Puros entre impuros – Reflexão com base em Levítico 18 e 20:10-27 sobre o atual procedimento das Igrejas diante das recentes inovações morais no mundo* - Manoel Coelho Jr.



Acesse o vídeo clicando aqui. 

Baixe o Mp3 clicando aqui.

Baixe o PDF clicando aqui.

Gostaria de conversar um pouco com vocês nesta noite sobre o aspecto da pureza que precisamos ter como povo de Deus, o que vai fazer toda a diferença entre nós e aqueles que não são de Cristo. Nós precisamos resistir a tentação que nos provoca a sermos iguais a eles. A tentativa de influência do mundo sobre a Igreja é muito grande. E muitas vezes pessoas que se dizem cristãs tem cedido a tal influência e se tornado como as demais. Isso leva a Igreja a perder todo o seu sentido e ser envergonhada por esse tipo de pessoa. Quero falar sobre isso agora porque estamos vivendo tempos muito difíceis em relação a questão da pureza sexual. Está se levantando no mundo, e especialmente no Brasil, um tipo de ideia que vai fortemente contra a Palavra de Deus, insinuando que os valores cristãos são muito perigosos. Querem passar a tese de que os valores do cristianismo representam o mal, e que, portanto devem ser combatidos e até mesmo destruídos. A forma como muita gente tem falado deixa o pensamento de que a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, e especialmente os Dez Mandamentos, são males que precisam ser aniquilados para que no lugar deles novos ideais sejam inseridos na sociedade. Assim o que chamamos de valores judaico-cristãos, os ensinos do Antigo e Novo Testamento, a cultura judaica e cristã que tem se arraigado na sociedade ao longo dos séculos, tais valores têm sido altamente combatidos como coisas perniciosas, como coisas ruins que devem ser destruídas mesmo, para que então novos valores considerados “bons” venham a substituí-los. E nesta linha de pensamento, segundo o que me falaram e o que também li na internet, aconteceu o primeiro beijo homossexual nas novelas da Rede Globo.

A Rede Globo (Não só ela, mas principalmente ela) tem encabeçado uma tentativa de mudar os valores tradicionais ao longo das últimas décadas. Sabemos que como efeito direto de suas novelas o número de divórcios, por exemplo, teve um aumento significativo neste já longo período em que têm sido exibidas. Os produtores deste material têm procurado mudar os ideais femininos ensinando que as mulheres não devem respeitar aos maridos e tão pouco manter o casamento, o que contraria o ensino da Bíblia. As novelas têm dito que homens e mulheres devem lutar pela “felicidade” no amor. Só que esta luta sempre sacrifica o casamento, ou pelo menos o considera como algo descartável. O resultado é o que vemos hoje com o aumento de divórcios, do adultério, da promiscuidade sexual, como também a destruição das famílias, os maridos sem autoridade alguma, e pais desrespeitados pelos filhos. Este é o “maravilhoso mundo novo” que a grande mídia tem produzido. Estas coisas que citei se tornaram os novos valores da sociedade e aqueles antigos valores bíblicos começaram a ser abandonados e finalmente esquecidos. Agora eles dão um novo passo que é o da criação de uma espécie de “casamento homossexual”, que, segundo eles, deve ser comparada com o casamento tradicional entre um homem e uma mulher. Mas, há um empecilho, isto é, os valores cristãos. Estes atrapalham esta nova empreitada, como o faz as anteriores. Assim o que se diz em consequência é que o cristianismo é perigoso, pois gera o preconceito contra os homossexuais não permitindo que sejam felizes tendo os mesmos direitos que os demais.  (Aqueles que quiserem saber como respondo a tal acusação procurem ler o meu texto ou assistir o vídeo com o título “Casamento homossexual existe? É correto lutar por ele? O que a Bíblia diz a respeito?”). O “Beijo” na novela vem em prol desta luta pelo “casamento homossexual” atacando assim o casamento tradicional cristão, que é um empecilho. Mas tudo gira num ponto: É preciso destruir os antigos valores. Ora, outras reivindicações apresentam também tal afrontar contra o cristianismo bíblico. Menciono, por exemplo, a luta pelo aborto, e a “Lei da Palmada”. Ao longo das últimas décadas os teóricos destas coisas têm conseguido seus intentos. O fato é que os ideais cristãos tem sido corroídos e abandonados. É o semear dos “novos valores”, que na verdade são anti-valores dando seus “frutos”. Mas eles querem mais e neste propósito põem um beijo homossexual em uma novela global. No início isso causa um choque. Mas com o costume as coisas se tornam normais e a sociedade vai se tornando mais tolerante. É assim que tem ocorrido o processo.

Mas a grande questão é se a chamada Igreja Cristã resistirá a tudo isso. Infelizmente não é o que temos visto, pois a dita Igreja Cristã tem sido influenciada pelo mundo. Temos visto nas igrejas um aceitar cada vez maior de um novo casamento, do divórcio, e outras coisas que antigamente não eram aceitáveis, mas que agora começam a ser toleradas ou mesmo já fazem parte da “vida cristã”. Por exemplo, vemos naturalmente entre crentes, mulheres insubmissas a seus maridos. Ultimamente ouvimos a notícia de que a Convenção Batista Brasileira aceitará pastoras. Naturalmente que isso é um exemplo do ceder da igreja aos anti-valores, o que neste caso vem do feminismo. As igrejas têm cedido ao mundo em vez de firmar-se nas Escrituras doe a quem doer, ofenda a quem ofender. Aliás, não e nem para se admirar, pois muita gente vê mais novela que lê a Bíblia ou lê um bom livro cristão, e as pregações são vergonhosamente rasas e até antibíblicas. O fato é que a mentalidade do povo dito cristão é mundana. Isso tudo é absolutamente errado. A Igreja Verdadeira é o sal da terra e a luz do mundo, como nos disse Nosso Senhor. Portanto, devemos afirmar que quem ceder não é verdadeiro cristão, e que a Verdadeira Igreja ficará firme em Deus e em sua Palavra nas Escrituras. Assim devemos nos posicionar não para sermos influenciados, mas para influenciar. Temos apenas estes dois caminhos, isto é, ou somos influenciados pelo mundo ou somos dirigidos pela Palavra de Deus. A Verdadeira Igreja segue tão somente a Lei de Deus, e é assim que ela influencia o mundo.

Neste sentido que quero olhar com vocês para estes trechos do livro de Levítico extraindo deles alguns princípios úteis para nossa reflexão diante da atual conjuntura. O texto apresenta para nós preceitos morais de Deus sobre alguns temas, mas a ênfase está nas questões de caráter sexual. O Senhor menciona aqui as abominações do Egito e das nações da Canaã alertando a seu povo para que não as praticassem. Aquelas pessoas não deviam se deixar influenciar pelos pagãos, mas sim pela Lei de Deus, pois eram povo de Deus. O Senhor ainda diz que foi pelas abominações que aqueles povos foram “vomitados” da terra. A Ira de Deus caiu sobre eles. Mas o Povo de Deus devia ser Santo, visto que Deus é Santo. À luz disso olhemos para o texto mencionando cinco princípios que nos ajudaram a entender todo este assunto.

1 – O pecado cresce em imundice.

As práticas mencionadas neste texto nunca foram planejadas por Deus, mas se originaram da rebeldia dos homens. Na verdade todas se constituem em imundice espiritual. Mas porque estes povos chegaram a tal ponto? É por causa do pecado. Amigos, o pecado é um descer a ladeira, é um cair em abominações cada vez piores, é um juntar da Ira de Deus para o Dia do Juízo. Observe que catálogo terrível é mencionado nestes textos. Fala-se de prostituição, incesto, bestialidade, sodomia, e de idolatria, que inclusive levava a o assassinato de crianças.  Todas estas coisas são imorais e abomináveis aos olhos de Deus, mas se constituíam em práticas comuns entre aqueles povos antigos. Lembremos que estes povos não tinham a Lei de Deus. O que ocorre é que os homens sem as restrições das Verdades de Deus inevitavelmente chegam a práticas cada vez mais baixas e abomináveis. É isso que estamos vendo na sociedade de hoje. Também vemos o abandono da Lei de Deus resultando em que a imoralidade é propalada e defendida como virtude, e as verdadeiras virtudes são combatidas. O resultado é a destruição da base social que é a família, sendo esta considerada errada, e um ajuntamento desmoralizante passa a ser propalado como ideal. Fala-se em novas modalidades de família sem se importar com o que isso significa aos olhos de Deus. A abominação é defendida. Vemos o divórcio ser incentivado. Vemos o desrespeito aos maridos e aos pais. Vemos a indisciplina defendida, e a disciplina ser posta como ilegal. Vemos a morte de inocentes mostrada como um direito da mulher ao aborto. Vemos a homossexualidade posta como virtude e como algo contra o qual nada se pode falar. Enfim é abominação sobre abominação. Mas os defensores de tais atos estão tão anestesiados pelo pecado, a consciência moral deles está tão cauterizada que nem mesmo se envergonham em defendê-las, mas ao contrário, até se orgulham. Definitivamente chegamos ao fundo do posso.

Isso tudo é o evoluir do pecado. É como deixar um pedaço de carne sem nenhum tratamento. Imediatamente ela começa apodrecer e não demora muito para que se encha de bichos. Amigos, esta é a natureza do mundo. O mundo apodrece moral e espiritualmente. O mundo jaz no maligno. Se não fosse a graça comum de Deus o apodrecimento cresceria tanto que a pessoas se tornariam tão violentas ao ponto de a vida social se tornar completamente impossível. E neste ponto devemos lembrar que a Igreja é o Sal da terra e, portanto, também instrumento de Deus para conter o apodrecimento.

2 – Existe um Deus Santo que não aceita a imundície do pecado.

Este é o segundo princípio que brota do texto. A Santidade de Deus faz com que abomine o pecado, pois este é imundo. Deus vê, segundo lemos no texto, o pecado como maldade, torpeza, abominação. O início do capítulo 18 lembra o povo que o Senhor é seu Deus. O Final do capítulo lembra o mesmo. No capítulo 20 verso 26 Deus fala que o povo deve ser santo porque Ele é Santo.  E no início do capítulo diz que o homem que oferece o seu filho a moloque profana o seu Santo Nome. Assim, podemos afirmar que o Senhor abomina todas estas práticas e é isso que importa. Não importa o que a sociedade pensa. Ora, o padrão da verdade, o padrão do correto não é a opinião da sociedade pecadora porque, como vimos, esta quando entregue a si mesma piora cada vez mais em termos espirituais e morais. Portanto se seguirmos a cultura mundana estaremos muito mal. Mas o Padrão é Deus, pois é Santíssimo. Quando este Deus olha para o pecado diz que é imundice, abominação, maldade, torpeza.  

3 – Deus tem um povo na terra.

Observe o capítulo 18: 1 ao 3:   “Disse mais o SENHOR a Moisés: Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Eu sou o SENHOR, vosso Deus. Não fareis segundo as obras da terra do Egito, em que habitastes, nem fareis segundo as obras da terra de Canaã, para a qual eu vos levo, nem andareis nos seus estatutos.”. No verso 28 ao 30 lemos: “Não suceda que a terra vos vomite, havendo-a vós contaminado, como vomitou o povo que nela estava antes de vós. Todo que fizer alguma destas abominações, sim, aqueles que as cometerem serão eliminados do seu povo. Portanto, guardareis a obrigação que tendes para comigo, não praticando nenhum dos costumes abomináveis que se praticaram antes de vós, e não vos contaminareis com eles. Eu sou o SENHOR, vosso Deus.”. No capítulo 20 versos 23 e 24 lemos: “Não andeis nos costumes da gente que eu lanço de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; por isso, me aborreci deles. Mas a vós outros vos tenho dito: em herança possuireis a sua terra, e eu vo-la darei para a possuirdes, terra que mana leite e mel. Eu sou o SENHOR, vosso Deus, que vos separei dos povos.”.  No verso 26 se diz: “Ser-me-eis santos, porque eu, o SENHOR, sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus.”. Conclusão: Existe na terra um povo de Deus que consequentemente deve ser santo porque o Senhor é Santo. Então nós temos as abominações dos ímpios que pioram cada vez mais, temos também um Deus Santo que odeia tudo isso, e ainda um Povo que deve ser diferente dos ímpios, pois pertence a este Deus Santo. Isso nos leva ao próximo ponto.

4 – Existi separação entre o Povo de Deus e os ímpios.  

O Povo de Deus não pode ser igual ao povo ímpio. Veja o que diz o versos 1, 2 e 3 do capítulo 18: “Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Eu sou o SENHOR, vosso Deus. Não fareis segundo as obras da terra do Egito, em que habitastes, nem fareis segundo as obras da terra de Canaã, para a qual eu vos levo, nem andareis nos seus estatutos.”. Que obras eram estas? Resposta: As abominações mencionadas nos textos que lemos. Em outras palavras Deus está dizendo que eles tinham que ser diferentes daquelas gentes. Portanto, há uma separação, há uma distinção devido a natureza de cada povo, pelo o que cada povo é. Ora os ímpios não são de Deus por isso pioram cada vez mais. Mas o Povo de Deus não, pois é de Deus. Assim tem de existir uma diferença, não pode ser igual. Se não tiver diferença alguma o que significará? Significará que tudo é a mesma coisa. Se o dito povo de Deus andar conforme as mesmas impurezas e pecado, então não é povo de Deus coisa nenhuma, não é santo, não pertence ao Senhor. Mas o povo de Deus é Santo e por isso deve dizer “não” as práticas dos ímpios que são evidentemente práticas pecaminosas. Observe quantos “nãos” há neste texto. Cito alguns:

Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe; ela é tua mãe; não lhe descobrirás a nudez. Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai; é nudez de teu pai.” Lv 18: 7,8.
Não descobrirás a nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai; ela é tua irmã.” LV 18: 11.

A nudez do irmão de teu pai não descobrirás; não te chegarás à sua mulher; ela é tua tia.” Lv 18:14.

Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; é abominação. Nem te deitarás com animal, para te contaminares com ele, nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; é confusão. ” Lv 18:22, 23.

É não, não e não porque estas práticas todas eram feitas pelos povos ímpios, portanto abomináveis, pecaminosas e não compatíveis com o Povo de Deus que é um Povo Santo. Diz-se no capítulo 20 verso 13: “Se também um homem se deitar com outro homem, como se fosse mulher, ambos praticaram coisa abominável; serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles.”. No verso 16 lemos: “Se uma mulher se achegar a algum animal e se ajuntar com ele, matarás tanto a mulher como o animal; o seu sangue cairá sobre eles.”. Estas coisas eram tão abomináveis aos olhos de Deus que na Lei Civil de Israel recebiam a pena de morte. Com tudo isso o Senhor está dizendo que tais práticas são inaceitáveis entre os seus. O Povo de Deus tem uma prática sexual pura e se afasta das aberrações dos ímpios, pois Deus é Santo. Há separação entre os povos. Se não há tal separação simplesmente também não há povo de Deus em realidade.

5 – O Povo de Deus é um povo puro que deve seguir a pureza matrimonial e sexual.

Qual o casamento que Deus criou? Resposta: O Casamento entre um homem e uma mulher. E quando ou em que circunstância o sexo deve ser praticado? Resposta: No Casamento. O Sexo é uma expressão de amor mútuo entre um homem e uma mulher casados em que os dois se tornam uma só carne. E é também através do casamento e da relação sexual nele que há a procriação da raça humana. Assim Deus quis, assim Deus criou. Mas com a entrada do pecado tudo se deteriorou começando a deturpação como a bigamia, a poligamia, o homossexualismo, o bestialismo, e por aí vai a humanidade ladeira abaixo.  Tudo isso é impureza, é imundice, é pecado, é contrário a Santidade de Deus. Mas o Povo de Deus é puro, não compactuando com nenhuma destas coisas imundas. Estas impurezas são abandonadas e retiradas de seu meio. O que é pureza? É o que não tem mistura, onde está a Santidade de Deus. É a Lei de Deus que prescreve e dirige o matrimônio e as relações sexuais entre as pessoas de seu povo. Como Deus é Puro todas estas relações também serão puras.

6 – Aplicações para a Igreja de nosso tempo em relação ao que está acontecendo na sociedade.

Temos visto um apodrecimento espiritual e moral crescente em nossa sociedade. As novelas e os falsos intelectuais estão defendo novos valores que combatem frontalmente a Santidade de Deus e a Sua Lei Moral nos Dez Mandamentos. Tais pessoas promovem o adultério e todo o tipo de pecado sexual, classificando estas imundices como virtudes que devem ser defendidas e incentivadas. E também afirmam que aqueles que dizem que tais coisas são erradas são pessoas más e perigosas que devem até mesmo ser tidas como criminosas. Este é o quadro que se nos apresenta hoje. Vemos a impureza crescer e ser defendida. Como Paulo nos diz em Rm 1: 32: “Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.”.  Assim há um apoio, uma aprovação a todo o tipo de prática ímpia. O resultado é que os contrários nem sequer são ouvidos, mas tidos como pessoas que se voltam contra alguma espécie de bem, pois o pecado passa a ser aprovável, louvável, digno. Portanto existe não somente um crescimento do mal, mas também uma apologia, uma defesa ao mal. Sim, há apologia a estas perversões de forma a que passam a ser vistas como virtudes e a Santidade como coisa má.

Porém eu quero afirmar o seguinte: Digam o que quiserem, Deus não muda. Deus é Santo e vai continuar sendo Santo, e para Ele todas as abominações que estão sendo defendidas continuarão sendo abominações.  Então não adianta fazer apologia do mal. Isso não vai mudar a Santidade de Deus. Podem defender o pecado, podem argumentar como quiserem, como tem sido feito com relação a homossexualidade, mas para Deus isso vai continuar sendo pecado e abominável aos seus olhos, como todos os outros tipos de impureza sexual que Levítico 18 proíbe. Estes princípios morais continuam válidos para o nosso tempo.

Mas Deus tem um povo na terra, os seus eleitos, a Igreja que é santa porque Deus é Santo. É um povo que o mundo não dá valor algum, mas que ama a Cristo, que ama a Deus, que ama os mandamentos de Deus, que ama a pureza. Dessa forma, as grandes questões que se levantam são as seguintes: Somos este Povo? Fazemos parte dele? Sim ou não? Como provamos que somos povo de Deus? Resposta: Se vivemos uma vida separada das impurezas dos ímpios. Se dissermos junto com a Lei de Deus um estrondoso “não” para tais abominações, então somos povo de Deus. Como vimos a Lei diz “não”, e se somos povo de Deus também diremos “não”. Seremos diferentes destas práticas que hoje são defendidas. Nós iremos resistir a elas. É aqui que está a grande prova. A verdadeira Igreja não é aquela que capitula, que cede a esta pressão dos teóricos e apologistas do pecado. Não! A Igreja resiste e diz não e em acréscimo defende a pureza. A Igreja resiste a defesa do adultério, do divórcio, da promiscuidade sexual, e do homossexualismo. O que ela defende é a Lei de Deus, é a Pureza de Deus. Se não fizermos exatamente isso não somos povo de Deus coisa nenhuma.

Mas diante da maneira como as igrejas hoje estão cedendo ao divórcio, a impureza, ao feminismo, e a tantas coisas que vem dos ímpios em vez de influenciar a sociedade com a pureza e santidade, eu pergunto: Que Igrejas são estas?  Que povo de Deus é este que não mostra firmeza em defender a santidade da Lei do Deus que diz servir? Que igrejas são estas que já justificam o pecado, que se habituam a ele, e que até argumentam dizendo: “Todos tem feito assim, são novos tempos, devemos ser progressistas e ouvir o mundo”?   Que Igreja é esta em que você argumenta com a Bíblia e seus lideres dizem: “Bem, está na Bíblia, mas podemos interpretá-la mais tolerantemente de modo a adaptar nossa fé aos novos tempos”?  Dizem que o mundo mudou e que devemos nos adaptar. Dizem, por exemplo, que devemos ter pastoras visto que as mulheres já assumem muitos lugares de liderança na sociedade.  Mas e a Bíblia? O que fazer com o mandamento a respeito da liderança amorosa dos homens? Bom para eles isso pode ser relativizado e assim se relativiza tudo até que já vemos igrejas aceitarem pastores homossexuais. Que Igreja é essa? Não amigos, isso não é a Igreja de Deus, pois a Verdadeira Igreja leva a sério a Deus e a sua Palavra, e está disposta a não ceder ao mundo, mas a defender a verdade custe o que custar, doe a quem doer.   A Igreja Verdadeira segue a Deus quando diz: “Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Eu sou o SENHOR, vosso Deus. Não fareis segundo as obras da terra do Egito, em que habitastes, nem fareis segundo as obras da terra de Canaã, para a qual eu vos levo, nem andareis nos seus estatutos.” Lv 18:1-3. A Igreja não seguirá a cultura mundana, mas sim os Estatutos do Senhor. Então se uma Igreja cede na verdade não é mais Igreja. O fato é que a Verdadeira Igreja é Pura. Apesar de que enquanto no mundo não é perfeita, a Verdadeira Igreja ama a Santidade porque ama a Deus. A Igreja vai descartando tudo o que é impuro. Estamos fazendo isso?

Quero encerrar dizendo que o resultado da impureza que hoje é defendida será a Condenação no Juízo Vindouro de todos os seus defensores impenitentes. Deus vai vomitar os ímpios como a terra vomitou aqueles povos antigos devido a iniquidade deles. Como vieram as Dez Pragas sobre o Egito também Deus derramará suas pragas sobre os atuais defensores do mal que não se arrependerem. Israel foi a mão de Deus contra aqueles povos para puni-los devido a suas abominações que o Senhor proíbe nestes textos. Ouça: Deus é um Deus irado contra o pecado e contra o que peca. Aqueles que permanecerem teimosamente na sua imundície do pecado serão vomitados. Ouça o versos 24 e 25 do capitulo 18: “Com nenhuma destas coisas vos contaminareis, porque com todas estas coisas se contaminaram as nações que eu lanço de diante de vós. E a terra se contaminou; e eu visitei nela a sua iniqüidade, e ela vomitou os seus moradores.”.  Diz-se no verso 29: “Todo que fizer alguma destas abominações, sim, aqueles que as cometerem serão eliminados do seu povo.”. No capítulo 20, verso 23 e 24 lê-se: “Não andeis nos costumes da gente que eu lanço de diante de vós, porque fizeram todas estas coisas; por isso, me aborreci deles. Mas a vós outros vos tenho dito: em herança possuireis a sua terra, e eu vo-la darei para a possuirdes, terra que mana leite e mel. Eu sou o SENHOR, vosso Deus, que vos separei dos povos.”. O final de todo o que pratica a abominação e daquele que a defende é a morte eterna. No Dia do Juízo os impenitentes serão condenados mesmo que hoje estejam cheios de argumentos falaciosos. A defesa de hoje não mudará um milímetro da condenação vindoura sobre os ímpios que teimosamente seguem seus pecados. Ninguém se iluda. Deus continua Santo e Irado contra o pecador. Mas a proclamação da Igreja não fica neste ponto. A Igreja obedecendo a Cristo chama todos os homens ao arrependimento e a fé em Cristo. A Igreja não baixa as armas para fazer o que os ímpios querem, pois neste caso não seria Igreja. Não e não, a Igreja verdadeira, ao contrário, corajosamente chama estes mesmos ímpios a deixarem seus pecados e confiarem em Cristo como o Único Senhor e Salvador deles. Ela anuncia “Pecador arrependa-se dos seus pecados e creia em Cristo que pagou os pecados de seu povo na Cruz do Calvário. Reconheça o seu pecado. Reconheça que o Deus Santo de maneira Justa está Irado contra você devido a sua impiedade e corra para Cristo pedindo perdão e misericórdia. Baixe as armas pecador e venha para Cristo”.  Lemos em João 8: 10,11: “Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.”. Em Mateus 11: 28-30 ele nos diz: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.”. Oh que esta seja a nossa proclamação e não um ceder ao mal, para que então a Glória de Deus resplandeça no Evangelho Santificador! Amém!

Pode ser copiado e distribuído livremente, desde que indicada a fonte, a autoria, e o conteúdo não seja modificado!

*Pregação da noite de domingo, 02 de fevereiro de 2014, na Congregação Batista Reformada em Belém.

Para os livros do blog clique aqui.

Leitura recomendada:

Humanismo - Dr. Lloyd-Jones.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Exposição de João 10:1-18 - Jesus é o Bom Pastor (Texto e áudio) - Manoel Coelho Jr.

Meditações em Gênesis 22: A prova suprema da Fé de Abraão* - Manoel Coelho Jr.

Estudo em Gênesis 3 (Primeira parte)