhe afirmo que desta questão depende sua vida ou morte eterna, por isso lhe aconselho: Creia no Filho de Deus.

VI – CONCLUSÃO:

Cristo é o que vivifica, e salva da condenação eterna, pois para isso foi enviado pelo Pai. Um dia Ele virá para julgar a humanidade e todos os que não o ouviram nesta vida não terão como escapar da miséria eterna. Mas a todos os homens e mulheres ele diz hoje: “Em verdade, em verdade vos digo: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida”. (Jo 5:24). Diz também: “Por que se enfurecem os gentios e os povos imaginam coisas vãs? Os reis da terra se levantam, e os príncipes conspiram contra o SENHOR e contra o seu Ungido, dizendo: Rompamos os seus laços e sacudamos de nós as suas algemas. Ri-se aquele que habita nos céus; o Senhor zomba deles. Na sua ira, a seu tempo, lhes há de falar e no seu furor os confundirá. Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião. Proclamarei o decreto do SENHOR: Ele me disse: Tu és meu Filho, eu, hoje, te gerei. Pede-me, e eu te darei as nações por herança e as extremidades da terra por tua possessão. Com vara de ferro as regerás e as despedaçarás como um vaso de oleiro. Agora, pois, ó reis, sede prudentes; deixai-vos advertir, juízes da terra. Servi ao SENHOR com temor e alegrai-vos nele com tremor. Beijai o Filho para que se não irrite, e não pereçais no caminho; porque dentro em pouco se lhe inflamará a ira. Bem-aventurados todos os que nele se refugiam” (Sl 2). Amém!

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, e o conteúdo não seja modificado!


Adquira as versões impressas, ou Ebooks, destas exposições clicando aqui.    

Leitura recomendada: 


Comentários

  1. Bom dia!!ESte blog é edificante!!!Já estou seguindo..te convido para seguir o meu também....ficarei honrada..na Paz

    ResponderExcluir
  2. Olá Fabi, muito obrigado pela visita, palavras e por seguir o blog. Estarei sim visitando o seu. Volte sempre, pois é muito bem vinda, e divulgue este trabalho para que mais e mais pessoas tenham contato com a Palavra de Deus. Ok? Fique na Paz de Cristo! Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá Fabi, infelizmente não encontrei seu blog. Se puder indicar por aqui ficarei grato. Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Caros amigos, como o propósito do blog é mostrar o que a Bíblia ensina para a nossa edificação espiritual, e não fomentar polêmicas, que tendem a ofensas e discussões infrutíferas, não publicarei comentários deste teor, tão pouco comentários com linguagem desrespeitosa. Grato pela compreensão.

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)