Oitava exposição sobre o Juízo Final - Pelos frutos se conhece os falsos profetas - Mt 7:15-18.

Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons.”. Mt 7:15-18.

I – INTRODUÇÃO:

No estudo anterior vimos do perigo dos falsos profetas em seu disfarce de ovelha. Com tal disfarce eles conduzem muitos para longe da porta estreita, que acreditando que seguem uma ovelha de Cristo na verdade seguem um lobo que os está devorando até a morte. O disfarce dos falsos profetas é muito convincente o que torna a questão extremante perigosa. Ora, não adiantará muita coisa sabermos que existem falsos profetas e que temos de ter cuidado com eles.  A pergunta que imediatamente se levanta diz respeito a maneira de vencermos seus disfarces pondo a mostra a verdadeira natureza de um falsário. Enfim perguntamos: Como podemos conhecer a verdadeira natureza de um falso profeta para não nos iludirmos com suas simulações? Nosso Senhor não nos deixa em suspense quanto a isto nos mostrando o meio de descobrirmos a verdade. É pelo fruto.

II – RELIGIÃO DE APARÊNCIA: A RELIGIÃO DO FALSO PROFETA.

Já temos visto que os falsos profetas são lobos em forma de ovelha. Eles não estão preocupados com a essência, mas com a aparência. Isto nos mostra que a religiosidade dos falsos profetas nunca trata da natureza das pessoas, mas apenas do que é mostrado por elas. É uma religião tão somente externa. O Senhor se referiu a isso muitas vezes. O texto de nosso estudo é um exemplo destas referencias de Cristo ao problema. Mas há outro trecho que acredito ser até mais forte com relação a esta questão da aparência. Veja:

Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.”. Mt 23:25-28.

Fiz questão de grifar as palavras que mostram mais claramente a advertência de Cristo contra uma religião de aparência e que também mostram que esta espécie de religião mentirosa é fomentada pelos falsos profetas, que neste caso são os escribas e fariseus. Assim temos que o falso profeta não liga para o seu coração e para o coração de seus seguidores. O que importa é a limpeza do exterior do copo e a beleza do túmulo. Quanto a imundície interna, nada é feito. É lógico que esta religião é totalmente abominável e será condenada por Deus no grande Juízo Final. Mas é a religião de todo o falso profeta e de todos os seus seguidores. Não se iluda, todo o falso profeta sempre, sempre, e sempre pratica esta religiosidade falsa e a produz nos outros. Não há ênfase, por exemplo, na doutrina da regeneração como obra interna do Espírito Santo no coração. O que há é uma ênfase em rituais, práticas, e normas que devem ser realizadas. Veste-se uma capa de piedade em formas de palavras e gestos, e disso não passa (II Tm 3:5). A natureza continua carnal. O falso profeta não se importa que um homem continue um filho do diabo. Por mais que diga que se importe, toda a sua religião, como no caso dos fariseus, leva os seguidores a certos rituais, e é só isso. A natureza do falso profeta e dos que realmente o seguem não muda. Quando Cristo fala assim: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores” em Mt 7:15 é disso que está falando, ou seja, os falsos profetas continuam lobos.

Eis aqui o grande perigo: A religião aparente. Ouça: Quem quer este tipo de religião sempre cairá nas garras de um falso profeta. Tal pessoa não seguirá a séria recomendação de Cristo de olhar para os frutos de um homem. Não! Tal pessoa ficará extasiada com as “vestes de ovelha”. Ela dirá: “Que lindas vestes, que belos enfeites, que maravilhosas cores”. Não será este o seu caso. Prezado leitor? Tenho ouvido tantas pessoas dizerem coisas como as seguintes: “Este homem fala coisas que me dão paz...Vejam quantas curas este homem opera...Olhem a igreja de tal homem sempre está lotada...Este pregador prosperou e muitos seguidores seus também...Gosto daquela igreja pois lá os cultos são animadores...Vejam este homem é um famoso pregador, por isso sem dúvida é um homem de Deus...Observem quantos milhões de evangélicos já existem no Brasil. Com certeza trata-se de um avivamento...Oh os evangélicos já têm um grande poder político e econômico no país. Somos de fato um povo abençoado...Vejam que coisa maravilhosa, a nossa música gospel está na grande mídia”...e por aí vai. Porém nenhumas destas coisas tocam na natureza dos homens. Qualquer pessoa que se por a estudar seriamente a Bíblia descobrirá que um ímpio pode conseguir qualquer uma destas coisas. O fato de uma religião ser grande em número não prova que é de Deus. Lembremos que Cristo disse que poucos entram pela porta estreita e muitos pela larga. Também deve-se afirmar que um “milagreiro” só por isso não é Deus, pois Cristo dirá a muitos destes: “nunca vos conheci”. (Leia, por favor, com atenção: Mt 7:21-23). Afirmo, ainda, que o apoio da grande mídia a música evangélica contemporânea apenas demonstra que ouve capitulação dos que produzem este tipo de música, pois a grande mídia é corrupta. Ora respondam-me: O que tem a luz com as trevas (II Co 6:14)? Também o fato de alguém sentir paz com as palavras de um pregador pode ser um grave alerta mostrando que trata-se de um falso profeta, pois estes gostam de proclamar paz, paz, e paz, onde não há paz, curando superficialmente a ferida do povo (Jr 6:14).E assim caso a caso seria muito fácil demonstrar que o que se tem por prova de piedade em nossos dias não toca na natureza, mas apenas na aparência. Este é um péssimo sinal. Parece-me claro que não se tem seguido a recomendação de Cristo de olharmos para o fruto, mas que, ao contrário, tem-se dado valor as “vestes de ovelha”. Em um ambiente assim os falsos profetas agem livremente e devoram a muitos. Oh leitor, pense nisso e tome cuidado.

III – O FRUTO MOSTRA A NATUREZA.

Mas sem dúvida conhece-se a natureza pelo fruto, pois estes são o resultado do que está dentro. Lembra o que Cristo disse ser o perigo do falso profeta? Vejamos: “por dentro são lobos roubadores” Mt 7: 15. A natureza essencial deles é de lobo devorador de ovelhas. Mas como eles se apresentam a nós? Veja: “se vos apresentam disfarçados em ovelhas” Mt 7:15. Assim temos: Por dentro lobos, e por fora ovelhas. Como então conhecer o que está dentro? Não podemos ver o coração dos homens, não é mesmo? Mas é exatamente o coração que mostra o que de fato um homem é, ou seja, se é ovelha ou lobo. Como saber então o que realmente são. Jesus diz: “Pelos seus frutos os conhecereis”. Esta é a forma de conhecermos a natureza de um homem e nossa própria. Expliquemos melhor: Os disfarces que um homem usa não estão ligados ao que ele é, a sua natureza, mas são roupas que o cobrem. Portanto os disfarces não vêm dele, mas de fora. Agora com o fruto o caso é completamente diferente porque este vem do próprio homem, vem de sua natureza. Assim o fruto é uma espécie de “janela do coração” pela qual podemos olhar dentro da casa, dentro do coração. De fato não podemos ver o coração de ninguém, isto só Deus o pode. Mas, o fruto nós podemos ver. Sendo assim pelo fruto conhecemos a árvore no que realmente ela é. Por isso diz Nosso Senhor Jesus: “Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos, porém a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa produzir frutos maus, nem a árvore má produzir frutos bons”. Mt 7: 16-18. Percebam o argumento de Cristo: Uvas e figos são bons frutos. Ora, bons frutos não podem vir de más árvores. Logo uvas e figos vêm de árvores boas e nunca de abrolhos ou espinheiros. É impossível uma árvore má produzir fruto bom, e uma árvore boa um fruto mal. É dessa forma porque a natureza produzirá um fruto que corresponda a ela. Assim, a natureza é conhecida pelo fruto. Fruto é a evidência da natureza. Segue-se então que o fruto é a “janela do coração” de uma pessoa. Por esta janela podemos ver o que esta pessoa é realmente. Pelo fruto o disfarce descobre-se como mero disfarce. Pelo fruto caem as aparências. Pelo fruto cai a roupa de ovelha e vê-se a face terrível do lobo devorador pronto para atacar as pessoas. Pelo fruto a mentira não resiste e a verdade aparece. Por isso o Senhor diz: “Pelos seus frutos os conhecereis”.

Amigo leitor, o que podemos dizer sobre tudo isso? Podemos dizer que a recomendação de Cristo é para que não olhemos para as vestes, mas para o fruto de um homem. Em outras palavras, que não olhemos para a aparência, mas para a essência do profeta, para sua natureza. Isto só é possível pelo fruto. Fruto no final das contas é que mostra a natureza de uma pessoa. Fruto é o que inevitavelmente ela produz como resultado de seu ser e não algo que ela toma de fora. Mas o que em termos práticos se constitui este fruto? À que se refere Cristo quando fala de fruto? Vejamos no próximo tópico.

IV – A NATUREZA DO FRUTO: ENSINO E OBRA.

O que é fruto afinal? A Escritura é muito clara nesta questão, o que fica demonstrado em vários textos. Olhemos agora o que está escrito na pequena carta de Judas. Vejamos:

Amados, quando empregava toda a diligência em escrever-vos acerca da nossa comum salvação, foi que me senti obrigado a corresponder-me convosco, exortando-vos a batalhardes, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos. Pois certos indivíduos se introduziram com dissimulação, os quais, desde muito, foram antecipadamente pronunciados para esta condenação, homens ímpios, que transformam em libertinagem a graça de nosso Deus e negam o nosso único Soberano e Senhor, Jesus Cristo.”. Jd 3,4.

O objetivo de Judas ao escrever esta carta é levar os leitores a lutarem pela fé. Fé aqui se refere ao conjunto de doutrinas cristãs. Trata-se das doutrinas do Evangelho. A luta era necessária porque homens ímpios estavam transformando a mensagem cristã em um ensino que permitia pecar. Eles estavam abusando da graça de Deus e consequentemente levavam uma vida imoral e incentivavam outros a mesma vida. Temos aqui que quem fazia esta aberração eram os ímpios, ou seja, homens que não eram de Deus. Isso mostra que estes homens eram de natureza corrompida, eram filhos do diabo. Naturalmente trata-se de falsos profetas. O que eles faziam basicamente? Resposta: Duas coisas, isto é, espalhavam doutrina errada e práticas pecaminosas, as quais eles mesmos faziam além de incentivar os outros. Eis aí o fruto que um falso profeta sempre produzirá: Ele espalha doutrina errada e vive uma vida errada. Assim o fruto se manifesta tanto no que um homem ensina como na vida que leva. O fruto é a doutrina e a prática de alguém. O que um homem crê e o que ele faz mostra o que ele é. O fruto mostra a natureza da árvore. Isso é corroborado por vários textos das Escrituras. Vejamos alguns exemplos:

Quando profeta ou sonhador se levantar no meio de ti e te anunciar um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio de que te houver falado, e disser: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los, não ouvirás as palavras desse profeta ou sonhador; porquanto o SENHOR, vosso Deus, vos prova, para saber se amais o SENHOR, vosso Deus, de todo o vosso coração e de toda a vossa alma. Andareis após o SENHOR, vosso Deus, e a ele temereis; guardareis os seus mandamentos, ouvireis a sua voz, a ele servireis e a ele vos achegareis. Esse profeta ou sonhador será morto, pois pregou rebeldia contra o SENHOR, vosso Deus, que vos tirou da terra do Egito e vos resgatou da casa da servidão, para vos apartar do caminho que vos ordenou o SENHOR, vosso Deus, para andardes nele. Assim, eliminarás o mal do meio de ti.” Dt 13:1-5. 

Observe que o falso profeta anuncia falsa mensagem, que é servir outros deuses, e consequentemente incentiva a prática errada de servir tais deuses. Ele ensina e vive erradamente. Assim se conheceria um falso profeta.

Então, vieram de Jerusalém a Jesus alguns fariseus e escribas e perguntaram: Por que transgridem os teus discípulos a tradição dos anciãos? Pois não lavam as mãos, quando comem. Ele, porém, lhes respondeu: Por que transgredis vós também o mandamento de Deus, por causa da vossa tradição? Porque Deus ordenou: Honra a teu pai e a tua mãe; e: Quem maldisser a seu pai ou a sua mãe seja punido de morte. Mas vós dizeis: Se alguém disser a seu pai ou a sua mãe: É oferta ao Senhor aquilo que poderias aproveitar de mim; esse jamais honrará a seu pai ou a sua mãe. E, assim, invalidastes a palavra de Deus, por causa da vossa tradição. Hipócritas! Bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens.” Mt 15: 1-9.

Mais uma vez temos aqui falso ensino e falsa prática produzidos por falsos profetas. Eles ensinam tradição humana não a Palavra de Deus, e também desobedecem e levam outros a desobedecer aos mandamentos de Deus. Jesus diz que o coração deles está longe de Deus, o que mostra que têm natureza corrompida. São más arvores que se mostram em seus frutos de ensino e prática errada.

Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue. Eu sei que, depois da minha partida, entre vós penetrarão lobos vorazes, que não pouparão o rebanho. E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisas pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles.” At 20: 28-30.

Aqui Paulo mostra, conforme Cristo, que os falsos profetas são lobos, e que os conhecemos pelas coisas pervertidas que falam. Mas também se tem em vista a prática errada dos falsos profetas, pois no verso 21 Paulo fala do arrependimento que naturalmente se mostra numa vida longe do pecado. É lógico que os falsos profetas não pregariam o arrependimento genuíno produzindo assim vida pecaminosa em seus seguidores, a qual eles mesmos seriam exemplo.

Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade, é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas, altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro.” II Tm 6: 3-5.

Mais uma vez temos doutrina errada que não concorda com as palavras de Cristo, e práticas pecaminosas, entre as quais o amor ao dinheiro conforme vai mostrar o verso 10. Paulo diz que estas coisas nascem de homens que têm a mente pervertida. São homens pervertidos, com a natureza pervertida. Esta perversão se mostra na doutrina errada e na prática errada. 

Creio que estes textos nos deixam claro que o fruto do falso profeta é sua doutrina errada como também sua prática pecaminosa. Tal fruto mostra que são falsos. Ouça: O homem que você encontrar dizendo-se “profeta de Deus” deve ser julgado segundo estas questões: Que fruto ele produz? O que ele ensina? Como ele vive? Estes são os testes. Sei que alguns se sentem mal com isso. Pensam que é um pecado avaliarem assim alguém que consideram um “homem de Deus”. Mas isso é tolice, pois se esta avaliação não for feita facilmente você seguirá um falso profeta e perderá sua alma. Você está disposto a isso? Os falsos profetas sentem-se muito bem quando você não se dispõem a julgá-los segundo Cristo nos orienta. Eles até tentam impor medo sobre você afirmando que se ousar avalia-los você será amaldiçoado. Mas não dê atenção a eles. Na verdade isto já um péssimo sinal quanto a eles, pois um verdadeiro homem de Deus não teme ser avaliado segundo os critérios das Escrituras. Oh homem e mulher, avalie já a quem você está seguindo. Olhe para o fruto. “Amados, não deis crédito a qualquer espírito; antes, provai os espíritos se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo fora.” I Jo 4:1.

V – CONCLUSÃO:

Apenas o fruto destrói os disfarces dos falsos profetas, pois o fruto é uma espécie de “janela do coração” mostrando a real natureza de um homem. Na prática este fruto se mostra no ensino e na vida diária de um homem. Olhemos então para os frutos e não nos iludamos com disfarces. Cristo mesmo nos diz: “Pelos seus frutos os conhecereis.”.

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

Adquira as obras do blog clicando aqui.

Leitura relacionada ao assunto:

Introdução a Pregação Reformada


Introdução a Pregação Reformada

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Exposição de Gênesis 11: O projeto fracassado e o projeto vitorioso!