A frustrante busca do homem pela autojustificação - Fabiano Rocha*.

Toda busca do homem pela autojustificação é uma clara rejeição à justiça de Deus, que se revela no evangelho. Todo tentativa humana no sentido de procurar ser aceito diante de Deus pelo seus próprios méritos ou tentar justificar-se pela obediência à lei, será frustrada. Quando a Escritura afirma que todos os homens pecaram e foram destituídos da glória de Deus, ela não está transmitindo somente a verdade de que os homens pecaram no passado distante, mas que essa é hoje a realidade que os cerca. O que Palavra de Deus traz é uma descrição categórica do gênero humano em todos os tempos. Os homens pecaram num passado distante, por meio do representante federal da raça humana, mas também continuaram e continuam pecando como fruto de sua condição natural, herdada, caída e depravada.

A queda representa uma perda de toda justiça própria, bem como uma total incapacidade em readquiri-la. Há uma impossibilidade residindo em todas as áreas da condição natural humana. Ninguém busca o bem espiritual, há indisposição para as coisas de Deus. Essa verdade não é extraída de nenhuma ciência social e nem foi elaborada por estudiosos da natureza humana. Esse é o quadro pintado pelo próprio Criador. Não obstante, vemos o homem numa busca frenética por apresentar o seu próprio padrão de retidão. Vemos um zelo cego e um falso engano de que a mera conformação a padrões religiosos irá garantir aceitação. Mas muitos se esquecem que a retidão exigida por Deus em seus mandamentos não está traduzida numa conformação externa aos padrões da lei, nem no legalismo exacerbado. “Deus é um legislador espiritual”, como dizia o reformador Calvino. Nesse sentido, a justiça que Deus exige é muito mais do que mudança de vestes, vai muito além de não tocar, não provar e não manusear. Paulo em Romanos capitulo 7 conheceu sua terrível condição diante de um Deus santo, quando viu nos mandamentos uma lei que dizia que ele não deveria cobiçar. O apóstolo viu sua condição miserável, de um homem que não seria aceito com base em sua própria justiça. É como diz o salmista Davi no salmo 51: “Eis que tu ama, Senhor, a verdade no íntimo”.

A vontade divina aponta para todas as direções, atitudes e intenções dos corações humanos. Não somente uma obediência ampla e profunda nos é exigida, mas também total e irrestrita. Não basta buscar justificar-se obedecendo um ponto ou somente a um preceito da lei. É preciso cumprir todos os mandamentos. “Quem tropeça em um só dos mandamentos, se faz culpados de todos”. Logo, obediência não significa conformação legalista. Se esse é então o caminho que tanto agrada o homem, devem eles então saber que não devem jamais tropeçar em nenhum ponto da lei de Deus. Se eles querem apresentar ao Criador sua justiça, que não tragam trapos, mas uma obediência completa. Isso releva que a justiça do Deus Eterno não será alcançada pelo esforço humano. O caminho buscado pelo homem é enganoso em todos os sentidos. Ele cega, embota o entendimento e traz a falsa sensação de que Deus está se agradando e estamos seguros. Portanto temos duas questões: Primeiro: os homens jamais podem cumprir a obediência que Deus exige. A segunda questão é que Deus exige retidão. Do ponto de vista puramente humano, só resta uma conclusão: jamais poderemos ser salvos. Jamais conseguiremos levantar-nos desse estado terrível, de desesperança e auto-engano. Mas, como então seremos salvos? Com que justiça seremos aceitos? Certamente não será com aquela procurada pela nossa própria força. Seremos aceitos pela justiça que Deus revelou em Cristo Jesus. Essa nos é concedida pela fé e não pelos méritos. Ela é de Cristo e não nossa.

*Pastor da Primeira Igreja Batista Reformada em Taguatinga. 

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

Leitura relacionada:

Quebrantamento (Nova Edição)Quebrantamento (Nova Edição)Quebrantamento (Nova Edição)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Exposição de Gênesis 11: O projeto fracassado e o projeto vitorioso!