Exposição do Evangelho de João: Jesus é o que cura da cegueira espiritual!

Caminhando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos perguntaram: Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Respondeu Jesus: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus. É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Dito isso, cuspiu na terra e, tendo feito lodo com a saliva, aplicou-o aos olhos do cego, dizendo-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que quer dizer Enviado). Ele foi, lavou-se e voltou vendo. Então, os vizinhos e os que dantes o conheciam de vista, como mendigo, perguntavam: Não é este o que estava assentado pedindo esmolas? Uns diziam: É ele. Outros: Não, mas se parece com ele. Ele mesmo, porém, dizia: Sou eu. Perguntaram-lhe, pois: Como te foram abertos os olhos? Respondeu ele: O homem chamado Jesus fez lodo, untou-me os olhos e disse-me: Vai ao tanque de Siloé e lava-te. Então, fui, lavei-me e estou vendo. Disseram-lhe, pois: Onde está ele? Respondeu: Não sei.”. (Jo 9:1-12).

I – INTRODUÇÃO:

Todo este capítulo nove é extremamente importante porque mostra Jesus Cristo como aquele que cura a cegueira espiritual. A Palavra de Deus vai mostrar que os homens estão em uma situação de cegueira espiritual. Eles não conhecem as realidades espirituais. Já vimos isso em nosso estudo de Jo 8:12. O fato é que Cristo é o que ilumina os homens, é Aquele que pode curá-los, dá-los visão. Este texto vai abordar esta situação e é importante que apliquemos este ensino a nossa própria vida. Devemos entender que sem Cristo estamos em completa escuridão e que o único que pode nos curar é Ele. Ao ouvir este ensino você tomará ou uma ou outra atitude: Ou crerá e será curado, ou teimosamente não reconhecerá a cegueira tornando-se ainda mais cego. Qual caminho você tomará? Esta cura estupenda relatada neste capítulo se constitui em uma parábola, em uma ilustração, da cura espiritual que Cristo opera na vida de cada um de seu povo. Isso fica claro do trecho de Jo 9:39-41. Tenhamos isso em mente!


II – PECADO E CALAMIDADES: UMA POSIÇÃO EQULIBRADA (Jo 9:1-3):

Jesus caminhava, o que pode ter acontecido logo após os eventos do capítulo 8 ou algum tempo depois. O fato é que Cristo viu aquele cego de nascença juntamente com seus discípulos. Estes, sabedores da situação daquele pobre homem, ficam curiosos por saber o motivo daquele sofrimento. Mas, como era muitas vezes crido entre os judeus, eles entendiam que alguém havia pecado, ou os pais ou o próprio cego. Não viram outra possibilidade. Pensavam que todo sofrimento deveria ser atribuído a um pecado pessoal. Porém, havia certo desequilíbrio em seu pensamento. É verdade que o pecado pode trazer males físicos como nos mostra I Co 11:29, 30. A palavra de Deus não descarta a possibilidade de sofrerem-se males físicos como conseqüências de pecados pessoais. De fato Deus pode punir o pecado dos homens com males físicos. Porém não podemos exagerar nesta questão como no caso dos amigos de Jó, pois isso seria falta de amor e misericórdia.

Todavia, destaquemos neste ponto a pergunta dos discípulos sobre a possibilidade do pecado do próprio cego ter causado a doença. Mas como se ele já havia nascido cego? Bem provavelmente isto pode ser atribuído a uma crença da época de que a criança poderia cometer algum pecado ainda no ventre de sua mãe. Esse deve ter sido o pensamento dos discípulos neste caso.

A resposta de Cristo demonstra equilíbrio. Ele não nega que o pecado pode causar males físicos, porém mostra aos discípulos que o mais interessante não era aquela curiosidade, mas uma atitude positiva que pergunta: O que faremos com relação a este sofrimento? Cristo ensina que Deus em sua providência nos coloca nestas situações para que seu Nome seja glorificado, para que a sua obra se manifeste, para que Cristo seja conhecido. Deus usaria aquela cegueira física para revelar a Cristo como aquele que cura da cegueira espiritual. Maravilhoso é lembrarmos que de calamidades Deus pode fazer o bem.

Com tudo isso Jesus corrige o desequilíbrio e os incentiva a serem positivos. Todo o Cristão deve aproveitar cada circunstancia para proclamarmos a Cristo. Deve perguntar-se: Como esta pessoa que sofre pode ser edificada em Cristo? Como esta situação pode glorificar a Deus em Cristo?

III - DEVEMOS TRABALHAR ENQUANTO É DIA (Jo 9:4,5)!

À que Jesus se refere quando fala de dia e noite? Como de costume ele usa realidades cotidianas para mostrar fatos espirituais. Ora, o dia é mais apropriado para o trabalho e a noite para o descanso. O dia de Cristo era a vida de Cristo. Mas sua noite viria, ou seja, Ele morreria. Mas mostra que o mesmo acontece com os discípulos e com todos nós, pois ele afirma: “É necessário que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia”. Estas obras era a manifestação Dele próprio. Assim, de fato o dia de Cristo passou, pois chegou a hora de seu sacrifício, morte ressurreição, e ascensão. O dos discípulos também já passou, eles morreram. Dessa forma foi com cada cristão genuíno do passado. Mas hoje é o meu e seu dia. E então o que faremos? Ora, devemos arregaçar as mangas e trabalhar. Devemos anunciar a Cristo a todos em nossa volta como aquele que cura aos cegos. Você está fazendo isso prezado leitor? Está mostrando que você mesmo já está curado desta cegueira? Seu testemunho é fiel? A nossa morte também chegará quando não poderemos mais trabalhar. Lembremos disso!

IV – O TRABALHO DE CRISTO E A RECEPÇÃO DO CEGO (Jo 9:6,7).

Cristo agora passa a trabalhar no caso do cego. E devemos ver tudo como uma ilustração da cura espiritual. Cristo faz o lodo e manda que se lave no tanque de Siloé que significa “enviado”. Cristo cura, mas o cego precisou humildemente submeter-se a Palavra de Cristo. Precisou descansar em Cristo, o enviado de Deus. Assim é com todo aquele que será curado por Cristo espiritualmente. O tal precisará crer em Cristo como o Salvador de seus pecados, o enviado de Deus para redimir seu povo.

Porém muitos não farão isso, como nos mostra o texto depois. Dirão que vêem. Estes não serão curados. Mas os que seguirem o exemplo do cego encontrarão a verdadeira visão. Devemos lembrar que o cego não foi apenas curado fisicamente, mas também espiritualmente. Ele foi conhecendo a Cristo mais e mais até que o adora confiando Nele como o Filho do Homem (Jo 9:38). Qual o seu caso meu leitor? Você crê em Cristo para ser curado, ou acha arrogantemente que não precisa Dele, de Cristo, pois já vê? Qual sua resposta?

V – CURADO E TRABALHANDO (Jo 9:8-12)!

O cego é curado e imediatamente começa a testemunhar. De fato este homem é um exemplo. Seus conhecidos ficam abismados quando o vêem curado e começam a comentar se de fato era ele. Mas ele mesmo afirmava quem era e contava tudo o que lhe acontecera apresentando o homem Jesus. Todo o que é curado por Cristo passa ser instrumento da Verdade para que outros sejam curados também. Que isso aconteça com você! Reflita neste aspecto da obra de Deus em nós!

VI – CONCLUSÃO:

Assim como Cristo curou aquele cego, também cura os cegos espirituais, que são aqueles que crêem em sua Palavra. Estes passam a ser usados por Ele para a cura de outros. Que isso aconteça a cada leitor!

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!  

Adquira a primeira parte da versão impressa destas exposições, ou outras obras nossas, clicando aqui. 

Leitura recomendada para o aprofundamento no assunto: 

Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção

Cristo: Sabedoria, Justiça, Santificação, Redenção

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)